Que belo episódio. Acredito que esse tenha sido ainda melhor que o quarto episódio e até mesmo mais emocionante por conta de tudo o que aconteceu e o perigo que o grupo de protagonistas enfrentou. O grupo não chegou a ser derrotado, mas ainda que possamos chamar aquilo de vitória, o preço foi muito alto para a sacerdotisa e para o próprio Goblin Slayer, gravemente feridos. De qualquer forma foi uma batalha extremamente interessante que nos mostrou alguns detalhes curiosos sobre todos ali.

Após enfrentar um grupo relativamente grande na vez anterior, GS e seu grupo estavam indo rumo a um objetivo maior e mais ousado: vencer o líder desses goblins. O problema é que eles careciam de informações úteis sobre o local e claro, sobre o inimigo. Ao menos o GS trouxe um canário que foi fundamental quando eles foram encurralados e quase envenenados, enfatizando que ao menos preparado ele estava. Outro ponto interessante é que dessa vez o episódio girou em torno de um só lugar e com um número maior de inimigos, uma quantidade grande demais para se enfrentar e que no menor erro custaria a vida de alguém ali, que foi o que quase aconteceu.

Olha, não duvido

Um goblin campeão logicamente é um goblin muito mais forte que o normal e ciente disso nosso protagonista tentou acabar com a ameaça e assim desorganizar o restante inimigo. O problema é que talvez o GS tenha de certa forma subestimado seu potencial, algo que custou caro após o primeiro e grande ataque que ele recebeu daquela criatura. Porém, após ele tomar o primeiro golpe que tudo começou a ficar ainda melhor, afinal, foi quando vimos sua importância dentro daquele grupo e como eles não haviam enfrentado um inimigo forte como esse.

Eu realmente gostei dessa cena estática

Ao ser nocauteado, GS ficou simplesmente incapacitado de qualquer ação que pudesse ser útil para sua equipe, mas acima disso, tirou a concentração de todos. O homem-lagarto foi encurralado por vários goblins e por isso ficou impossibilitado de ajudar o resto, a sacerdotisa foi mordida e quase comida viva pouco depois, o anão também foi pressionado, e por fim, a elfa quase foi violentada. Ou seja, o impacto de sua queda não se restringiu apenas sendo um grande perigo para eles, como também a queda de um pilar que sustenta a equipe, e assim, os leva até a vitória.

E claro, não podemos sair colocando a culpa em alguém ali, afinal, todos fizeram o que podiam e infelizmente nesse caso quase não foi o bastante. Outro ponto é que de certa forma o grupo acaba sendo dependente do GS e por isso eles devem acabar esperando pela volta dele para então terminar o serviço (ou talvez eles podem ir e terminar o trabalho, já que a parte difícil eles já fizeram). De qualquer forma, devemos destacar que o plano em si era eficiente e talvez tivesse dado certo sem grandes baixas caso houvesse algum cuidado maior, afinal, o GS tinha todos os materiais disponíveis para barrar as ações inimigas e assim estar pronto para o combate.

Particularmente, eu gostaria de ver algumas cenas sobre o passado dele (que são bem legais e nos faz entender ainda mais o protagonista)

E por fim, mas não menos importante, foi o “despertar” do GS. Foi um flashback doloroso que foi ativado por um grito doloroso. Lembranças péssimas sobre sua irmã e pouco depois disso foram fundamentais para que ele pudesse levantar e voltar para a batalha. A finalização foi bem interessante por conta da técnica de assassinos ao usar cabelo humano para enforcar o Goblin campeão e assim eliminar o mal pela raiz, afinal, derrotar o campeão era fundamental para enfraquecer o resto, e claro, vencer essa disputa. O único ponto que de certa forma me incomoda acaba sendo que o GS estava atrás do Goblin Campeão e por ele ser um pouco mais inteligente, devia ter atacado seu adversário de acordo e isso acabou sendo um ponto negativo num episódio tão bom.

Ele podia ter esmagado o GS na parede até tirá-lo do seu cangote, mas ao invés disso matou seus súditos

No fim, com o Goblin Slayer quase morto e seu grupo exausto após uma batalha tão intensa, acredito que iremos ir para o próximo estágio dessa missão. Aliás, gostaria de destacar a sacerdotisa, que mesmo tendo ficado com extremo medo ao ser atacada pelo goblin campeão e até mesmo não conseguir ativar sua bênção, foi corajosa em continuar, o que prova que cada vez mais ela vem evoluindo para poder ajudar em cada detalhe.

