Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Mentira, ele fez sim, muita coisa errada.

Bom dia! Enfim, como eu dizia, Charioce fez muitas coisas erradas. De fato, se tem uma coisa que ele fez em Rage of Bahamut: Virgin Soul, foi errar. Os acertos dele se contam nos dedos das mãos de uma cobra, e todo o resto varia de neutro ou talvez pequeno equívoco a falha crítica e calamitosa.

Mesmo assim, ele estava bem intencionado. Críticos e defensores (quem?) dele devem concordar pelo menos nisso: o Rei de Anatae estava indubitavelmente bem intencionado. Isso o redime.

Ou não?

Ler o artigo →

A ambientação inicial e os detalhes tornam tudo muito interessante sem deixar de ser um pouco caricato (do jeito bom). O clima de magia e a música confluem bem e me levam a uma espécie de déjà vu (no maior estilo de FMA Brotherhood e da alquimia/magia no ar de um jeito atraente). Os personagens apresentados inicialmente são bem marcados por características individualizadas e são até bem heterogêneos, mas apenas do jeito que permite uma boa mistura e não do tipo que atritam (não muito, pelo menos). A estratégia inicial é baseada em muita música épica e demonstrações do universo, tudo muito restrito ainda, mas com bons ares de novidades e surpresas. O nome? Mahou Tsukai no Yome (até rimou, rsrs).

Ler o artigo →