A ideia de criar ferramentas autômatas capazes de executar tarefas delegadas pelo seu criador ou dono é tão antiga quanto a história das primeiras civilizações. Lendas como a do Golem judeu ou figuras da mitologia grega como Talos mostram que…hã? Como? Quem sou eu? É mesmo, esqueci de me apresentar, perdão. Chamo-me Leonardo (mas pode me chamar de Sylvia) e eu vim para lhes dizer o seguinte: entrem no maldito robô. Sejam bem-vindos à Confissões de Um Mechanófilo.

Não é novidade para ninguém, muito menos para os amantes da cultura pop nipônica, que os japoneses amam robôs. Não é exagero dizer que essas fascinantes máquinas são tão parte do imaginário nipônico quanto o sushi, os samurais, casas de banho e os adolescentes hikkikomori transportados para um mundo paralelo que se parece com um RPG. Mas qual seria a razão deste fascínio tão intenso? Se vocês digitarem no Google “pq(sic) os japoneses amam tanto robôs?” (algo que fiz enquanto em preparação a este artigo), irão se deparar com inúmeras hipóteses para responder a esta pergunta. Há quem enxergue motivação religiosa, outros acreditam que os robôs representam um possível futuro para a humanidade, há também quem acredite que robôs possam ser uma resposta aos desafios causados pelo rápido envelhecimento da população japonesa combinada com a baixíssima taxa de natalidade, bem como há aqueles que enxergam neste interesse algo já enraizado na cultura do país desde muito antes da construção de máquinas como nós as conhecemos hoje. Independente da(s) resposta(s), o amor que o Japão sente pelos robôs é algo que já dura décadas e está longe de mostrar sinais de cansaço, e isso se reflete fortemente na história do desenvolvimento dos mangás e animes desde sua popularização durante o pós-guerra até os dias atuais.

Desde 1963, quando as adaptações de Astro Boy e Tetsujin 28-go foram exibidas nas TVs japonesas, um enorme número de animes centrados em robôs de diferentes tamanhos e tipos foram e ainda hoje são produzidos incansavelmente. É extremamente difícil chegar a um número exato, mas contando apenas as séries televisivas e ignorando novas temporadas (com exceção de Gundam e Macross), OVAs, filmes e especiais, cheguei a um número de 129 animes exibidos em diferentes estações de TV até hoje, já contando com os únicos da atual temporada, Darling in The Franxx e Shinkalion (cálculo impreciso baseado nesta lista da Wikipédia). Levando em conta que estamos falando de quase seis décadas de produção, pode até parecer pouco, mas se adicionarmos tudo o que foi feito até o momento com o critério “animes com robôs”, este número seria facilmente triplicado ou quem sabe até mesmo quadruplicado. Porém, e aqui chegamos a um dos pontos centrais deste texto, neste primeiro momento não estamos interessados em qualquer anime (ou mangá, que serão abordados em momento oportuno), e sim num subgênero que praticamente se tornou sinônimo da frase “anime com robô”: mecha anime. Mas, antes de seguirmos, precisamos definir o que vem a ser um “mecha”. A resposta, no entanto, é mais complexa do que parece.

Tetsujin no. 28-go, o primeiro mecha

“Mecha” é o nome dado a um robô de certa estatura, geralmente de aparência humanoide, cujo interior é grande o suficiente para ser ocupado por um piloto ou pilota (ou pilotx, dependendo do gosto do freguxs) e que, via de regra, é utilizado como uma arma de guerra. Parece simples, não é mesmo? Mas e quando este robô não for realmente um robô, e sim um organismo vivo dotado de algum nível de inteligência? E se ele, na verdade, for uma criatura divina? E se for resultado de magia? E se for controlado remotamente? Ou até mesmo se for um robô dotado de inteligência artificial tão desenvolvida que seja capaz de tomar suas próprias decisões e não precise ser pilotado? Poderíamos estender essa discussão por vários parágrafos, mas para fins pragmáticos, podemos dizer apenas o seguinte: “mecha” é qualquer objeto/máquina/o-que-quer-que-seja assim definido pelo seu criador/criadora ou assim percebido pelo seu público, independente de forma, tamanho, origem ou capacidade de ser pilotado. Se ainda sim quiser algo mais específico, o Urban Dictionary tem algumas definições muito boas.

“Tá, japoneses amam robôs e mecha anime é um subgênero popular até os dias de hoje, mas o que isso tem a ver comigo?” Tem a ver, meu querido/minha querida leitor/leitora, que eu gostaria muito que você também se interessasse por mecha anime. Se este já for o caso, ótimo, teremos muito o que conversar, discordando ou concordando. Caso contrário, melhor ainda. Um dos meus objetivos com esta coluna é mostrar para todo mundo que mecha anime é legal para caramba. Que, ao contrário do que muita gente acha, há bastante variedade e criatividade no gênero mesmo no corrente ano (ou vai me dizer que pilotar um robozão de design peculiar com sua waifu não é uma sacada genial?). Que há muitas opções além dos Gundams, Mazingeres, Macrosses e Evangelions. Como bem resumiu meu colega Fábio “Mexicano” Godoy, mecha anime é o mais japonês de todos os gêneros populares desta mídia, mergulhar de cabeça neste universo não é apenas uma oportunidade imperdível de entender melhor a cabeça do povo japonês, como é também uma chance de descobrir obras maravilhosas com histórias cativantes, personagens carismáticos e complexos, designs mecânicos belíssimos e sequências de cair o queixo que impulsionaram técnicas de animação sofisticadas que ajudaram a definir o próprio meio que veio a ser conhecido como anime. Agora que você está confortavelmente instalado na cabine de pilotagem, prepare-se para ter mente, corpo e alma irremediavelmente sacudidos. Até semana que vem!

Discussão