Essa semana ninguém morreu, essa é a boa notícia. Ainda assim, a tragédia segue sendo o tom da temporada, com episódios tensos ou muito pesados, principalmente KimiUso, Junketsu no Maria, Tokyo Ghoul e Yurikuma Arashi. A notícia melhor ainda é que agora o Anime21 tem uma fanpage oficial no facebook. Quero dizer, para ser sincero essa fanpage existe há tanto tempo quanto o blog, mas é que só agora, com o avatar/mascote pronto, a considero apresentável para o público geral. Se você usa o facebook e acompanha o Anime21, entre lá na fanpage, curta, e saiba quando os artigos saem antes de todo mundo, entre outras coisas que planejo para a fanpage mas não vou prometer nada agora porque sério, demorei cinco meses só para ela estar apresentável, então já imagina né. A má notícia é que tive problemas pessoais e não tive tempo de assistir Binan Koukou e Dog Days”, mas espero que não faça falta para ninguém. Em compensação, essa foi uma semana com Sailor Moon, e eu assisti, então veja a seguir a minha classificação pessoal dos 20 episódios de animes da temporada que eu assisti essa semana.

20 – Shinmai Maou no Testament, episódio 7

Menos hentai, mais combate. Um episódio inteiro de combate. Não é horrível, mas já vi combates melhores. É tudo bem sem criatividade e em nenhum momento pareceu que algum dos protagonistas estivesse em risco, mesmo quando eles deveriam estar.

19 – Koufuku Graffiti, episódio 7

“Responsabilidade de instruí-las”? “Posso confiar minha vida a elas”? Tudo isso só porque a Shiina e a Kirin grelharam peixe para a Machiko? Quanto drama para tão pouca história.

18 – Cross Ange, episódio 19

O Embryo é um sintonizador de qualquer coisa, por isso é deus, pode se teleportar, é imortal, ressuscita pessoas e as enfeitiça. Mas com Ange não funcionou, ela é protegida pela Armadura do Protagonista. Embora pelo final e pela prévia pareça que, sem usar poder nenhum, Embryo conseguirá, de fato, algo de Ange. Mas é a Ange, então acho mais provável que ela ouça tudo o que ele tem a dizer, ache sensato, concorde, e depois fuja deixando um rastro de destruição para trás dizendo que não se deixará ser usada por outra pessoa. A Jill, por sua vez, parece ainda apaixonada por Embryo. Se quer mesmo destruí-lo eu não sei, mas ei, não faria sentido usar as normas para destruir os rebeldes que pretendiam atacar Embryo anos atrás? Até onde parece deu muito certo, sobrou só o Tusk e Arzenal voltou a trabalhar para Embryo. Apenas recentemente o tal “plano Libertus” foi reiniciado, mas com uma liderança tão insana quanto estúpida a chance de dar certo era zero de todo modo. Enfim, ainda acho que Jill quer derrotar Embryo, apenas é incompetente demais para isso, mas vai ser presa como traidora de todo modo. Outro episódio mediano, no fim das contas, mas não inútil, estúpido ou hediondo. Hoje em dia é com isso que Cross Ange deve se contentar.

17 – Durarara!!x2 Shou, episódio 7

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Ok, esse episódio de construção do cenário foi muito lento. Durarara é famoso por esse tipo confuso de construção do enredo, e normalmente é parte de seu charme. Muitos personagens, muitas histórias individuais se cruzando e se chocando. Mas esse episódio não foi exatamente isso, foi um longo e até que me provem o contrário, desnecessário flashback contando toda a história da Varona. A importância dela pode crescer na história? Não tenho dúvida que sim. Mas eu quero saber mais sobre os personagens depois que eles se tornam importantes, e não antes. Também não posso evitar me incomodar com a animação horrível e com o Mikado subitamente ter decidido confiar no Izaya e ainda por cima passado a achá-lo uma boa pessoa. Tantos já cometeram esse erro antes, e ele sabe, que não tem como ele não saber que está sendo mais do que estúpido ao fazer isso.

16 – Rolling?Girls, episódio 7

Kyoto é uma cidade parecida com a do arco anterior: dois grupos de vigilantes, dois propósitos diferentes. E seus líderes se odeiam! A diferença é que há um terceiro grupo, esse de baderneiros (mas em Rolling Girls a diferença entre vigilante e baderneiro é bastante tênue), cujo líder aparentemente gosta de causar confusões para matar o tédio. Ah, bem, como sempre, nada faz muito sentido, mas suponho que no próximo episódio (ou até o final do arco) mais um caso de problema de relacionamento entre pessoas será resolvido pelas protagonistas sem poder nenhum.

