Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Bom dia!

Um episódio com muito mais gore do que o normal para o anime! De fato, acho que foi o episódio com mais gore de todos até agora. E com sangue de verdade, ou quase, bom, pelo menos parecendo muito mais com sangue do que até então. O sangue nos episódios anteriores mais parecia, vou tomar a expressão emprestada de uma personagem nesse episódio em diferente contexto, o sangue nos episódios anteriores mais parecia argila derretida. Agora tá vermelhinho! Um pouco escuro e insaturado demais, mas sem dúvida é vermelho.

Ousama Game está evoluindo! (Ou será que não?)


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Desde o segundo episódio Ousama Game já havia indicado que seria revolucionário: ao invés de contar uma história própria, da forma tradicional, suas mentes criativas tomaram a dramática decisão de usá-lo como pretexto para contar a história pregressa. Uma história contada através de flashbacks. Não vou dizer que isso em si é algo novo, afinal estaria mentindo. Machado de Assis já fazia isso. Mas no gênero horror? Em animação seriada para TV? E de surpresa, fingindo primeiro ter uma história diferente para contar? Isso tem de ser revolucionário.

Homens de 30 anos em turmas colegiais? Revolução!

Claro que o anime não parou por aí. Muito embora tenha uma história mediana, na melhor das hipóteses, e dezenas de mortes horríveis, o que o classificaria como um típico horror adolescente, Ousama Game não quis apelar (muito) para a violência gráfica para conquistar audiência. A maioria das mortes ocorre fora da tela, e algumas das que ocorrem em tela nem são particularmente sanguinolentas, como ataques do coração e coisa do tipo. Ao invés, o anime preferiu realmente se focar em sua história. Ou melhor, na história de seu flashback. Os personagens saltam para o primeiro plano, e podemos observar toda a gama de emoções deles, muito particularmente seu protagonista. Como será que o Nobuaki vai chorar dessa vez? Ele irá gritar de novo? Talvez ele grite chorando? Um personagem complexo que, em uma adaptação tradicional, ficaria soterrado pelo gore excessivo.

Essa expressão de choro do Nobuaki é nova, não é? Acho que não a tinha visto ainda! WOW!!

Mas claro que com tantas mortes não dá para simplesmente ignorá-las, então Ousama Game se permitiu pelo menos um episódio, esse sexto episódio, de sangue, muito sangue. Pescoços se retorcem, cabeças voam, sangue jorra, membros se auto-decepam. Não é que tenha se rendido à fórmula fácil, de jeito nenhum! Ocorre que era necessário, a essa altura, mostrar um pouco da dura realidade que os personagens estão enfrentando. Saber que todo mundo está morrendo é uma coisa, mas não é o suficiente. Por que Nobuaki tanto chora e grita? Quero dizer, sabemos que todos os seus amigos (e alguns de seus inimigos potenciais ou de fato) estão morrendo, mas sem que tivéssemos visto isso algo ficaria faltando.

Agora que já entendemos como a história e os personagens complexos de Ousama Game foram e estão sendo desenvolvidos, é hora de voltarmos nossos olhos para os detalhes. Ok, isso é um horror. Ok, adolescentes estão morrendo. Quem é o responsável? De alguma forma insana, parecia não ser nenhum outro personagem conhecido. Seria alguém desconhecido? Seria ruim se fosse assim, não é? Do nada simplesmente surgir um personagem novo só para revelar que ele era o vilão esse tempo todo. Ousama Game não é dessas histórias que adota soluções fáceis e ruins. Será que houve uma pegadinha que ninguém sacou no episódio da garota que falhou em encontrar o rei na turma? Será que era mesmo a Ria, afinal de contas? Claro que não poderia ser a Ria. Por tudo o que ela fez, seria estúpido de ruim se fosse ela. Ousama Game não é desses.

O pescoço desse moleque também deu uma revolução completa em torno de seu eixo

Eis que nesse episódio é revelada a solução extraordinária, inovadora, revolucionária, sem precedentes, péssima, de Ousama Game: o vilão não é ninguém. As pessoas morrem por auto-sugestão, induzida a efeitos extremos por efeito de um vírus. Funciona assim: eu digo que você vai morrer, e se você tiver esse vírus, você morre. Bom, o vírus talvez possa ser considerado “o vilão”, mas será que é mesmo? Não é um vilão no sentido tradicional, então só por isso o anime já merece uma menção de honra (no hall da infâmia). E note como o próprio vírus é, ele mesmo, uma evolução biológica: surgido como um vírus normal, daqueles que infectam pessoas, ele se tornou um vírus de computador e infectou os celulares de todo mundo da turma do Nobuaki através da internet.

Querido leitor, querida leitora, que época para estar vivo! Estamos assistindo ao vivo, de camarote, a evolução do gênero de horror! Para não me deixar mentir, Ousama Game terminou seu sexto episódio com a Ria evoluindo para Super Saiyajin antes de morrer:

Todo mundo levantando os braços pra mandar energia pra Ria!

  1. Talvez o anime se torne menos ruim se começarmos a enxergá-lo como uma comédia non sense. Eu, pelo menos, esbocei algumas risadas durante esse episódio. Como na cena em que a cabeça do moleque dá um giro de 360 graus e ele continua falando e trocando ideia com os bródi. Ou quando o colegial de 30 anos enfia metade de uma faca na perna da Chiemi e ela grita “ai” como se tivesse quebrado uma unha. Mal posso esperar pelas próximas mortes.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      É exatamente o que eu venho fazendo ^^

      Obrigado pela visita e pelo comentário! Vamos pelo menos tentar rir juntos, volte mais vezes!

      E venha ler também sobre os animes bons de verdade que estamos acompanhando =D

Comentários