[sc:review nota=4]

Que bruxa mais cheia de pudores a Maria é, não? Tudo bem que segundo Artemis ela atingiu a puberdade há não muito tempo, mas o tipo de constrangimento que ela demonstra em relação ao sexo oposto e a temas sexuais em geral me parece deslocado para a época e para o cenário. Provavelmente isso é intencional, só não sei dizer ainda se a intenção é criar algum tipo de crítica, se faz parte do desenvolvimento do personagem ou se é só um dispositivo de enredo. Achei bacana que no Céu desse mundo há o Arcanjo Miguel e há valquírias também, e elas não são valquírias só no nome: elas buscam as almas de guerreiros mortos em combate, como na mitologia nórdica. Que tipo de céu sincrético será que é esse de Junketsu no Maria? Um que não interfere nos assuntos humanos e não gosta que alguém use meios “não naturais” para alterar a ordem natural das coisas, essa é a única certeza por enquanto.

Pelo final do episódio anterior, eu achei que ela fosse ser amaldiçoada logo no começo desse. Que nada, acho que só deram uma bronca nela mesmo. Veja só, cada vez que ela usou magia de forma ostensiva nesse episódio os céus se abriram e a ameaçaram. No final se cansaram dela e o Arcanjo Miguel desceu para puni-la. Maria se defendeu, tentou contra-atacar o arcanjo, mas foi inútil: ele é poderoso demais. Até o final do episódio a intenção de Miguel era remover o poder mágico de Maria, mas eu sei e você sabe que isso não vai acontecer, e imagino que o aparecimento de Joseph no fim do episódio tenha tudo a ver com isso, mas só saberei com certeza no próximo episódio.

Qual a intenção do Céu (ou quem quer que mande nele) em Junketsu no Maria? Miguel diz que eles apenas observam os seres humanos. Por quê? Se não para ajudá-los ou puni-los, por quê? Bom, talvez tenha a ver com o pós-morte: a vida toda seres humanos são observados, e quando morrem são julgados de acordo com os seus atos. Pelo menos isso não iria contra a presença de valquírias. E por que magia é proibida? Ela não é de alguma forma natural? Usar magia não é uma escolha de quem tem esse poder, assim como cortar pescoços é uma escolha de quem empunha uma espada? Talvez magia não seja assim tão natural, daí a birra celestial. Ou talvez seja simplesmente poderosa demais e iniba demais o livre-arbítrio das demais pessoas mesmo quando usada com boas intenções, já que nem todo mundo possui magia, tornando impossível julgar as pessoas depois de mortas. Ou talvez o céu seja simplesmente sádico. Vale anotar que o Céu nesse mundo não se importa nem um pouco com quaisquer igrejas ou credos que afirmem representá-los na Terra.

Esse foi o primeiro episódio a ter abertura, e nela aparece aquela bruxa inglesa mas nenhuma das francesas que apareceram no primeiro episódio, o que provavelmente explica porque elas pareciam todas iguais e genéricas: não eram personagens importantes, talvez nem voltem a aparecer. Mas qual será o papel da inglesa? Diferente de Maria, ela não possui súcubo, e dá a entender que ela própria faz o trabalho que normalmente uma súcubo faria. E se tem uma coisa que esse episódio deixou clara (embora eu ache que o primeiro já tivesse sido suficiente) é o “trabalho” que uma súcuba faz. Uma cena do episódio foi quase pornográfica, e imagino se não merecerá essa distinção quando sair a versão não censurada em disco. Então a bruxa inglesa deve ter todo o tipo de experiência que Maria não tem e que será efetivamente proibida de ter a partir de algum momento do próximo episódio.

Não falta apenas experiência à Maria. Como a piada do maxilar no episódio anterior deu a entender, falta conhecimento mesmo. Ela criou um íncubo que ela chamou de Príapo nesse episódio depois que Artemis tentou lidar com um padre gay e não teve sucesso, mas bem, falta “uma coisa” nesse íncubo. Engraçada a falta dessa “coisa” justamente em alguém chamado Príapo. E falta porque Maria simplesmente não sabe como deveria fazer, ela não tem a mais pálida noção de como é uma genitália masculina. O curioso é que esse íncubo foi criado para lidar com gays, mas quando mais tarde no episódio ele entra no quarto de um general para tentar seduzir sua esposa mas só encontra lá o marido, o homem não se importa e diz que desde que o íncubo tenha um buraco está tudo bem. E o íncubo fugiu! Como ele espera lidar com gays se ele não puder fazer pelo menos isso? Não é como se todos os gays do mundo fossem passivos, sabe? Se fossem, nem haveria a necessidade de adjetivá-los de “passivos”, pois seria pleonasmo. Ele criou tanta confusão que Artemis jogou ele e Maria para dentro do quarto de volta! Bom, acho que agora Maria sabe como é uma genitália masculina. Mas antes que o general pudesse se divertir, Maria invoca um dragão ali dentro da casa mesmo e sai voando e explodindo tudo.

No mesmo dia a aldeia perto de sua casa é atacada por um bando de mercenários que entre outras coisas por culpa da própria Maria não está conseguindo muitos espólios de guerra. E são mercenários contratados pela própria França, atacando um vilarejo francês. Não satisfeitos em saquear tudo o que a vila tem de valor, o seu líder, aparentemente contra a palavra que ele havia dado ao bispo local, permite aos seus soldados que estuprem as mulheres. Creio que com isso o anime queira mostrar o que ele entende como sendo o pior lado da natureza humana, que não obstante é defendida pelo Céu – em outras palavras, os seres humanos foram abandonados. Antes que o pior aconteça, contudo, Maria chega e usa uma de suas invocações para cegar os mercenários. Nesse momento o Arcanjo Miguel surge para punir Maria. Ela o questiona como eles podem permitir que desgraças assim aconteçam, e diz que está apenas fazendo o que eles deveriam fazer. Miguel se esquiva de uma resposta de verdade, se limitando a listar outras desgraças como aquela que aconteceram perto dali, sugerindo que Maria seria hipócrita por se pretender uma salvadora quando está salvando apenas uma vila – que, não obstante, está pronta para matar seus ex-algozes, o que eles não fazem apenas porque Maria pede que não façam. Miguel não perde a chance e continua dizendo sobre como ao não matá-los, apenas permitirá que eles continuem cometendo essas atrocidades depois. O mundo aos olhos do anjo parece mesmo um lugar escuro e sem salvação. Maria não concorda, não se importa e combate o anjo. O que, como já expliquei, foi infrutífero.

No geral, um bom episódio. Tenho a impressão que a construção de mundo ainda não acabou, o que me faz questionar quantos episódios o anime terá. Lembrando que ele adapta um mangá em três volumes já encerrado.

Discussão