15 – Sanzoku no Musume Ronja, episódio 20

Um episódio sobre como os garotos conseguiram domar cavalos, como ordenhavam cavalos, como se deram bem com os cavalos e como cavalos são a melhor coisa do mundo. O medo do inverno da Ronja e o medo do Birk de que a Ronja estaria melhor em casa e ele a está separando de sua família não salvam o episódio.

14 – Tokyo Ghoul ?A, episódio 7

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Aquela escritora é um ghoul, não é? E mais, tenho quase certeza que ela é a múmia líder da Aogiri. Então o que ela foi fazer na CCG? Ela já sabe a resposta para a pergunta que fez, então ela foi lá passar informação? Posso até engolir isso. É útil, se não para qualquer outra coisa, para desviar a atenção da CCG para o Anteiku. Usar o Kaneki para isso seria apenas circunstancial, mas não creio que esse seja o plano dela. O Kaneki em si parece não saber o que fazer, suponho que esteja perdido e não tenha mais muita utilidade para a Aogiri, agora que ele mal consegue controlar seus poderes. A Touka finalmente reencontrou o Kaneki, mas ficou com raiva e só xingou ele e bateu nele. Mandou bem, Touka! Aliás, foi hilária de horrível a animação quando o Kaneki saiu voando por causa do soco da Touka.

13 – Assassination Classroom, episódio 6

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Primeiro choque entre a turma 3-E e a escola. Alteram o formato da prova em cima da hora para que os alunos da Turna do Fim não consigam notas melhores que os demais alunos, assim colocando-os em seu devido lugar, pelo menos para quem olha apenas os números. Os alunos, contudo, continuam confiantes e salvam o próprio professor Koro que quase abandonou a escola. Episódio mediano mas importante para construir o cenário.

12 – Death Parade, episódio 7

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Mais detalhes sobre o funcionamento desse além-mundo de julgamentos das almas humanas, e parece que a Nona está fazendo algo pelas costas do chefe que vai meter ela em encrenca se ele descobrir. Aliás, deve meter em encrenca todos os personagens importantes da série. O lado positivo dessa explicação é que parece que mesmo algumas pessoas nesse mundo têm a mesma preocupação que eu: quão justo é o julgamento que eles fazem? A Mulher de Cabelo Preto percebe que está morta mas não se lembra de nada e fica quieta. Ainda acho que ela vai ser a catalisadora de o que quer que irá acontecer que irá mudar esse lugar para sempre. Algo como por causa dela Decim muda, o que pode ou não estar nos planos da Nona mas de todo modo chama atenção do Oculus que vai fazer … alguma coisa a respeito. Ou algo com essa estrutura ou semelhante, isso foi apenas um exemplo. O Ginti não consegue julgar a Mayu e a está mantendo consigo, e ficando muito irritado no processo. Ele só sabe ficar irritado. Me pergunto se ele também faz parte do plano da Nona.

11 – Akatsuki no Yona, episódio 19

Essa vem sendo a mais interessante conquista de dragão até agora. Estou até ansioso pela batalha que se avizinha, mas é bom me segurar um pouco porque não houve risco de verdade nenhum até agora.

10 – Sailor Moon Crystal, episódio 16

Primeiro episódio desde que virou a temporada que eu posso dizer que gostei. Teve pouco combate físico/mágico, não que eu não goste desse tipo de combate, é só que nessa reencarnação de Sailor Moon estão muito chatos. Ao invés, o embate foi muito mais intelectual e psicológico, e naturalmente só foi assim por causa da Sailor Mercúrio, então convém não deixar-se levar pelo otimismo. A o enredo avançou de verdade sem que tenha sido através de uma longa e chata exposição ou uma exposição curta mas clichê demais e com sentido de menos.

9 – JoJo’s Bizarre Adventure – Stardust Crusaders, episódio 31

Um episódio divertido com o humor com nível de escola primária de JoJo e uma luta bastante não convencional.

