E enfim, acabou. Depois de 26 semanas Darling se encerra e sinceramente eu não me sinto satisfeito. Sabe quando você termina um anime, uma série, um livro e afins, e simplesmente não se sente satisfeito? Pois é, eu me sinto assim nesse exato momento e eu detesto essa sensação. O final não foi ruim, longe disso, mas não foi aquilo que eu gostaria, e a forma como as coisas se encerraram não foram do meu gosto. Fazer o quê, acontece. Esse é o penúltimo artigo sobre a obra (ainda teremos o review que sairá semana que vem) e sinceramente eu poderia continuar fazer artigos sobre Darling ainda que ele tivesse mais de 100 episódios, o que infelizmente não aconteceu. Vamos à análise.

Inicialmente podemos separar esse episódio em três partes: a luta de Zero Two e Hiro no espaço, a reconstrução da vida na Terra e o futuro de todos. A Terra estava devastada e sabíamos que todos iriam ter que enfrentar inúmeros desafios, afinal, eles estavam recomeçando tudo praticamente do zero. Muitos dias haviam se passado desde a separação dos grupos e os heróis, e Kokoro estava perto de realizar seu sonho antigo, ser mãe. O nascimento de sua filha significava muito para todos, afinal, ela era o primeiro ser humano não artificial e a primeira da espécie que fazia parte dessa nova fase da humanidade. E mesmo que houvesse problemas a serem resolvidos para ajudar na sobrevivência de todos, ter um novo integrante daquele tipo trazia uma sensação diferente, uma fagulha de esperança. O episódio foi bem ao nos mostrar de forma separada algumas etapas desse processo e sinceramente, a felicidade de todos foi transmitida para mim, ainda que do outro lado da moeda tivessem duas “pessoas” em dias difíceis.

Pois é, Zero Two e Hiro passaram anos lutando pela liberdade de seus amigos até o fim. Foi uma luta dura que eles simplesmente sacrificaram-se pela causa e ainda sim não puderam derrotar o inimigo final. E nessa parte que o meu desgosto começou a surgir. Conforme o tempo passava, víamos todos tendo felicidades e ainda que houvesse problemas que necessitavam ser resolvidos, no fim, tudo acabava bem. Enquanto isso, Hiro estava se esgotando, Zero Two sendo ferida e quando enfim chegaram na batalha final, o poder dos VIRM quase jogou tudo pela lama. As vozes dos seus amigos, que na verdade eram uma espécie de família, chegou aos ouvidos de ambos, que impulsionados pelo incentivo de todos, arrancaram um último esforço para vencer e extinguir o inimigo. No fim das contas foi um esforço em vão ainda que tenham reduzido as forças inimigas em apenas um “indivíduo”. A estátua do corpo de Zero Two quebrou e deu lugar a uma pequena planta, um pequeno broto que no futuro representaria tudo aquilo que havia restado dos salvadores da humanidade. E no fim, em troca da vida de seus amigos e da humanidade, Hiro e Zero Two pereceram no campo de batalha enquanto seus amigos viveram felizes para sempre (aparentemente).

Poxa, eu tenho um certo toque em ver coisas incompletas, e quando eu terminei esse episódio comecei a pensar que eu gostaria de ter visto mais sobre cada um que apareceu e até mesmo alguns outros. Nasceu aquela árvore e eu pensei que teriam um certo cuidado com ela ou até mesmo alguém exaltaria a árvore ao contar a história dela, mas nem isso. Futoshi teve uma família e virou padeiro(?); Ichigo terminou grávida de Goro, que se tornou um explorador; Mitsuru e Kokoro tinham uma família (e nem para mostrar algo a mais); Ikuno se tornou uma pesquisadora junto com Naomi e as duas terminaram juntas (com Ikuno nas últimas); e Zorome aparentemente tem alguma relação amorosa com a Miku (digo isso por conta do colar igual que ambos usavam, e na Ásia os casais têm o costume de usarem itens iguais). Mas e aí, só isso mesmo? Eu vi 24 episódios para no fim ter um resumo da vida de todos eles, 8 anos após, enquanto os personagens mais relevantes estavam mortos? E ainda que tenha tido aquele epílogo onde eles (Zero Two e Hiro) se reencontraram numa situação parecida, porém inversa, acredito que poderiam ter feito algo melhor com todos juntos em outra cena, afinal, eles prometeram que iam voltar, né?

