O anime melhorou um pouco, mas continua difícil de engolir a Mei. Vai um citrus geladinho aí?

Achei positiva a adição da Momokino ao primeiro plano da história – talvez tirando o fim do episódio, mas depois falo disso… –, pois ajudou a movimentar as coisas, deu outra visão sobre a Mei e faz a interação entre ela e a Yuzu melhorar um pouco. Ela até teve uns momentos cômicos – isso já era esperado –, mas confesso que não consegui gostar da personagem, o que é normal, pois, ao menos por ora, ela é mais uma ferramenta de roteiro para avançar a história, do que uma “personagem” em si.

Não se pode negar que através da explanação da amizade dela com a Mei o público vislumbrou um pouquinho melhor o drama que a envolve e isso foi bom – o esperado. O provável é que só no final do anime esse drama todo se resolva ou se encaminhe, o que nem acho ruim, mas critico a forma como isso está sendo feito. Nesse episódio a Mei interagiu mais com a Yuzu e com a Momokino de uma forma “normal”, e isso foi bom. Ver que ela era fofa quando criança e parecia normal também, o problema é que só isso não é o suficiente para “melhorar” o seu eu de agora – ainda bem horrível.

Mostrar que ela era legal quando criança não me faz gostar dela agora… infelizmente…

É verdade que um personagem não tem a obrigação de ser “legal” e nem todo drama deve ser “entregue” logo de cara, mas arrastar um drama que parece, sendo gentil, “meio” inconsistente com uma personagem que é horrível é um problema. Pelo que a Momokino relatou à Yuzu, fica claro que a Mei ter mudado – deixando de ser normal para virar um robozinho babaca – em comparação a como era antes tem a ver com a perda do convívio do pai, o que é novamente previsível, mas jogaram o tal noivo professor para escanteio – e está com cara de que ele não vai mais voltar… –, então tinha medo de que isso ficasse de lado também. Não deve ficar, mas okay, vamos recapitular, ela não vê o pai há cinco anos e por isso se “fechou”, só tinha o avô, o qual a obrigou(?) a noivar com um picareta boa pinta e agora o noivado foi desfeito porque ele a beijou e vai ficar por isso mesmo? É mesmo tão horrível assim beijar a própria noiva sendo em que raios de lugar for? Se for, então por que eles noivaram para começo de conversa? Daí agora o avô veio e falou que ela era livre para fazer o que quisesse, então toda a aparente pressão que ele parecia colocar em cima dela acabou? Sendo assim, por que ela não se abre para a Yuzu e age mais como antigamente – como uma pessoa normal. Será por que o pai foi embora e isso a traumatizou? Deve ser, mas que tosco o pai dela se casar de novo, colocar a esposa e a filha para morar junto com ela e nem dar o ar da desgraça! É verdade que essa situação toda é uma bagunça, mas o que é o drama da Mei se não isso? Uma bela de uma bagunça!

E a protagonista vai e cai de paraquedas na vida dessa garota problemática… que sorte…

Se o avô dela já está fora da jogada no que tece a pressão psicológica exercida nela para ela ser esse ser humano horrível que ela é, só sobra então o trauma de “perder o pai” e o que a Momokino fez no final do episódio(?). Mas se formos pensar bem, o abuso da “amiga” só deve ter acontecido por causa da fragilidade da Mei no passado – me pareceu que não é de hoje que elas têm esse tipo de “interação”, se é que vocês me entendem… –, a qual deve ter sido motivada pela ausência do pai. No final, parece que tudo gira em torno desse pai que sequer apareceu e eu já acho anos luz pior que o pai do Gon de Hunter x Hunter – isso foi só zoeira porque o mangá voltou de hiato, relaxem. Custava manter contato com a filha e aconselhar ela para que não virasse esse ser escroto que ela se tornou?

Vou tentar organizar e simplificar meu raciocínio. Segundo o que o anime indica a Mei ter uma personalidade tão “difícil” tem influência de três figuras chave, que são: o avô, o pai e o noivo. Em quatro episódios a história dá a entender que seu avô e seu agora ex-noivo já fazem parte do passado, sendo assim, resta só saber a “treta” com o pai dela e daí após saber disso a Yuzu deve ajudá-la a superar quaisquer traumas que a garota tiver e as duas ficarão juntas, não é isso mesmo? Até aí “tudo bem”; não, não está tudo bem, é sério que era só isso? É sério que ela é tão horrível com a irmã e mantém uma postura tão “severa” por isso? Não me levem a mal, não estou aqui tentando diminuir o drama dela nem nada assim, mas a história só não me deu um indício forte que aponte um trauma tão grande para ela ter acabado assim. Okay, o pai se afastou, mas ele ainda está vivo e ela tinha o avô que se fosse assim tão intransigente duvido que teria desfeito esse noivado tosco da neta e a dado “liberdade” – falo isso porque ficou subentendido que o noivado todo era arranjo dele, né. Tem o noivo abusivo e a amiga abusiva, é verdade, e talvez seja esse o indício do qual eu estava falando, da ideia distorcida de relacionamento que a Mei parece ter – afinal, ela cala a irmã no beijo.

