Meu vilão favorito da franquia DB era o Majin Boo. Desde sempre. Deve ser porque quando criança eu detestava desenhos violentos, mas a saga dele era engraçada daí eu peguei gosto por aquela coisa rosa de dupla personalidade. Mas em 2013 as coisas mudaram, e um sphinx roxo de paladar mais exigente do que juiz de Masterchef tomou seu lugar. E, aparentemente, seu apetite está deixando de ser pratos exóticos ao longo do universo e se tornando uma fome de poder. Como todos os homens que são os melhores no que fazem, ele quer ser desafiado, mas não quer perder, então busca alguém forte o bastante para lhe dar trabalho e alguma diversão. Contraditório, mas compreensível.

Levei dois episódios pra notar que a série se passa ANTES do Batalha dos Deuses, e não depois como eu esperava. Me sinto estúpida, mas ao menos me adaptarei a essa nova condição e mudarei um pouco do que esperar de agora em diante. A primeira desvantagem é já saber como o encontro entre Bills e a Terra vai se dar, mas não saber como o anime vai tratar de um fato já esperado e de conhecimento geral. Vai repetir as cenas? Não sei e, na real, por hora nem me interessa muito, só me deixou meio decepcionada.Mas bem, Bills sonhou com um tal de Super Sayajin God e quer enfrentá-lo, e claro que Wiss o está ajudando. Ainda não saquei bem o relacionamento entre esses dois, já que Wiss é ainda mais poderoso do que Bills, mas age como seu empregado e é tratado como tal. Eu podia fazer apologias a um gato e seu dono, mas seria injusto; gatos são mais amigáveis. Pois bem, o gato cheio das frescura sonhou com alguém com quem pode travar uma luta decente, e isso vindo de alguém que destrói planetas (oito no primeiro dia de seu despertar) sem nenhum esforço é muita coisa. Mas na real, não se trata de alguém e sim de uma das muitas formas dos sayajins, a já conhecida God (cabelinho rosa, sacam?). Ele quer encontrar God, então usa seu servo google e decide vir até a terra, no intervalo de tempo de um episódio de anime. Em todos os sentidos, e para desespero dos Kaiohs.

 

Destruir planetas sem boa comida dá uma foooome...

Destruir planetas sem boa comida dá uma foooome…

 

Enquanto o deus destruidor se prepara pra transformar a Terra em seu playground particular, nossos sayajins treinam porque sim. Goku já havia fugido de casa e se concentrava em destruir o planetinha do Supremo Senhor Kaioh, mas o Vegeta estava em férias forçadas com sua família. Entre shoppings, compras, parques de diversão e shows de stand-up, ele não consegue desfazer aquela bunda que chama de cara. Mas vejam só, é daí que vem parte do meu apego por Vegeta: ele prometeu que ia se divertir com o filho, e foi. Mesmo sendo empurrado pelo remorso de ter batido no Trunks, mesmo odiando cada minuto, ele ficou até onde suportou, e mesmo quando enfim apelou e fugiu pra treinar, foi na Corporação Cápsula, relativamente perto de casa. Digam o que quiserem, mas Vegeta = melhor pai sayajin ever. Ainda mais considerando que ele foi treinado pra ser um guerreiro orgulhoso a vida inteira, então demonstrações de afeto nem de longe estão entre as coisas que ele é capaz de fazer. Oh Veggie-chan, você ama sua família, né? Do seu jeito rude, grosseiro e estúpido, mas ama.

Falando nisso, a festa de aniversário da Bulma que foi palco do filme está começando, então Bills e Wiss devem dar as caras na Terra já no próximo episódio. O que rolou até agora parece apenas a intro daquele filme, então presumo que as coisas serão iguais, só que melhor contadas. Espero que ao menos uma de minhas dúvidas seja esclarecida, que é da gravidez da Videl. A Bra não é maia velha do que a Pam? Então como a Videl pode já estar grávida, mas a Bulma não, e nem ter uma bebê com ela? Sei lá, ficou linearmente confuso e eu queria muito entender isso. A menos que eu esteja me confundindo, o que sinceramente, não seria a primeira vez.

 

Se o maior herói da terra tivesse cumprido sua parte, talvez nada disso tenha dado errado.

Se o maior herói da terra tivesse cumprido sua parte, talvez nada disso tenha dado errado.

Discussão