  1. Avatar

    Este episódio 7 de Goblin Slayer é talvez o melhor episódio do anime até agora, ele foi o primeiro episódio onde deu para sentir o clima do mangá.
    O começo do episódio foi muito bem feito, não tornaram uma cena importante em uma possível cena de fanservice tosca (que poderia ter acontecido, mas o estúdio não foi por essa rota). A conversa entre a Sacerdotisa e a Sword Maiden foi muito interessante,a Sword Maiden Maiden com as suas palavras enigmáticas e o seu ar misterioso dão sempre bons momentos. Foi interessante ver também que a Sacerdotisa mesmo sendo jovem é bem perspicaz, ela percebeu logo a origem das cicatrizes no corpo da Sword Maiden pela resposta da mesma e não só ela percebeu também que a Sword Maiden sabe dos Goblins, tudo isto numa pequena troca de palavras. Se a Sacerdotisa continuar a aprimorar a sua perspicácia e os seus poderes, ela será uma aventureira forte no futuro.
    A parte da guilda da Cidade da água foi mais ao menos, o episódio cortou algumas coisas, eu queria ter visto a elfa a insinuar-se ao Goblin só para calar a boca dos aventureiros que se queiram atirar a ela e que estavam a chamar o Goblin Slayer de campónio.
    Agora a melhor parte do episódio, foi bem interessante ver que o Goblin Slayer comprou um canário para se prevenir de ataques venenosos dos goblins e mais interessante foi ver ele que ele se baseou nos mineiros (na Antiguidade era bem comum os mineiros levavam consigo aves para detectar possiveis fugas de gás nas minas de carvão, ouro etc. É com este tipo de coisa que se nota que o autor de Goblin Slayer gosta de colocar informações pertinentes na sua obra).
    Com o canário a posto e com os seus companheiros preparados, a party do Goblin Slayer estava muito bem preparada para mais um incursão nos esgotos da cidade da Água, mas desde do começo que algo não batia certo ali. Começando pela falta de conhecimento da planta dos esgotos, aquela pintura de uma batalha épica de centenas de anos atrás, aquela porta massiva que supostamente não estava armadilhada e por fim o corpo de uma aventureira que estava por detrás da porta massiva, tudo isto foram indicadores que algo não iria correr bem na incursão do grupo do Corta Barbas. Foi interessante ver a Sacerdotisa que até é bem perspicaz correr até ao corpo da aventureira morta, ela pode ser perspicaz mas é ingénua também, por sorte o Goblin Slayer foi a tempo de evitar um desperdício de um milagre da sacerdotisa no corpo da aventureira morta (foi meio creepy a cena onde o cabelo da aventureira morta cai).
    A armadilha montada pelos goblins dentro daquele cemitério subterrâneo no esgoto, foi demasiado complexa para meros goblins, por detrás deles estava um ser bem forte (como se viu mais para a frente). A parte de selar os buracos por onde estava a sair o veneno foi bem interessante, a bolsa do GS parece uma daquelas bolsas sem fim dos jogos de fantasia, ele levou cinzas vulcânicas, levou cal e areia isso tudo junto faz cimento de secagem rápida, o GS é um estratega de primeira. Não bastando isso ele já ia preparado para caso de envenenamento, não só com o canário como levou carvão vegetal (ou bio-activo) para improvisar máscaras de gás (e aqui mais uma vez se vê os conhecimentos gerais do autor), outra forma de neutralizar o veneno seria urinar num pedaço de tecido e colocar sobre o nariz e boca (era assim que muitos soldados na Primeira Guerra Mundial se protegiam do gás cloro, a urina serve como catalisador e ameniza os efeitos dos gases venenosos). Foi interessante ver o anão a selar os buracos, ele é um bom feiticeiro (o anão foi o primeiro a perceber que os ingredientes que o GS lhe deu eram para fazer cimento, aqui se vê que os anões são mestres pedreiros).
