Fala pessoal, como vocês estão? Tudo bem? Perdoem minha ausência na semana passada, por problemas técnicos pessoais, eu achei que tinha colocado o artigo no blog, saí para viajar e depois fui lembrar que não estava. Mas como quase tudo pode se resolver, cá estou eu para mandar esse artigo duplo sobre os dois últimos episódios de Fate!

Vamos conferir os melhores acontecimentos de cada episódio então?

Então, ambos os episódios na minha humilde opinião foram bons, mas cada um com seu estilo.

O episódio 14 teve mais ação e lutas, totalmente contrário da temática abordada no episódio 15, que foi mais o título do artigo: Formação de Alianças.

Mas Hugo, o que nós tivemos de comum nos episódios? Acho que a única coisa que refletiu por igual nos episódios foi mostrar as ambições e os desejos de cada servo, tanto no 14, com o Avicebron, quanto no 15 com os outros servos.

O episódio 14 eu já havia cantado a pedra sobre o que aconteceria com o Hougu do Caster Black, que não é mais Black nem Carmesim, que coisa louca. Porém, no episódio 13 ele pedindo a proteção de seu mestre e tal, eu pensei que ele tinha alguma compaixão pelo jovem garoto adorador de golens, mas o episódio me surpreendeu com o Caster “traindo” seu mestre. No prólogo do anime, aparece as guerras, destruição e tal, e de fundo aparece o próprio Avicebron questionando: “Se todos nós somos iluminados por Deus, por que no odiamos tanto?”.
É um bom questionamento, a guerra é algo cruel realmente, em todos os aspectos. E nesse episódio nós descobrimos o desejo do Avicebron que era de reconstruir o mundo, transformar num paraíso. Mas o modo dele seria destruir o mundo todo para tal acontecimento, então logo seria algo realmente incabível e todos se juntam para evitar isso.

Achei muito bacana ainda nesse episódio 14 a “Aliança” entre as facções para enfrentar o Hougu do Avicebron, embora nesse seja uma aliança temporária; foi bem bacana ver os “Sabers” (botei entre aspas pois eu não sei se considero o Sieg um Saber ou se o classifico como um Homúnculo ou um Homúnculo-Saber, tá meio confuso toda essa situação); e como já diz aquele ditado: “A União faz Açúcar“, eles conseguiram vencer o Hougu do Caster juntos.

Os dois Hougus mais poderosos juntos!

Já o episódio 15 não tem muita coisa para comentar, pois foi um episódio de muita estratégia e aí sim, formação das alianças. Um outro ditado, e dessa vez sem piadinhas, que se encaixa muito bem é: ” O inimigo do meu inimigo, é meu amigo”. Pelo menos momentaneamente eles estão juntos, parte da Facção Black, Sisigo/Mordred e Sieg, mas como no fim do episódio é deixado bem claro que Sisigo e Mordred só estão agindo em conjunto para tirar proveito disso, podemos ter a certeza de que não é uma aliança pois eles são bonzinhos e tal. Não podemos esquecer que Fate é uma guerra e cada mestre/servo tem seus próprios desejos e ambições. E como foi falado mais acima, foi mostrado os desejos de muitos e seus problemas no passado, o que levaram eles a terem esses desejos e tal. Achei muito bacana, gosto de episódios que exploram o passado dos personagens e explique para nós o porquê desses desejos e da pessoa ser assim.

O plano deles para roubar o cálice!

Outro ponto que eu estive pensando no decorrer do episódio e foi bem mencionado nele por uma coincidência, é a forma que o Shirou irá fazer acontecer a salvação humana. Será por métodos como do Caster, causando a destruição e recriando tudo? Bem, acho que só poderemos tirar essa dúvida um pouco mais pra frente.

Um bom questionamento que ocorre no episódio: será que teremos o mesmo que foi com o Avicebron?

Até então, estou achando o Fate/Apocrypha no nível do Fate/Zero. Um pouco mais fraco, por enquanto, mas dependendo do final, pode ser igual ou melhor até. Está bem explicado sobre os acontecimentos, está indo a fundo nos personagens e explicando sobre eles, estou gostando bastante.

É isso galera, espero vocês na próxima semana, um abraço a todos!

Sayonara!

Discussão