Então é isso, infelizmente acabou. O gosto amargo de um final que não me agradou está impregnado em mim (além do choro entalado porque tiveram cenas emocionantes de certa forma) e a insatisfação de ver que apesar de tudo, poderia ser melhor se ao menos tivéssemos mais episódios, é grande. Semana que vem a resenha sobre o anime será lançada e eu espero poder transmitir tudo o que eu senti sobre a obra e minha conclusões finais. Lembrando que o mangá ainda está em lançamento pelo mesmo ilustrador de To Love-Ru e por isso é um pouco mais sensual (nada que impeça você de acompanhar caso não goste de ecchi). Espero você na semana que vem para enfim encerrarmos esse ciclo.

  1. Poderia ser melhor se tivesse mais episódios? Deus me livre! Isso aqui mal tem “história” pra doze episódios, o que diria se tivesse mais de 24. Já vai é tarde.

  2. Foi um final muito bonito e completo eu gostei bastante. O autor fez sua escolha, matava o casal protagonista de forma heroica ou o grupo de personagens, escolheu a primeira e não fiquei triste porque no final mesmo eles reencarnaram e se conheceram e com certeza iriam se apaixonar e ser muito felizes numa segunda chance, já que a primeira lhes foi tirada pelos inimigos. Vou lembrar do Futoshi que achei que foi o personagem que mais sofreu durante toda a série, depois de ser traído e enganado pela piranha da kokoro da traição, teve que seguir em frente obrigado pelo autor e aceitar esta relação de seu primeiro amor sendo feliz com outro, mais felizmente o rapaz encontrou uma boa moça e procriou 3 vezes e se tornou padeiro, esse sim merecia um final digno, porque ser traído ninguém merece! Anime obra prima e vai deixar muitas saudades.

  3. Não é novidade que eu desde do começo que não gostava de Darling in the Franxx e nem este último episódio com um final razoavelmente feliz me agradou. A única coisa que eu gostei neste episódio foi o Hiro em forma de urrosauro, e essa transformação foi meio cliché, pois a mim pareceu-me uma referência à história milenar do Demónio Vermelho e do Demónio Azul. Quanto aos outros personagens, eu só fiquei feliz de verdade com a Ikuno, a única personagem sem dramas e inteligente, ela mesmo estando nas últimas, foi a médica dos seus amigos e restantes sobreviventes. E gostei do facto da Ikuno ter ficado com a Naomi, ela merecia ser feliz. Em relação aos restantes, nada de novo, com a excepção do Futoshi, o que fizeram com ele, ele parecia um hispânico com aquele bigode, só lhe faltava um sombrero para ficar completo. A Miku de todos os personagens do esquadrão 13 foi a que ficou com melhor look. O Zorome só cresceu em tamanho, pois a personalidade ficou na mesma e a Ichigo lá acabou com o Goro, o único personagem que prestou de verdade neste anime. Aquele final do episódio deve ter sido bom para uns, mas a mim não me convenceu, tanto a Zero Two e o Hiro deveriam ter morrido e ponto final, essa história da reencarnação não se encaixa neste anime. Quem quiser ver um final épico, como se via na Era de Ouro do anime, basta pesquisar no Youtube o final de Gunbuster e verá como se faz um final épico e emocionante.

