Enquanto eu pensava para escrever o artigo de Twin Star Exorcists anteontem e já tinha traçada na minha cabeça mais ou menos que a linha geral seria comparar o casal de protagonistas, Rokudo e Benio, em algum momento percebi que há semelhantes semelhanças entre Ikoma e Mumei. Mas que ainda assim eles são fundamentalmente diferentes, e não é porque não são noivos.

Além disso existem as questões específicas sobre o cenário de Kabaneri que me intrigam, e a alguns incomodam. Notavelmente o comportamento e a natureza dos kabanes (e kabaneris). Você está no time dos intrigados ou dos incomodados?

Por que não falou antes?

Por que não falou antes?

Pelo que diz a Mumei, os kabaneris e provavelmente os kabanes se alimentam de sangue. Não de cérebros, como o zumbi-padrão da cultura popular, não de carne em geral, mas de sangue, como vampiros. Ou como ghouls, que em algumas versões do mito são como vampiros porém irracionais. Isso explica como eles atacam as pessoas, frequentemente em bandos enormes, mas não deixam seus corpos destruídos: apenas mordem para sugar o sangue. Por essa mordida as pessoas são infectadas e o resto é conversa. A reação das mulheres quando a Mumei revela isso é meio boba: “então você quer nos transformar em kabanes!”. Sério? Não consegue pensar em nenhum outro jeito de dar sangue para ela além de deixá-la te morder, mulher? Talvez essa fosse a função do monge (monge?) que a acompanhava.

Outra coisa que se fala sobre os kabanes é sobre como às vezes eles são lentos e letárgicos, às vezes poderosos e velozes. Eu pessoalmente não tenho problema nenhum com isso, eles são irracionais afinal, devem apenas agir segundo instintos básicos. Quando estão com fome eles atacam. Quando estão com muita fome eles atacam muito. Devem ter algo parecido com comportamento de manada também, e sua forma de defesa básica é agarrar e morder. Não há muito mais a dizer sobre kabanes, por enquanto.

O "treinamento" da Mumei

O “treinamento” da Mumei

Há bastante a dizer sobre kabaneris, contudo. Mais especificamente, sobre o par de kabaneris do anime: Ikoma e Mumei. É certo que a Mumei defendeu o Ikoma e se expôs ao fazer isso, mas por quê? Até o fatídico momento final desse episódio eu tendia a acreditar que ela havia mesmo se sacrificado por ele, que poderia ter passado a viagem toda oculta, mas se ela teria sede de sangue mais cedo ou mais tarde de qualquer forma então esse não é o caso. Se ela iria mesmo acabar exposta não foi sacrifício nenhum se expôr antes. Pelo contrário: ao se expôr em um momento em que um kabaneri havia acabado de salvar a vida de todo mundo ela angariou um pouco dessa glória para si mesma. Não que ela já não tivesse bastante glória por si mesma por ter guiado o povo até o trem, mas mesmo assim, glória nunca é demais.

Os dois são kabaneris e ela sabia que, como kabaneri, ele iria eventualmente sentir sede de sangue também. Por que não o avisou? Ela não parece se importar com ele ou com ninguém naquele trem. Provavelmente o plano dela, ou melhor, provavelmente o que passou pela cabeça dela, se é que ela se deu ao trabalho de pensar nisso, foi algo como “quando acontecer eu derrubo ele e explico pra galera que a gente precisa de sangue”. Mas ela detectou outro kabane no trem e foi atrás dele – a mulher grávida, para acrescentar pontos de tragédia.

Ayame protegendo (acredite) Ikoma de um bando que queria matá-lo

Ayame protegendo (acredite) Ikoma de um bando que queria matá-lo

Não a atacou imediatamente. Eu acredito que ela já soubesse quem era (ela “fareja” kabanes e kabaneris, se entendi direito), mas esperou que ela se transformasse sozinha – ou se sacrificasse, se essa fosse sua escolha. Ou seja: a Mumei é egoísta sim, mas não é maliciosa (eu espero). Mas enquanto ela derrubava o novo kabane, o Ikoma saía de controle e atacava a Ayame – logo depois de jurar para ela que não pretendia fazer mal a ninguém e queria apenas matar todos os kabanes. Ai, as ironias de um roteiro conveniente…

Nem ele sabe

Nem ele sabe

Mas no fim das contas, o que quer a Mumei? Se ela realmente estivesse preocupada com aquelas pessoas não diria coisas como a que ela disse para o Ikoma quando ele contou a história sobre como sua irmã morreu, e trataria as demais pessoas do trem com um pouco mais de respeito. E, claro, não teria deixado o Ikoma no escuro sobre sua iminente sede de sangue. Ela não quer ajudar aquelas pessoas, ao contrário do Ikoma, mas também não quer o mal para elas. Bom, ela quer chegar no castelo do xogum, como ela disse. Ela precisava do trem para isso, e mesmo se soubesse operar um trem não poderia fazer isso sozinha tampouco poderia convencer os homens que já estavam no trem a partir – precisava que a Ayame desse a ordem.