    A parte em que o Goblin Champion apareceu o mau agouro estava plantado, o grupo do Goblin Slayer estava bem equipado e preparado, mas senti que o GS subestimou a perigosidade do Goblin Champion (quando li essa parte do mangá, achei a mesma coisa). O Goblin Slayer precipitou-se, ele atacou o Goblin Champion de forma errada, dai ter levado uma pancada tão forte que quando caiu em cima de um dos túmulos de pedra tossiu sangue e ficou incapacitado (a armadura do GS absorveu grande parte do impacto da pancada, mas não o suficiente para que a força cinética do golpe deixasse de ser um perigo para a vida do GS). Com a queda do GS o pilar do grupo, os outros integrantes começaram a ceder, a Sacerdotisa foi a primeira a ficar abalada e acabou por ceder, depois a elfa que ficou sobrecarregada, o anão e o lagarto também estavam sobrecarregados, por momentos parecia que o GS e companhia iriam cair ali. A parte da quase violação da elfa, eu prefiro a versão do anime, ficou bem mais subliminar, no mangá a mesma cena ficou muito errada. Nessa parte foi bonito de ver que o anão deixou de lado as suas implicações com os elfos e ajudou a elfa, mostrando que aventureiros, mesmo de raças rivais podem trabalhar juntos e ajudarem mutuamente. O anão é feiticeiro, mas também é um excelente lutador corpo-a-corpo, a forma feroz como ele trucidou os goblins que estavam a atacar a elfa prova isso. O momento em que a Elfa agradece o anão foi muito bom também, nesse momento a elfa desceu do seu patamar de High Elf e agradeceu o anão de coração.
    Foi meio grotesco aquilo que o Goblin Champion fez com a sacerdotisa, ele simplesmente quase que arrancou o ombro da garota (no mangá arrancou mesmo, mas a versão tv tinha que suavizar um pouco), a Sacerdotisa nesse momento estava completamente quebrada, quase a desistir de tudo (por sorte ela gritou e acordou a Killer Machine presente no corpo do GS). A parte em que o Goblin Slayer se levanta após ouvir o grito da Sacerdotisa, pode ter sido cliché, mas aquelas imagens de flashback que passaram pela cabeça do GS, desde da morte horrenda da sua irmã aos ensinamentos do seu mestre, o corpo do GS meio que se moveu sozinho, quase como um last man stand, ele tinha que proteger a Sacerdotisa, mesmo que custasse a sua vida. Aquele ataque quase que desesperado do GS ao Goblin Champion foi muito bom e outra fez com uma informação interessante, o uso de cabelo humano por parte dos assassinos, devido à sua resistência e durabilidade. Por muito tempo, cabelos humanos eram usados para fazer armas, os romanos usavam cabelos de mulheres jovens para fazer fios para os arcos e escorpiões, os ingleses usavam os cabelos humanos para fazer fios para os seus arcos longos e para as balestas, os assassinos usavam o cabelo humano para criar armas de asfixiamento e por ai vai. Nem sei bem como o Goblin Slayer conseguir arranjar tanta força para asfixiar aquela besta gigante, a certo ponto o GS estava a fazer tanta força que as suas luvas já estavam a ficar rasgadas e os fios de cabelo a cortarem-lhe as mãos. Foi realista o GS não ter conseguido dar um golpe final na besta, ele já estava por um fio (ao menos conseguiu arrancar um olho ao Goblin Champion e afugentou os lacaios dele).
    Por fim, aquela última cena da Sacerdotisa e do GS foi muito bem feita, é impressionante como o GS mesmo todo arrebentado se preocupou mais com a Sacerdotisa do que com ele mesmo (deve ter sido um choque para a sacerdotisa e para os outros quando o GS cai no chão inanimado).
    Ansioso pelo próximo de Goblin Slayer, espero que o próximo episódio explique bem o ritual que vai ser usado para curar o Goblin Slayer, o mangá me deixou uma ideia errada sobre os métodos desse ritual.
    Como sempre, mais um excelente artigo de Goblin Slayer Kiraht.

  2. Avatar

    Agradeço pelo elogio XD.
    Então, sinceramente eu demorei para entender essa parte no mangá e até pouco depois ainda estava confuso em relação a certos detalhes. O próprio problema da Sword Maiden eu demorei para entender pois achei que ficou confuso e mal organizado parecendo que foram jogando acontecimentos e imagens sem se preocupar em deixar entendível.
    Já sobre a luta eu acho que ela trabalhou com dois extremos: um GS completamente preparado para situações adversas e outros que subestimou um adversário que nunca confrontou. Se por um lado ele tinha tudo preparado, do outro ele simplesmente foi com seco para cima de um inimigo de força desconhecida (talvez imaginável).
    No mais eu também estou curioso para saber como vão adaptar esse arco (espero poder entender melhor tudo o que acontece).

Comentários