Os Nakiri são pessoas esquisitas, em muitos sentidos. Erina tem uma personalidade complexa, e é a única antagonista do Souma que realmente quer que ele seja expulso, sem usar daquele discurso pífio e clássico “Não perca antes de ser derrotado por mim”. Seu avô, o diretor da escola, tem um jeito todo divertido de avaliar os pratos quando ele trabalha como juiz (quem não lê o mangá, torça pra dar tempo de animarem as Eleições de Outono, apesar de eu achar que não vai rolar). Pra ficar mais interessante, um terceiro Nariki aparece pra encher o saco de Souma. Ou melhor, uma Nakiri. Seu nome é Alice, é prima e concorrente de Erina e, sim, é aquela garota branquinha que estava analisando todos os pratos dos concorrentes na competição. O fato de ela quase ter acertado sobre a eliminação do garoto já é prova de que ela não é uma competidora qualquer, mas somando-se isto ao prato que ela apresentou ter conseguido o segundo lugar (Perdendo pra, surpresa, Erina), já dá pra ter uma ideia de que ela é uma cozinheira sensacional. Aliás, a sua especialidade é uma das mais interessantes, e seu sombrio ajudante também protagonizará alguns dos melhores duelos. Mas, por enquanto, vamos deixá-los passeando por aí e lembrar que, opa, nosso protagonista está novamente com a corda no pescoço, e ignorar minha chateação pelo fato de as músicas não terem mudado, hmpf.

Finalmente Souma entendeu que a experiência dele em servir clientes é limitada, e que cozinhar para um restaurante é muito diferente de preparar pratos para um buffet. Que ideia estúpida a dele de fazer uma omelete com textura de suflê! Quem tem um mínimo de noção culinária sabe que suflês perdem sua forma muito rapidamente, essa é sem dúvida uma das piores coisas pra se preparar em uma refeição na qual os clientes podem não comer o prato imediatamente. Quando ele percebe seu erro só falta meia hora para acabar o desafio, e muitos de seus colegas inclusive já completaram as 200 porções estipuladas. O que fazer, mudar a receita em cima da hora ou dar um jeito de atrair clientes para servi-los imediatamente? Segunda opção, claro. Usando uma garotinha de isca ele até consegue despertar o interesse do público, mas como gerenciar o tempo de forma a servir mais de 150 porções no tempo que resta? Ohoho, usando um truque que fãs de Kuroko no Basket já conhecem bem: a zone.

 

Trabalha garoto, foco, concentração!

Trabalha garoto, foco, concentração!

 

Sigam meu raciocínio: oito mini fogões, duas bocas cada, totalizando dezesseis chamas, cada uma com uma frigideira e preparando uma omelete. Cada prato leva cerca e um minuto pra ficar no ponto, e é nesse intervalo que o cozinheiro aproveita para preparar a massa para a próxima leva. Se demorar demais, pode queimar as que estão no fogo ou deixar a massa incompleta, gerando atrasos. Um timer ajuda a medir os segundos com precisão, sua concentração extrema não deixa brechas pra falhas, e sua habilidade adquirida permite que ele vire todas as omeletes em sequência, e perfeitamente. Isso na frente dos clientes. Não parece um show divertido, que te faz esquecer da fome enquanto espera sua vez de ser servido? Sim. Cozinha ao vivo não tem nada de inovador, mas salvou a pele dele, o gerenciamento permitiu que fosse possível terminar a tempo. Raspando. Ponto positivo: subiu ainda mais no conceito dos avaliadores. Ponto negativo: não acho que o que ele tenha servido fosse estilo buffet, e isso poderia fazê-lo se dar mal se fosse só uma prova da escola. Mas né, ele sempre se safa. Mas faço minhas as palavras de Alice: ele não vai conseguir vencer pra sempre com esse tipo de culinária. O garoto devia aprender a escutar conselhos de vez em quando.

 

Escutar os outros não mata não, sabia?

Escutar os outros não mata não, sabia?

 

Encerrada a prova, sobravam cerca de 2 terços do número original de alunos. O diretor anuncia mais uma prova pra dali a quatro horas, levando a ondas de indignação e protesto. Eles nem sequer conseguem ficar de pé direito, praticamente passaram a noite em claro, e agora isso? Calma crianças, agora é hora da recompensa: um jantar preparado pelos formados da academia, em comemoração à sobrevivência deles. Comam, riam e e relaxem, por hora vocês estão salvos.

Pra finalizar, apenas uma dúvida pessoal: existe alguma regra que proíba veteranos de mencionarem detalhes do acampamento pros novatos? É, porque se Isshiki tivesse explicado como funcionou pra ele no ano anterior, acho que os garotos teriam sido menos pegos de surpresa, e quem sabe se preparado melhor psicologicamente? Ou seria simplesmente sadismo da parte deles? Entre a primeira e a segunda opção, eu fico com as duas.

 

Poxa Erina, você era uma criança má, viu?

Poxa Erina, você era uma criança má, viu?

Discussão