Por isso ela os ajudou. Interesse mútuo, só isso. Os protege em troca de sangue e treina o Ikoma em troca dele ser seu escudo vivo. Parece tudo razoável, e seria, se ela tivesse combinado tudo isso antes ao invés de apenas impôr sua vontade. Ela é … mimada? Uma pessoa importante e mimada que quer ir para o castelo do xogum. Está me acompanhando? Ela vive falando de seu “irmão”, de como ele lhe deu seu nome, enfim, ela parece gostar do tal irmão dela. E ela quer ir para o castelo do xogum. Não vou escrever mais nada, acho que você já entendeu onde eu quero chegar, né?

Entendeu?

Entendeu?

  1. Excelente matéria como sempre Fábio, este episódio foi muito bom, o estúdio está de parabéns, já não via um par de katanas tão bem feitas/desenhadas à muito tempo, já para não falar do carácter design dos personagens (a parte do flasback do Ikoma com a sua irmã estava muito bom) e o resto das sequências de acção também (a parte em que a Mumei dá um chute nas partes baixas do Ikoma, até deve ter feito impressão ao espectador). Quanto à Mumei, eu não acho que ela seja má, só acho que ela tem uma atitude um pouco egoísta (ela deve ser daquelas pessoas que acha que só os fortes sobrevivem, os fracos morrem etc), mas não deve ter malícia, a Mumei também é daquelas que não leva desaforo para casa, gostei bastante do confronto dela com o samurai (Kurusu) no inicio do episódio (pessoalmente acho que ele não teria a mínima hipótese contra a Mumei mesmo sendo habilidoso (repare-se que ele desviou a bala que a Mumei atirou nele com a ponta da arma, mas mesmo assim não tem a agilidade e a habilidade de matar da Mumei). Quanto à tua teoria dos kabanes, eu também já tinha pensado o mesmo, eles são tipo ghouls como tu disseste (desde o primeiro episódio que estranhava de os kabanes só terem marcas de mordida, todos os kabanes tinham o corpo completo (só aqui já da para ver que não é um anime de zombies normal), entrando em frenesim quando sentem vontade de beber sangue, variando a vontade, se for pouca, atacam menos agressivamente, mas se for muita entram em um estado de euforia tipo berserk, e atacam com muita agressividade e em grupo (tipo comportamento de manada como referiste na tua matéria). O Ikoma até agora para mim está ok, mas tenho um leve pressentimento que o rancor que o Ikoma tem pelos Kabanes ainda lhe vai dar muito trabalho, mas posso estar enganado, neste episódio deu para entender mais as motivações do Ikoma, principalmente porque ele se sente responsável pela morte da sua irmã (ele próprio admite que deixou a sua própria irmã à sorte aquando o ataque dos kabanes ao assentamento onde eles estavam) mas ninguém o pode culpar, os próprios adultos que os deviam defender fugiram com o rabo entre as pernas) ele ia fazer o quê atacar um Kabane com pedras ou um pau. Tive bastante pena da mulher que estava grávida, mas aqui põem-se uma questão, como ela foi infectada e aqui eu tenho duas teorias, a primeira delas é, a mulher teve relações sexuais com um homem infectado (já que a proliferação do vírus no corpo humano varia de pessoa para pessoa) se assim for a Mumei pode ser um desses caso mas para isso a mulher tinha que aguentar até ao final do período de gestação sem se transformar num kabane, que neste caso não aconteceu. A segunda hipótese que eu coloco é que o vírus pode ser transmissível pelo ar (como por exemplo a tuberculose), já quando entraram em fuga eles tiveram que passar pelo mesmo local onde os kabanes atacaram, logo houve contacto directo mas é apenas uma suposição.
    Neste episódio, também se viu como o ser humano é mesquinho, como se viu na parte onde as pessoas brigam com a mulher que estava grávida só por ter uma peça de comida a mais que as outras, como o ser humano é susceptível ao medo de reconhecer coisas novas (neste caso os Kabaneris), de se deixarem levar pelo medo e ignorância que os levem a cometer actos horríveis (neste caso a matar os Kabaneris).

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Olá!

      Tive que voltar aquela cena da Mumei com o Kurusu algumas vezes, é tudo muito surreal: ela arremessa a bala com a mão e ele apara com sua arma.

      Quanto à mulher, bom, eu acredito que ela foi mordida mesmo. Na pressa da fuga ou ela não passou pela triagem para entrar no trem ou passou rapidamente e conseguiu de alguma forma esconder. O que poderia ser do bebê dela é o que me deixa mais em dúvida e o que talvez tenha a ver com a Mumei. Se o bebê nascesse, ele seria saudável ou seria um kabane? Se prendessem e contivessem a kabane, a gravidez continuaria?

  2. És capaz de ter razão, ela se calhar ao fugir foi mordida num sitio menos visível, quanto à hipótese do nascimento do bebé eu acho que seria possível, desde que a mantivessem em cativeiro e com suporte de vida (neste caso alimentar a mulher com sangue) o bebé poderia nascer só se saberá lá mais para a frente.

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      É o que acredito também, e como sigo achando que a Mumei se tornou uma kabaneri de uma forma diferente do Ikoma, a hipótese de ter nascido assim é uma das mais fortes.

Discussão