Após assistir aos 12 episódios de Pop Team Epic, posso dizer, com certeza, que este é o anime mais bizarro do ano (apesar de ainda estarmos em março). Cá entre nós, você já viu personagens de um anime lutarem – literalmente – contra a própria produtora alguma vez? Eu já esperava alguma coisa bem maluca para o último episódio e, apesar de não ser como pensei, conseguiram me surpreender de diversas formas.

Aconteceram tantas coisas que eu nem sei direito por onde começar… Que tal pelo início? Lá no primeiro episódio. Caso você não se lembre, um grupo de vilões comentou sobre a supremacia da temporada e o fato de um mangá bobo ter virado anime. Agora, descobrimos que eles são ninguém menos que a King Records, a produtora de Pop Team Epic. Isso que é um belo de um Plot Twist!

Desta vez, a esquete principal foi inspirada nos bastidores do anime, citando, inclusive, o fato da Takeshobo, a editora do mangá, não estar envolvida com a animação, o que não é comum na indústria. Mesmo assim, Popuko e Pipimi invadiram o prédio da empresa e o destruiu. Tá aí mais uma coisa que não se vê todo dia. Detalhe para as mensagens subliminares que aparecem na explosão:

É bem legal ver essa combinação que vai além de live-action com animação, pois também mistura elementos surreais com os acontecimentos da vida real. É óbvio que nenhum prédio foi realmente destruído, mas é interessante assistirmos a possibilidade das protagonistas do anime terem consciência do que são e agirem dessa forma. Além de dar personalidade a elas, também agrada aqueles que só querem ver o circo pegar fogo.

Neste episódio, a maior parte das referências estava relacionada à franquia Gundam. Uma delas está na fusão entre Popuko e Pipimi para criar uma personagem dourada (Popumi? Pipiko?). Ela é inspirada no Superior Dragon, de SD Gundam Gaiden, incluindo cenas idênticas ao original.

Além disso, os eyecatchs de Pop Team Epic lembram bastante os de Mobile Fighter G Gundam.

Por outro lado, não faltaram referências ao próprio Pop Team Epic. Um dos exemplos está na fala de “Pipiko” ao dar seu golpe final, quando pergunta se o inimigo “ficou bravo”. Isso virou uma piada entre os fãs, assim como o “Ganbaru zoi“, que voltou neste episódio em um clipe. Aliás, a música foi basicamente sobre isso, né?

Uma das coisas mais inesperadas deste episódio foi o fato de [SPOILER ALERT] Pipimi morrer na luta final. Ainda bem que o Shouta Aoi estava lá para trazer a retransmissão, que funcionou como uma viagem no tempo. Normalmente este recurso apenas troca a voz dos dubladores, mas dessa vez tivemos praticamente uma história nova. O quadro Bob Epic Team teve uma esquete diferente da primeira, as piadas foram modificadas e, obviamente, Pipimi não morre.

Acho que pode ser interessante abrir um parênteses aqui para explicar exatamente quem é esse Shouta Aoi e porque ele apareceu nesse episódio. Ele é um dublador e cantor japonês que vai participar de vários animes da próxima temporada, como 3D Kanojo: Real Girl, Caligula e Devils Line. Ele assinou contrato com a King Records em 2005 e, adivinha? É a mesma produtora/vilã de Pop Team Epic.

Entre as esquetes curtas, uma que me chamou atenção foi a que se refere a uma colegial e seu mascote dentro da bolsa indo para a escola pela primeira vez. Essa situação provavelmente foi intencional, pois me lembrou bastante a relação entre Sakura e Kero em Sakura Card Captors, mas também pode ser aplicada a qualquer anime do gênero Mahou Shoujo.

Você bateria em um mascote de gravata borboleta?

As vozes femininas deste episódio foram dubladas por Mami Koyama e Kotono Mitsuishi, que trabalharam juntas no clássico Saylor Moon. Kotono dublou a protagonista, Usagi; enquanto Mami dublou personagens menores, mas talvez você conheça sua voz por Kaguya, de Naruto Shippuden.

Já as vozes masculinas foram dubladas por Show Hayami e Jouji Nakata, que trabalharam juntos em Faze/Zero dublando Tokiomi e Kirei. Um usuário do Twitter fez até uma arte homenageando os dois.

Eu confesso que esperava mais desse elenco de dublagem, até porque estamos falando do último episódio. Talvez dubladores mais populares ou vozes totalmente zoadas chamariam mais atenção, mas os escolhidos fizeram um bom trabalho.

A maior surpresa desse episódio aconteceu nos últimos segundos da retransmissão, com o anúncio da segunda temporada de Hoshiiro Girldrop. Isso pode parecer bem estranho, pois, tecnicamente, ele nem teve uma primeira temporada. Por outro lado, o anúncio do anime de Pop Team Epic surgiu com o nome de Hoshiiro Girldrop. O próprio domínio do site até hoje é hoshiiro.jp. Por isso, faz sentido anunciar a nova temporada dele e não de Pop Team Epic.

Não brinquem com nossos sentimentos!

Por outro lado, o produtor do anime já afirmou em entrevista que não haveria uma continuação. Será que a popularidade foi suficiente para mudar a cabeça dos executivos? Ou foi simplesmente porque Popuko e Pipimi derrotaram a King Records e agora são elas que mandam? De qualquer forma, um evento do anime foi anunciado para setembro, e lá deve ser feito o anúncio oficial (ou não).

Talvez Pop Team Epic não ganhe uma segunda temporada, mas já valeu a pena ter acompanhado a primeira. Mesmo que você não goste do gênero, é uma experiência interessante assistir a um anime tão diferente como esse, que inclui bizarrices, referências a todo tipo de obra e citações sobre a própria indústria.

Mais gotinhas de amor na segunda temporada!

Discussão