8 – Shigatsu wa Kimi no Uso, episódio 18

Depois de curar um trauma psicológico com amor e força de vontade, agora KimiUso quer curar uma doença degenerativa da mesma forma? É tão estúpido que acho que nem esse anime iria tão longe, mas vai saber. O mais provável é que seja apenas egoísmo extremo do Kousei, do mesmo tipo que forçou uma garotinha que só toca para chamar a atençao do irmão, que nem quer ser profissional nem nada, a tocar com ele em um palco e ali a pressionou mais uma vez. Ok, ele a ensinou muito bem, ela está tocando bem melhor agora, ela saiu feliz e realizada, mas poderia muito bem ter dado tudo errado e a Nagi poderia ter saído dali machucada. E agora ele está sendo mais uma vez egoísta ao forçar uma doente que mal tem força nos músculos a subir no palco para tocar violino de novo. Não se engane achando que a Kaori talvez não esteja tão mal assim, é só olhar para ela. Nada nesse anime é à toa. Ela perdeu o brilho e não vai recuperar – exceto talvez em um momento ou outro, mas a um custo alto. Há quem diga que até mesmo um telhado com lençóis brancos em anime é simbólico e premonitório: morte.

7 – Kamisama Hajimemashita II, episódio 7

A sociedade dos karasutengus é horrível, sério. Mas não importa. O líder está morrendo e um novo líder assume, um corvo terrível capaz de matar filhotinhos (matar filhotinhos é a pior coisa que qualquer um pode fazer). Naturalmente ele tem apoio do Yatori (aquele outro personagem do mal que no episódio anterior jurou lealdade ao Akuraou e prometeu que transformaria os corvos do monte Kurama em um exército para provar sua devoção). No que ele o apóia oficialmente eu não sei, mas pelas brumas tenho certeza que deve ser o responsável pela doença que acomete o antigo líder. Apenas Kurama e Nanami podem impedir que o mal vença, e é basicamente isso aí. Bem simples mas muito bem executado. Aposto que o novo líder (Jirou) irá se reformar de seus maus feitos em algum momento enquanto o Yatori foge para causar mais problemas numa outra ocasião antes que o peguem. Ou talvez o peguem no final desse arco mesmo, se a temporada acabar com apenas cerca de 12 episódios.

6 – Aldnoah.Zero, episódio 19

Os Cavaleiros Orbitais que agiam separados porque não reconheciam uma autoridade superior agora se submeteram ao Slaine. A prova de força dele e sua subida meteórica na hierarquia, a declaração da princesa e a situação incômoda em que se encontra a guerra pesaram: a maioria deles quer acabar logo com isso há tempos, só não tinham como. A sociedade marciana é feudal. Um bom episódio, o Slaine é um grandessíssimo desgraçado e eu ainda não entendi porque o objetivo dele seja conquistar a Terra (para ser justo, o objetivo dele é conquistar Marte, mas até agora ele não mostrou nenhuma hesitação em conquistar a Terra antes; talvez considere um passo inevitável). De todo modo, um personagem mais crível que o Inaho da primeira metade, ainda que eu não goste de nenhum dos dois, cada um por motivos diferentes. O Inaho de agora pelo menos têm desculpa para ser tão bom em tudo o que faz, afinal ele virou um computador biológico. E parece que agora que o Marito não está mais traumatizado ele está sendo um bom comandante em campo também, dividindo um pouco a glória com o Inaho. Pena que eu não acredito que haverá uma batalha em larga escala, porque tudo está pronto para isso. Ah, e a princesa despertou. Por enquanto está apenas recobrando suas memórias, mas imagino o que irá fazer quando estiver em plena capacidade mental. É impossível que concorde com Slaine. Lemrina por sua vez passou rapidamente do susto de achar que quase havia matado a irmã para o sentimento confuso de saber que ela despertou, e também me pergunto o que ela irá fazer assim que assimilar a nova situação entre ela, Slaine e Asseylum.

5 – Yurikuma Arashi, episódio 7

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Um episódio de ligaçao com um gancho cruel no final. As coisas vão realmente começar a ficar malucas, suponho. Mas esse episódio em si foi um episódio fofinho onde Kureha finalmente se lembra que já foi amiga de Ginko quando criança.

4 – Kiseijuu, episódio 19

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Episódio de ligação. A tensão está no ar o episódio inteiro, o Shinichi não teve seu segredo descoberto mas o oficial de polícia não o deixa em paz, pedindo sua ajuda tanto quanto puder. Não só o clima do episódio é tenso, como os personagens estão todos com seus nervos à flor da pele.

