Sim, a nota não está errada. Dessa vez, Re:Creators fez por onde para merecer suas cinco estrelas. O anime provou mais uma vez que vive de momentos, só que nos três episódios houve tantos ótimos momentos que por mais que eu encontre o que criticar, ainda assim, ele será merecedor da nota máxima!

Dito isto, vamos aos episódios!

No episódio 17, tivemos o começo da grande luta, o fechamento do cerco em cima da Altair e a formação da gaiola aparentemente perfeita! Confesso que estava receoso quanto a esse plano, mas acho que, no final das contas, ele se provou razoavelmente eficiente e está rendendo os melhores momentos da série até agora.

Sendo assim, as criaturas começam o embate e, enquanto a trilha sonora não falhava em engrandecer as lutas, o roteiro não ficou atrás e nos proporcionou bons diálogos. A Altair estava afiadíssima e bateu de frente com todos os seus inimigos, extraindo muito bem o seu “potencial vilanesco”. Por outro lado, a Aliciteria confirmou o indicado e traiu a vilã, o que considero dentro do esperado para o seu papel. Bom, mesmo que previsível.

Nâ na ni na não… Aliás, a Altair foi a MVP desse episódio!

Apesar da boa ação, o episódio se sobressaiu mesmo foi no diálogo entre o Blitz e a sua “deusa”, onde minhas suspeitas foram confirmadas e sua filha morta foi revivida não só para causar um plot twist, como também para pôr o pseudo-vilão contra a parede e forçá-lo a cooperar com os “aliados”.

Achei a criadora dele bem sacana, só que coerente, pois ela conhece bem o personagem que criou e sabia exatamente o que fazer para convencê-lo. O diálogo deles foi excelente, ver suas diferenças de valores e a ira da criatura para com aquela que o deu um destino tão horrível ajudou a trabalhar ambos os personagens e suas motivações, de forma a nos fazer entender o que os motivava e o que eles estariam dispostos a fazer por isso. Levar um tiro e trair um aliado são atos de coragem, afinal.

Nem parece que estava mortinha da silva, lol.

Não vou ficar implicando com a ressurreição da filha do Blitz, mas acho sim que ela foi bem conveniente para o roteiro, mesmo que tenha uma explicação plausível. Contudo, não acho que isso apaga o impacto que teve, foi um fechamento digno para um episódio estruturalmente bom e empolgante.

“Quero dizer, eu sou o CRIADOR.”

O episódio 18 tem um ótimo diálogo entre a Magane e o Souta, no qual a metáfora com o ouro dos tolos e a admissão da semelhança entre os dois por parte do garoto foram eficientes em fazer com que o público compreendesse melhor ambos os personagens.

Gostei também dela não ter se envolvido na luta, pois isso não faria sentido algum já que ela não estava do lado de ninguém. No final, ela só queria “ver o circo pegar fogo”, ver as coisas se desenrolarem da maneira mais interessante possível, e isso também é coerente com a aparente ajuda que ela deu ao protagonista. Estou ansioso para ver o que ele está preparando, acredito que isso vai ser importante para a conclusão do anime.

Ansioso para saber o que será isso…

Aliás, acho que essa personagem foi uma das mais bem trabalhadas ao longo da trama, porque além de fazê-la andar em certos momentos, ela manteve sua ambiguidade intrínseca a sua personalidade e conseguiu balancear suas ações com suas atitudes. Acho que ela ficou um tanto quanto exagerada em certos momentos, porém isso não atrapalhou em nada a história. Espero que essa coringa tenha algum momento ainda mais interessante até o final.

Outra coisa legal desse episódio foi a luta entre o Yuuya e o seu rival, pois não foi só uma distribuição de golpes e cólera, mas também um embate psicológico por parte dos heróis para convencer a criatura de que a Altair era o verdadeiro mal, e que ele deveria se aliar a eles. Destaco o upgrade da Hikayu, que achei bem bacana, e deu para entender facilmente porque o público recebeu bem essa drástica mudança da personagem, de colegial fofa a guerreira forte e corajosa.

