Esse anime é um genuíno trabalho de arte, e episódios como este só reforçam cada vez mais essa minha opinião. Venha comigo se molhar na chuva da Tachibana, e se encantar com a sua história!

Antes de falar do episódio propriamente dito, gostaria de pontuar a sugestividade da primeira cena, na qual a Tachibana com o pé toca no livro de fotografias de corrida e o faz cair da cama como se o seu trabalho fosse o substituto para aquilo que ela perdeu exatamente por causa do pé machucado.

Não ficou claro se ela tocou o livro com o mesmo pé da lesão, mas não acho que isso seja relevante, o importante aqui é que prestemos atenção aos sutis sinais que a autora dá de que essa “nova vida” que a garota está levando pode sim ser apenas reflexo da sua necessidade de se sentir parte de algo, de que pode ser isso que está movendo os seus sentimentos pelo Gerente, de que se ela retomasse sua vida antiga de alguma forma seu vazio seria preenchido e ela não teria mais porquê gostar dele.

Pode ser só eu vendo coisas, mas boas histórias dizem muito, principalmente nos detalhes!

Não acredito que a resposta seja tão simples, mas como comentei em outro artigo, provavelmente parte do que ela sente tem a ver com isso e dado o fato de que o mangá acaba em 2 capítulos espero que o anime adapte a obra por completo – mesmo que seja inevitável “queimar gordura” – e nos sane esta dúvida. Quanto a chuva pesada que foi este episódio, que chuva interessante nós tivemos!

A tentativa de aproximação da Tachibana era previsível, afinal, agora eles têm ao menos um assunto em comum sobre o qual conversar, contudo, o resultado da conversa não foi dos melhores e isso se deveu a forma como ela o vê, bem diferente da forma como ele vê a si mesmo. Quando uma pessoa está apaixonada é comum que ela ache o objeto de sua paixão incrível e cheio de qualidades, porém, também não é incomum que a pessoa discorde disso e se as duas pessoas se conhecerem melhor elas provavelmente chegarão a um meio termo quanto a essa opinião. E o problema da primeira parte do episódio foi exatamente esse, o fato de que ela não o conhece o suficiente para falar dele com uma “propriedade” que o faça admitir ou acordar que não é só um velho nojento e sem futuro.

Essas cenas “ilustrativas” dela têm um charme à parte, não acham?

Ele foi duro com ela, mas ele é um adulto e, como tal, ralhar com uma “criança” é algo normal, comum até, o problema surge quando esta “criança” nutre outro tipo de sentimento por você. Não me levem a mal, sei que a Tachibana não é uma criança no sentido literal da palavra, mas ela ainda é muito inexperiente e imatura – fazer o que ela fez na segunda parte do episódio é uma prova gritante disso – em comparação a alguém que já viu a maior parte da vida passar bem diante de seus olhos, alguém que já perdeu o “brilho” de uma juventude cheia de possibilidades como a que vê na sua frente. A tensão do momento foi muito bem passada e, sendo assim, não foi difícil sentir o peso daquelas palavras na garota, inclusive como aquilo a atrapalhou um pouco no trabalho e a fez tomar uma decisão completamente imbecil, mas que ao menos tempo era completamente compreensível.

O contraste entre a luz e a sobriedade do resto do cômodo caracterizaram bem esse momento

Em quase todos os episódios do anime até aqui, a Tachibana faz algo inconsequente, então não me espantou ela sair no meio do temporal rumo a casa do Gerente porque se sentia aflita. É verdade que ela poderia ter feito isso um outro dia, mas dada a doença do Gerente e a sua ansiedade – coisa pela qual todo adolescente já passou e que no caso dela é agravada pela sua “delicada” situação –, ela sentiu que tinha que fazer aquilo ali naquela hora, o que inclusive deu mais substância ao diálogo e enriqueceu exponencialmente a cena, tornando o momento do abraço incrivelmente simbólico enquanto, de mãos dadas, a coerência e consistência narrativa que são dois dos pontos fortes da obra.

Quer pessoa melhor para ouvir você no meio de um temporal senão seu chefe e crush, né?!

Ela é um exemplo genuíno da juventude em todo o seu apogeu e imprevisibilidade; ele é um exemplo do conformismo e da dureza que a realidade se prova aos mais vividos; um tem algo que falta no outro, ela ainda não tem toda a carga que ele carrega nas costas e ele já perdeu toda a “magia” da inocência da vida; os dois acabam juntos em um quarto em meio a uma pesada tempestade e só o que lhes sobra é pôr para fora o que lhes aflige, deixar sair aquilo que os frustra como se na tentativa de aliviar o peso, um peso que mais se assemelha a leveza de não ter o que é particular ao outro.

A Tachibana expressa toda a sua angústia através de palavras, essas que vão despindo seus anseios e suas inseguranças para com esse amor e a pessoa a qual ele é dedicado. O Kondou reflete bem sobre o que aquela garota na frente dele representa e traz de nostálgico a sua vida, mas não expressa isso tudo em palavras e sim principalmente na ação de abraçá-la para aliviar suas dores. Os guarda-chuvas caindo juntos no chão foi mais uma sutileza do anime que observei neste episódio, acredito eu que com o intuito de simbolizar a aproximação, a conexão através do calor do toque.

Quem não ficou triste ao ver a Tachibana chorando que atire a primeira pedra!