3 – Junketsu no Maria, episódio 7

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Com tantos interesses em jogo era apenas natural que uma hora tudo fatalmente desse errado. Isso deve levar a um realinhamento de forças, mas as estruturas sociais medievais estáticas (e a provavelmente ainda mais estática hierarquia celestial) devem impedir mudanças realmente drásticas. O que aconteceu durante o episódio realmente foi pouco, mas de grande significado. Se a Maria se feriu seriamente nesse episódio, o risco de vida para ela e outros só deve aumentar no próximo episódio.

2 – Yoru no Yatterman, episódio 7

Segunda semana seguida de excelente Yatterman. Fica claro que não só o cão, mas Goro também tem alguma relação com Alouette e Galina. Só ele percebe isso mas segue implacável. Conforme os heróis permanecem mais ou menos inalterados desde o começo de sua missão, Galina é quem muda e cresce. Ele não é o protagonista, mas é através dos olhos dele que devemos ver a história. E atrás de toda a patetice da Noite de Yatterman há uma profunda história de salvação e valores humanos. O Reino de Yatterman representa o próprio mal, não tanto a maldade encarnada ou a vontade de fazer mal, mas a queda e desgraça de quem já foi humano. Os Yatterman já foram os salvadores, mas por algum motivo seu coração endureceu e agora eles oprimem o próprio povo que um dia libertaram. Não há esperança para quem viver nesse reino, e o pescador Ryu desse episódio não foi o primeiro personagem que quis fugir para além dos muros. A opressão e o desespero fazem secar os corações de todos, que mesmo sofrendo não são mais capazes de resistir e desprezam ou traem a Gangue Doronjo, que é quem representa a verdadeira salvação. Até o povo oprimido perdeu sua humanidade. Leopard é como uma messias que sem poder nenhum traz a esperança sincera em cada palavra e salva aqueles que ainda estiverem dispostos a ouvi-la. Ela representa o amor incondicional e a resistência através da fé humana mesmo face ao mais inevitável destino. Se acha tudo isso um exagero e que está parecendo religioso demais, é isso mesmo que estou querendo dizer. A teoria não é minha, contudo, é de um blog em inglês, quem quiser pode me pedir o link. Eu a achei muito interessante, pois dá sentido a um anime que eu vinha assistindo até então achando bom mas sem conseguir explicar o que poderia haver de bom, afinal, na história de um bando de patetas sem nada que são derrotados de novo e de novo por um estado totalitário que dispõe de um número ilimitado de recursos e que eles pretendem vencer. Como história de ação é fraca, como anime infantil tem piadas adultas demais (o porco trepou com uma porca nesse episódio, sério), então aí está: é uma alegoria da salvação religiosa, que é também humana em muitos aspectos (para começar, apenas seres humanos possuem religiões). Se você imaginar todos os que se salvam do Reino de Yatter como pessoas que morrem e vão para o paraíso será sinistro mas fará um bocado de sentido.

1 – Garo: Honoo no Kokuin, episódio 19

Esse episódio é o fim de um ciclo, ou o começo de outro. Ao superar a sua própria limitação como pretenso herói do povo que, no entanto, lutava apenas por sua vingança pessoal, Leon se tornou capaz de ajudar outra pessoa nessa mesma exata situação: Ema. No caso dela não era tanto vingança, já que me parece que até o fim ela ainda nutria sentimentos por seu ex-marido Luciano, que se transformou de Alquimista em Horror sucumbindo ao desespero de não ser capaz de ajudar todos quantos queria. Ela estava disposta a morrer para acabar com o monstro que seu marido havia se tornado, e Leon foi lá para nenhuma outra razão a não ser protegê-la e à cidade onde, no fim, Ema derrotou Luciano em uma divertida batalha aérea. O final me incomoda um pouco mas não o bastante para manchar minha impressão geral do episódio. Ema parece pouco satisfeita, como é o esperado de alguém que lutou apenas por vingança (ou algo parecido, um sentimento de dever misturado com frustração e traição), e se impressiona com o quanto Leon amadureceu. Bêbada, dá um beijo no protagonista. Aposto que foi apenas impulso por causa da situação, então tudo bem, é até bonito. Mas Leon depois retribui o beijo. Ele não estava apaixonado pela Lara? É claro que ele ainda não superou a perda (mas agora sabe lidar com ela, o que é uma diferença fundamental para o Leon de antes), então por quê? Se deixou levar pela situação também? Bom, ele é um adolescente com hormônios em ebulição e ela é uma bela mulher madura e fragilizada que deu o primeiro avanço, então talvez essa cena tenha sido só impulso também, o que eu poderia entender.

Discussão