Golpes mais espalhafatosos, sim ou claro?

O “spoiler” dado pelo Yuuya no momento pós-luta foi bem engraçado e bacana. Como a plateia também estava ouvindo o diálogo, eles também tomaram esse “spoiler”, e isso foi algo bem interessante de se ver. É de se elogiar os vários detalhes que Re:Creators explorou ao longo do anime no que tece a situações bem prováveis de acontecer caso seres de histórias fictícias viessem parar no mundo dos seus criadores.

O final desse episódio não poderia ter sido melhor já que Charon – o herói da história da Selesia – aparece ao lado da Altair e nos agracia com um cliffhanger emocionante. Charon conhece as verdadeiras intenções da vilã? Selesia irá enfrentá-lo até a morte ou conseguirá convencê-lo com palavras como fez Mirokuji? Seria essa uma última cartada desesperada da Altair? Para saber dessas e outras coisas vamos ao próximo ato!

“Enquanto estivermos vivos, temos que aproveitar nossas vidas ao máximo.”

O episódio 19 foca na relação da Selesia e do Charon e nos seus posicionamentos diferentes em meio a essa situação. Sua negativa em lutar contra seu antigo aliado faz todo o sentido, e até rende uma boa luta entre ele e o Kanoya. Estava sentindo falta de um momento mais emocionante do mecha boy e, nesse episódio, ele mandou muito bem!

Voltando a relação dos dois, foi interessante ver que o criador da história deles admitiu que ele já estava cansado de lutar e, por isso, aceitou a proposta da Altair de destruir esse mundo e salvar o seu. Ficou claro que a escrita do Matsubara-san não levaria ele a essa tomada de decisão, mas a partir do momento em que ele saiu da história suas decisões se tornaram somente suas. Isso reforça a ideia de que toda criatura já não diz mais respeito ao seu criador, entretanto, agora, é um ser completamente diferente que não pode mais ser “controlado” por quaisquer meios conhecidos.

Isso poderia render um paralelo interessante entre nós mesmos e nossos supostos criadores – deuses, etc -, mas isso é algo que acho melhor fazer, se for, só no fim da obra. Antes de voltar para Selesia x Charon, temos que falar de Aliciteria e de que fim ela levou!

Ele me surpreendeu, arrasou nesse episódio!

Desde o episódio 17 já podíamos perceber que a animação havia decaído um pouco – aquela montaria da Alice-chan em CG ficou bem ruinzinha, aliás –, mas isso ficou longe de ser o mais importante. Vê-la enfrentar a Altair e o que se sucedeu após isso foi o segundo melhor momento desse episódio e um dos melhores do anime até agora!

A vilã finalmente admitiu o assassinato da Mamika e provocou a ira da guerreira, mas não só isso, ela inflama também seu senso de justiça e dever que todo protagonista bondoso costuma ter. O problema foi ela desferir um golpe direto na Altair – acredito que isso se deveu também ao fato de ela não ter a informação da imprevisibilidade de suas habilidades –, o que foi o mesmo que nada já que seu poder de reversão de causa e consequência – apelão pra caralho, vale dizer – devolveu o golpe mortal para a loira e quando ela ia usar aquele clássico último golpe para derrotar o grande mal – um clichê infalível na maioria das histórias – ela foi morta secamente, como se fosse uma reles figurante sem qualquer capacidade de resolver a situação. Isso inclusive foi deixado claro pela Altair após matá-la, o que foi um baque forte para o público – e também para os telespectadores do festival e para o seu criador –, pois não engrandeceram ou dramatizaram o momento, foi brutal, foi tudo bem objetivo e eficiente para gerar impacto em quem estava vendo.

Achei que Re:Creators foi um tanto quanto corajoso por essa morte e, apesar de não gostar tanto da personagem, acho que a Aliciteria teve um final bonito, apesar de abrupto e angustiante. Esse foi só o clímax da primeira parte do episódio, a segunda rendeu o momento que para mim foi o melhor do anime até aqui!

