Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Após um episódio anterior relativamente interessante, Garo: Vanishing Line nos entrega mais um que se contenta com a linha do medíocre, que foi muito interessante ver a interação básica entre a Gina e a Shophie, mas, novamente tivemos uma vilã pouco carismática e com uma história de fundo pouco interessante. Tivemos alguns momentos relativamente engraçados com o Sword tentando socializar estando vestido com uma camisa claramente menor que o tamanho dele, o que foi um pouco engraçado, ao menos para mim.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Foi interessante ver a alternância entre presente e passado no início do episódio, onde temos o pedido de ajuda da Gina e a execução do plano pelos três. Admito que a Gina talvez tenha subido um pouco no meu conceito, visto que quando ela aparece, o episódio tem um ar mais investigativo (o que eu gosto muito) e o jeitão dela é interessante. Sem contar que fomos reforçados da motivação dela: dinheiro, money, bufunfa, cascalho.

Logo depois de ter completado a missão de exterminar a “Mulher Gato” (entre muitas aspas, por favor), Gina novamente vai embora e provavelmente só a veremos quando ela precisar novamente do nosso Garo, Sword. Visto que um certo personagem já apareceu na prévia do próximo episódio, quem precisa de ajuda desta vez será o Luke. Será que vai demorar muito para termos um episódio com os três trabalhando juntos? Provavelmente com o ritmo que o anime vem nos apresentando atualmente, vai sim, a menos que mude, o que com certeza seria muito bem-vindo, afinal, já está na hora de entrar na história.

E enquanto o Sword estava sendo molestado, Gina e Sophie estavam investigando a mansão, e com algumas palavras, Gina faz a Sophie e até nós, telespectadores, pensar quem são os verdadeiros demônios, e claro, chego a conclusão que não são simplesmente os Horrors ou nós humanos comuns, mas sim, a Lady Viola, hu hu hu hu. Brincadeiras à parte, é realmente uma questão a se refletir quando você colocar sua cabeça no travesseiro à noite (ou não), apesar de já sabermos a resposta, certo?

Aquela frase de efeito clichê…

E que diabos de Horror foi esse? Certo, faz total sentido ele ser uma vagina com dentes, pelo menos se levarmos em consideração as atitudes da Lady Viola para com o Sword. MAS UMA VAGINA COM DENTES? Isso soa muito bizarro, e realmente é. Alguém pode por gentileza chamar um “ginecodentista”?

Com esse ritmo, o episódio enrolando para entrar na história proposta de verdade, eu não consigo parar de associar aos mangás estreantes da Shonen Jump, onde aparentemente eles precisam primeiro mostrar alguns capítulos mais fechadinhos em si mesmo ou pequenos arcos de poucos capítulos para pegar mais público e tentar se firmar como um mangá recorrente na revista e não correr risco de ser cancelado precocemente. Mas Garo não precisa disso, a franquia já faz sucesso no Japão com live-action e já nos deu duas outras animações além desta de 2017.

A cena em que a Sophie e a Gina acham o caderno com descrições de uma criança sobre os eventos acontecidos naquela residência ficou extremamente interessante, aquele tom mais pesado que a cena em si precisava na hora das descrições nos foi dado, e pelo menos nisso, Garo: Vanishing Line é extremamente eficiente.

O fato “apareceu um novo Horror e temos que nos juntar para derrotá-lo” vem me incomodando um pouco, pois, essa nova série se propõe a nos entregar uma história de fundo que pode (ou não) ser mais interessante, bem desenvolvida e empolgante do que o básico arroz com feijão que tem nos dado para comer, e sim, se você me promete proteína, não me dê apenas carboidrato (e aparentemente de proteína o Sword entende). E como já mostrado nos episódios anteriores, a situação da “Mulher Gato” já pode cair no esquecimento, nada disso deve ter alguma importância para a trama futura, se é que seremos apresentados a essa trama.

Bom pessoal, até a próxima

  1. Não espere muito sobre trama amarradinha na série, pois as anteriores foram a mesma coisa, apenas mudando alguns pontos. Ser episódico é bem comum na franquia, até pra termos mais contato com o contexto em geral. E céus, o horror era mesmo uma vagina?! Só achei bem grotesco, como foi o horror lá do primeiro episódio, neste quesito, podemos esperar um show de horrores aí.

    Muito zoado o Sword usando roupas que mal cabem nele, ter de segurar sua mania de olhar os seios das mulheres e ter quase uma noitada, no mal sentido: parece que a Gina só vai causar encrenca pro lado dele. De todo jeito, o anime tem me mantido por dentro e esperando pra ver o que vai acontecer.

    E continue nas análises, está muito bacana e bom saber como veem a série que acompanha. Até mais!!!

Comentários