Só eu odeio o fato delas terem dado esse beijo e a discussão ter ficado por isso mesmo?

Se o drama em Citrus for por esse caminho – até como forma de tentar “justificar” as ações abusivas que acontecem todo episódio – eu não acharia ruim, mas esse será mesmo todo o drama do anime tirando os problemas que elas devem ter após ficarem juntas? É um drama, é, mas a forma como foi apresentado e vem sendo trabalhado tem pontos positivos, mas tem muitos mais pontos negativos e, sinceramente, já vi muitos fãs do mangá falarem em redes sociais para quem só está vendo o anime “confiar” no drama. Em que drama eu devo confiar? No drama de uma garota cuja situação não foi melhor explicada e até agora parece bem sem pé nem cabeça? Assim fica difícil!

Espero que o anime me faça mudar de ideia, mas até agora para mim Citrus se mostra um anime com uma história no máximo mediana e muito por causa da adorável Yuzu – e sua amigona Harumin. A qual, aliás, dedico o título deste artigo, pois é exatamente o que está acontecendo, já que quanto mais ela se envolve com a Mei mais ela se machuca e me dá muita raiva ver isso todo santo episódio!

Quando você é uma das best girls da temporada e só se ferra…

Não poderia deixar de falar sobre a atitude da Momokino, que para mim estava apenas blefando e não cruzou linha nenhuma – o que eu acredito que seria “transar” – com a Mei. É uma situação bem clichê essa, mas é inegável que elas se pegaram ali naquela cena e que isso muitíssimo provavelmente já aconteceu outras vezes e, honestamente, isso não me assusta em nada. “Amizades coloridas” entre garotas acontecem mesmo – eu já conheci amigas que tinham esse tipo de relação – e isso não significa necessariamente um relacionamento abusivo, é que no caso delas pareceu algo forçado pela Momokino, e que não era mais frequente – mas que já aconteceu no passado. Talvez elas deram uma parada com isso após a Mei noivar, vai saber. O fato é que uma garota que estuda em um colégio só para garotas e deve ter pouco contato com garotos acabar desenvolvendo esse tipo de relação provavelmente mais “carnal” com uma amiga faz sentido e não acho um problema, mas admito que fiquei um pouco chateado porque a Yuzu gosta da Mei e eu não quero ver ela sofrer.

A Mei ter se desestruturado emocionalmente pela “perda” do pai e daí ter dado margem a um relacionamento abusivo com a amiga e com o tempo ter se tornado alguém que faz o mesmo é o que me parece estar acontecendo. Quero ver como vão levar a história a partir daqui, espero que melhor do que levaram até agora. Uma última coisa: foi impressão minha ou uma fala da Mei deu a entender que ela é adotada? Encuquei com isso e talvez o problema seja ainda mais enrolado do que parece, mas acho que não adianta especular, vamos esperar para ver que “sabor” Citrus irá nos oferecer!

Eu vou fazer essa cara da Yuzu se até o final do anime o drama da Mei me convencer!

    • Não me lembrava de ter me irritado tanto assim com Mei e ao re-lê o manga percebi que foi pq por mais que suas ações fossem ruins, no todo, só a deixava ainda mais intrigante. O fato é que o anime não esta sendo totalmente fiel ao manga, tanto no visual – não ruim, mas inferior – quanto em alguns pequenos detalhes. O que é compreensível, porém seria o que tiraria essa imagem de robô da Mei. Como o Ansoniko, o ursinho semi-decapitado, que antes era da Yuzu e que tbm mostra um lado mais sentimental da Mei – na escala Mei de sentimentalismo. Mas, pelo que se vê na abertura, muitas águas vão rolar e quem sabe sejam capaz de saciar algumas de sua frustrações.
      P.S: Harumin, amor eterno s2
      P.P.S: Se estiver interessadx o capitulo do ursinho é o 4.5.

      • Obrigado pelo comentário! Eu até queria ter mais boa vontade com a Mei sabe, mas fica difícil porque ela até vai ficando menos intragável em alguns momentos, só que a história não está fazendo com que eu me sensibilize com os seus problemas, com que eu entenda porque ela age assim. O que a Momokino disse nesse episódio deu uma ajuda nesse sentido, mas espero que isso seja feito em primeiro plano através da própria Mei e não de um personagem secundário. Quanto ao mangá, talvez ao fim do anime eu procure ler ele, mas acho que ele pode vir a ser lançado no Brasil em um futuro próximo, faltam yuris no país e esse parece ser o de maior sucesso atualmente, então, se ao final do anime eu não achá-lo de todo ruim provavelmente comprarei o mangá, daí devo esperar um anúncio por um tempo.

Discussão