    Fazendo um último paragrafo do anime como um todo, Darling tinha potencial, não só por ser do Trigger, como a temática que tem tinha tudo para ser um épico, igual aos épicos que a Gainax fazia na sua era de Ouro. Mas caiu no erro de pegar em muita coisa ao mesmo tempo, e até mesmo copiar outros elementos de animes famosos da Gainax (Evangelion, Gurren Laggan e a cópia mais descarada foi com Gunbuster). Eu gosto de ver pequenas homenagens que certos animes fazem a animes da Era de Ouro dos animes, mas homenagem e cópia (e até mesmo plágio) não significam a mesma coisa. Darling falhou miseravelmente na sua proposta, fazia tempo que eu não via um anime com tantos furos, o roteiro de Darling ao longo dos seus 24 episódios pareceu um queijo suíço de tantos furos que teve, e se esses furos tivessem sido preenchidos com informações úteis, Darling teria sido um anime digno de se despender tempo a assisti-lo.
    Passando à parte técnica, eu admito que sou fã da animação e designs do Trigger, mas a animação de Darling, ficou aquém do que eu esperava, o A1 Pictures estragou o design icónico do Trigger, deixando os personagens com um aspecto genérico e já nem falo dos mechas. Os mechas de Darling, eu não sei se sinto vergonha alheia por eles, ou se choro de riso, se queriam fazer mechas estilo Gurren Laggan, fizeram mal, que saudades do tempo em que a Staff do Gainax fazia mechas sérios, como os presentes em Gunbuster. E os monstros da infame VIRM, não nada mais que uma cópia dos Space Monster´s de Gunbuster, os VIRM só diferem dos Space Monster porque falam, porque de resto são cópias.
    Por último, a trilha sonora deste anime foi medíocre, começando pela abertura, que nem se deram ao trabalho de colocar uma música melhor na segunda parte, só trocaram as imagens de fundo e os encerramentos foram ok. O restante da trilha sonora foi inexistente.
    Pronto, acho que deu para ver que eu não gostei do anime de Darling, mas tenho que elogiar o esforço que tu (Kiraht) empenhaste para fazer os artigos de Darling e com uma pontualidade assustadora.
    Como sempre mais um excelente artigo Kiraht.

    • Primeiramente muito obrigado. Eu não vou comentar muito sobre a obra pois vou deixar para me expressar melhor na resenha. O que eu posso dizer inicialmente é que aqui no Brasil nós temos uma expressão que seria: a menina dos meus olhos. Essa expressão pode ser usada para pessoas ou qualquer outra coisa e significa que você tinha um grande carinho ou cuidado. Pois bem, Darling era a menina dos meus olhos e até o fim eu defendi a obra além de ter dado uma nota alta. Merecia? Não, mas lutar contra o coração não faz bem né kakaka

      • Por um momento eu quase me senti um vilão, mas compreendo perfeitamente o teu ponto de vista. Eu também defendo os animes que me marcam com unhas e dentes, mesmo eu sabendo que alguns deles têm cada defeito grave. Eu esperarei pela resenha, e comentarei a mesma, mas desta vez não escreverei um comentário tão longo, talvez cite alguns dos pontos positivos de Darling in The Franxx.

      • Bom, comentários longos são legais também! E no meu caso eu vou me esforçar para transmitir devidamente os meus pensamentos sobre a obra

  4. Quem dera fosse só o final que eu não tivesse gostado, por mim pegava tudo desde que apareceu os VIRM e jogava no lixo e arranjava outro jeito de finalizar q não fosse inserir ets no meio, simplesmente para mim cagaram o anime depois de momento e a cada episodio para mim a piora foi exponencial tendo seu climax no ultimo episódio. Realmente o anime me decepcionou muito.

  5. Na minha opinião o final foi realmente decepcionante já que foi uma historia muita resumida e outra ponto foi os chifres azuis que apareceram no Hiro somente no final o que poderia ter sido mostrado em outras lutas não só no seus últimos momentos de vida o que acabou me decepcionando mais ainda e além disso os seus amigos ficaram na terra felizes(eu sei que os franxx que seus amigos pilotam não podiam entra naquele tipo de buraco de minhoca mas é uma verdadeira sacanagem mostra Hiro e Zero Two se acabando em lutas e todos na terra alegres.Para o final da primeira temporada poderia ter terminado da seguinte maneira apôs a explosão no planeta do Virm iria mostrar apenas a cabeça da Strelizia e assim terminaria a primeira temporada do anime.Com este final o anime iria dar um certo suspense em todos espectadores de Darling in the Franxx o que iria proporcionaria uma segunda temporada muito misteriosa o que para mim faz bem o tipo do anime apresentado e com este final logo o número de espectadores iria aumentar de forma absurda.Eu só estou dando a minha opinião mais este seria o final que todos desejavam.

Comentários