Não dizem que mulheres são tocadas por palavras e homens por ações? O contrário se encaixou perfeitamente bem aqui, pois foi por causa da coragem – com uma grande porcentagem de irresponsabilidade – da Tachibana em ser franca, em se abrir e se desnudar, como a adolescente frágil que está apaixonada que ela é, que o Kondou foi capaz de não ser frívolo com o que estava sentido, conseguindo apaziguar o coração da jovem a sua frente ao mesmo tempo em que respeitava a ela e a si mesmo no processo. Ela passa a ele uma ótima sensação, é como se quando está com ela, ele recuperasse parte da esperança e jovialidade que um dia teve, o que já é sim muita coisa e algo incrível, mas seria inconsequente demais chamar isso de amor. Ao menos por ora seria demais, entretanto, devido a tudo que os dois já passaram juntos a palavra “amigo” não soa tão estranha e se não é tudo o que a Tachibana queria é o máximo e o melhor que ambos podem ter por enquanto. É um laço que toma forma, representando muitíssimo bem uma relação em que uma pessoa tenta ajudar a outra que a faz bem. Amizades são atemporais e imateriais, são verdadeiros tesouros para a vida!

“Vou fechar meu guarda-chuva e me molhar na sua chuva.”

A cena em que ela delira – ou sonha, como preferir – e se vê abraçando o Gerente despida não teve nenhuma conotação sexual, para mim foi mais para reforçar o abraço no quarto, para mostrar que ali naquele momento ela estava sendo completamente sincera e isso a tornava frágil, a despindo de suas defesas, a fazendo se conectar de uma forma natural e honesta com o homem bem mais velho a sua frente, o qual não queria fazer mal a garota em nenhum sentido, mas sim mostrou que preza e muito pelo seu bem estar e a sua felicidade. Koi wa não está aqui para dar vazão aos fetiches de ninguém e se você do outro lado da tela viu “maldade” onde não havia então aí o delírio é todo seu.

Poucas pessoas devem entender a profundidade e a beleza dessa cena…

Um episódio belíssimo, muito bem produzido, muito bem escrito, muito bem harmonizado como o quadro geral da obra. Um episódio necessário para se mensurar o caminho até aqui e começar a traçar os contornos para o futuro dessa história de amor da Tachibana e, de certa forma, do Kondou.

O último ponto que queria comentar antes de me despedir retoma ao Kondou e ao fato de ele conhecer o autor daquele livro. Me pareceu que ele não era um amigo próximo, mas também não deu a entender que era só um conhecido oportuno, o que pode apontar que é aí que, assim como a Tachibana, poderemos conhecer mais da personalidade e do passado do Gerente que talvez não seja só um leitor assíduo, mas também um escritor frustrado. Quem sabe, ainda faltam cinco episódios até o fim e acredito que seja necessário aprofundar um pouco mais o Kondou antes da resolução dessa história a fim de dar ainda mais significado ao seu “Sim” ou “Não” no que tece a aceitar esse relacionamento e tudo o que ele traria de bom e de ruim a sua vida. Até o próximo artigo pessoal!

Japoneses enfeitam um pouco doenças em animes, então não pensem besteiras, okay?!

  1. Rapaz eu pensei em sexo no abraço no quarto e no sonho da Tachibana-chan, ela e seu amado nus e fazendo sexo nada de mais natural. A Tachibana-chan doente e delirando de dor e prazer é como se fosse uma alusão a sua primeira vez com o Kondou, o que dois amantes fazem sexo! episódio muito bonito, 10/10.

  2. Não, imagina. O delírio dela foi completamente inocente, aquele gemido no final foi por causa da febre…

    Vamos deixar de inocência, teve até um episódio em que a garota se masturba (a cena foi bastante sutil, mas bem óbvia). É claro que a Tachibana, além de amor, sente atração sexual pelo Kondo. E não há nada de errado nisso, ela é uma adolescente apaixonada com hormônios a flor da pele, é normal que tenha suas fantasias. Acho muito bom que o anime não esteja forçando um amor idealizado na história.

    • Olha, sem ser inocente, não acho que foi bem por aí não. Posso estar enganado, mas ela estava doente e japonês costuma exagerar na caracterização de doença tanto em anime quanto em mangá, além de que podem ter aproveitado para deixar essa “dúvida” no ar, mas se reparar bem, vai perceber que os braços dela estavam na altura do peitoral, sendo assim, ou ela fez isso dormindo ou não fez.

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      O próprio anime é todo cheio de simbolismo. O Kondou foi ríspido com a Tachibana nesse episódio exatamente porque ela não está apaixonada por ele, mas por uma versão ideal dele que só existe na cabeça dela (ela não o conhece, afinal). Não se trata de inocência, e sim do tom que o próprio anime está adotando.

      Se quiser ir mais longe, o próprio “amor” dela é falso. Foi só uma forma que ela encontrou de lidar com o seu ferimento, provavelmente incapacitante. Ou melhor, uma forma de não ter que lidar com isso. Esse é um assunto não resolvido para ela até hoje, e isso sim o anime está fazendo questão de lembrar com frequência, chegou até mesmo ao ponto do cozinheiro falar isso literalmente – e ela não pôde negar, nem em voz nem em pensamento, nem na hora nem depois, porque no fundo ela sabe que é verdade.

      Uma boa parte da audiência desse anime é que está se transportando para os personagens e idealizando demais, se me perguntar.

      • Vocês estão esquecendo o fato dela ter se masturbando enquanto fantasiava com o Kondo no episódio 2. É óbvio que tem atração sexual, não é algo tão inocente. Mas tanto essa cena quanto a cena do delírio ficaram ainda mais sutis no anime, no manga as cenas são bem mais claras.

  3. E saiu já o ep.8…Calma peoples não vou dar spoilers…Mas acho que vão apreciar mais o lirismo e o sublime neste (fora que quem apostar que o andamento do mangá está igual ao do anime, vai cair de bunda no chão…Um personagem novo no ar….Yehhhaa!!!). NO SEXUAL INNUENDO HERE KKKKKKKKKKKKKKK!
    Até domingo!!!!

Discussão