Não queria me despedir dela com um momento triste, mas sim com um momento glorioso!

A dinâmica da Selesia com o Charon foi bem bacana, pois, apesar de evitar a luta ao máximo, chegou o momento em que ela percebeu que apesar de amá-lo, e admirá-lo profundamente, ela não poderia deixá-lo sacrificar todas as pessoas desse mundo pelo seu povo. Ao se dar conta disso, e se virar contra aquele que era tão importante para ela, Selesia foi uma heroína de verdade, pois entendeu que seu papel não era só de defender os seus, mas lutar por toda e qualquer pessoa que precisasse de ajuda, desse mundo ou de qualquer outro. No momento em que abraçou essa convicção em seu coração, ela foi capaz de, genuinamente, lutar por um bem maior, foi justa e coerente com seus princípios, se ergueu por uma causa honrada e abandonou todo o seu egoísmo ao se sacrificar daquela forma!

Esse momento sim foi bem dramático, devidamente romantizado para gerar o máximo de impacto possível, pois, agora sim, Re:Creators foi definitivamente muito corajoso, já que abriu mão daquela que acredito que todos consideravam a protagonista do anime faltando três episódios para o fim da trama.

Selesia foi a primeira criatura a dar as caras na história e Souta o primeiro “criador”, até esse episódio eu considerava os dois os protagonistas da história, e na verdade ainda os considero, mas achei fantástica a ideia dela de “passar o bastão” para a Meteora. Nada mais coerente e devido já que no fim das contas ela que foi o cérebro dos heróis e sem ela nada daquilo teria sido possível. Selesia era o rostinho bonito nos cartazes, e se provou ser muito mais que isso ao longo da trama, e Meteora – a que foi tida como chata e entediante por muitos em diversos momentos, inclusive por mim, admito – toda a base de sustentação para todos os planos, a única mente capaz de afrontar a grande vilã. Agora, ela, que era no máximo uma co-protagonista, terá que tomar as rédeas da situação se quiser salvar o mundo!

É aqui onde você brilhará mais que tudo!

Apenas para concluir sobre a Selesia, achei belíssimo o momento do seu sacrifício, mais uma vez a produção foi impecável e entregou não só um ótimo roteiro como também uma direção de cena eficiente para causar impacto. Desde o 17 houve uma avalanche de ótimas músicas, mas para esse momento reservaram uma música nova – que, se não me engano, não faz parte da trilha sonora já lançada – que casou muito bem com toda a cena. Animação, trilha sonora, direção, dublagem, sonorização, roteiro; todos foram dignos dos últimos momentos da personagem, e é por isso – além da profundidade que pude sentir pela forma como ela se expressos nesses últimos minutos – que achei esse o grande momento do anime até aqui. Foi espetacular, esse é o Re:Creators que nós queremos!!!

Por fim, só posso dizer que espero que ela tenha morrido mesmo – não por sadismo, mas porque seria anticlimático demais ela continuar viva após tudo isso –, que estou sim muito ávido por saber o que vai acontecer na história agora, que gosto sim da Meteora e espero que ela seja incrível nessa reta final, e que acho que um final onde a Altair fosse derrotando os heróis um a um e no final a Meteora se sacrificasse para derrotá-la, assim salvando o mundo, seria bem digno e incrível de se ver!

Pode ser que acabe assim, pode ser que não; a única certeza que eu tenho é que, apesar de achar Re:Creators um anime apenas “bom” por conta de toda a sua base tortuosamente construída, esses três episódios me animaram muito para ver como essa história vai acabar. O hype voltou com tudo e, sendo assim, torço muito para que ele seja cumprido ou até superado até o final!

“Por favor, dê ao meu mundo histórias e café.”

Aliciteria e Selesia, vocês foram guerreiras dignas e corajosas até o fim, acredito que a morte de vocês não será em vão!

Até o próximo episódio do anime que agora promete ter um dos melhores finais da temporada!

“A história continua, enquanto houver alguém lá fora que acredite na minha existência.”

Discussão