Bom dia!

Mas que estreia maravilhosa, não é mesmo? Socorro!

Garotas fofas fazendo coisas fofas, um slice of life sobre pescaria. É muito trash!!

Mais especificamente, garotas fofas que vão para o espaço pescar peixes monstruosos pilotando submarinos com a ajuda de um aplicativo mobile que invoca um deus.

Por quê???

É lógico que isso é um game.

Sora to Umi no Aida se passa em um futuro próximo não especificado no qual todos os peixes do mundo desapareceram. Um desastre ecológico, uma extinção em massa como não acontecia há eras. A diferença é que agora o mundo tem seres humanos!

Com seu intelecto superior e sua tecnologia avançada os seres humanos são capazes de trazer os peixes de volta à vida!

Para comer. As pessoas querem comer peixes, então elas ficam muito tristes que eles desapareceram da Terra. Não somos mesmo uma espécie altruísta?

E por algum motivo insano os peixes foram trazidos de volta à vida no espaço, em gigantescos tanques de água capazes de manter a forma esférica na órbita da Terra.

Quero dizer, eles poderiam criar tanques em terra firme mesmo, supondo que o problema seja os oceanos em si. Ou tentar “consertar” porções do oceano. Mas daí não teríamos fofas pescadoras especiais, então esquece essa ideia.

 

 

Também por esse motivo, ao invés de automatizarmos ao máximo o processo, o que seria inteligente dados os custos envolvidos, literalmente astronômicos, ainda é necessário subir em foguetes e decolar para o espaço, e depois retornar, do jeito que são as expedições espaciais hoje em dia.

O preço do sushi nesse futuro hipotético deve ser bastante caro. Para quem gosta de sushi, sem dúvida uma distopia.

E ao invés de pescar tranquilamente em barcos fofos, as garotas fofas de Sora to Umi no Aida precisam pilotar submarinos, como todo pescador espacial que se preze. Entendeu? Submarinos.

E ainda bem que usam submarinos porque os peixes são todos gigantescos e monstruosos. Quem come essas coisas mesmo?

Isso me lembra quando li o primeiro volume de Toriko. Foi o único que eu li, aliás. Supostamente uma história sobre caçar comida e preparar pratos deliciosos, mas o que eles caçam de verdade são monstros horrendos. Quem naquele mundo esquecido por Kami-sama primeiro olhou para um monstro e pensou “hmm, parece gostoso”???

Digo o mesmo para esses peixes. Pelo menos tenho uma hipótese para isso: os peixes estão sofrendo mutações rapidamente por causa da ausência da proteção da magnetosfera terrestre contra a radiação solar.

Eles deveriam morrer, claro, mas pense bem, poderia ser pior: eles poderiam virar os X-Fish. Se em algum episódio futuro eu ver um peixe soltando laser vou me arrepender dessa piada.

No final das contas, dado que estão batalhando contra peixes monstruosos ao invés de pacificamente pescar cardumes normais, ainda bem que elas têm submarinos! Assim estão algo defendidas e com certeza os submarinos vêm com equipamentos de pesca adequados não é?

Não é?

Na verdade não, os submarinos não têm um miserável arpão. Ahab caçava uma cachalote lendária e enorme em barquinhos de madeira ridículos de pequenos e frágeis, mas pelo menos ele tinha arpões. Os submarinos super-tecnológicos de uma civilização capaz de criar tanques de peixes no espaço não têm nem uma arminha de brinquedo.

Ainda bem que eles têm interface para você conectar seu celular! No qual você instala um aplicativo para invocar um deus!

E daí o deus materializa suas armas para seu submarino usar ou ele próprio se materializa e vupt vapt tóim o peixe está morto.

Ufa!

Isso parece um naufrágio, não um anime.

Mas estou sendo só chato. Quero dizer, é só um cenário maluco, não é? O que não falta é histórias com cenários insanos que, de alguma forma, são boas.

 

A espada poderia ser embutida no submarino, mas isso não teria graça, suponho

A espada poderia ser embutida no submarino, mas isso não teria graça, suponho

 

A essa altura ainda não dá para dizer isso de Sora to Umi no Aida. O episódio foi objetivamente fraco, mas pode-se dizer que isso se deve à escolha de apresentar todo o cenário insano de uma vez só, bem como as personagens e uma palhinha dos conflitos.

Mas uma coisa não dá para deixar passar.

Por algum motivo, resolveram socar um conflito sexista em Sora to Umi no Aida. Pescar é uma atividade naturalmente associada a homens e ao masculino, tanto como lazer quanto como profissão, então dá para entender o ponto de partida pelo menos.

O problema é que no anime isso soou tão forçado, tão sem sentido. Quero dizer, claro que homens são melhores! Quando eles são treinados e têm experiência em usar submarinos espaciais e aplicativos divinos para pescar eles serão melhores do que garotas sem experiência ou que sequer sabem de qualquer coisa sobre a pesca espacial em 100% das vezes.

Se gabar em voz alta disso, e ainda acrescentar que elas nunca serão tão boas porque são mulheres, é exagerado acima de qualquer padrão razoável. É uma caricatura de sexismo tão ridícula que a mensagem quase soa ao avesso.

Claro que elas vão treinar, melhorar, se tornar amigas e provar pra esse bando de machões que também podem ser boas pescadoras espaciais e puxa vida isso poderia ser uma história boa mas não estou confiante.

Poderia ser bom sem o componente sexista.

Poderia ser bom com o componente sexista se fosse bem trabalhado. Mas o anime é baseado em um game mobile e a equipe criativa de produção (diretores e roteirista) são todos homens, qual a chance de isso dar certo?

Mas eu gosto de animes trash, então mesmo se der errado vou me divertir bastante até o final.

Vem pescar comigo? 🐟 🎣

 

 

  1. Avatar

    Eu já tinha descrença sobre este anime, mesmo antes dele estrear. A minha descrença provou-se correcta, que anime trash, personagens genéricas, dublagem custosa de suportar, principalmente os gritos da Haru, animação mais ao menos.
    A história, por muito esquisita que me tenha soado quando li a sinopse, achei meio estranho a história do desaparecimento dos peixes no mar da terra e a criação de viveiros no espaço, onde está o sentido nisto e onde o homem foi buscar os ovos das espécies de peixe para fazer criação massiva em viveiros de escala industrial no espaço. Com isto já não posso esperar algo com sentido neste anime.
    A parte mais trash neste primeiro episódio de Sora To Umi no Aida, foi a parte onde a Haru tinha que descarregar para o seu smartphone uma divindade que a auxiliaria na pesca, aqui é que a minha descrença atingiu o seu máximo.
    Não vou abandonar este anime, mas com certeza que não será nenhuma das minhas prioridades nesta temporada.
    Excelente artigo de primeiras impressões de Sora to Umi Aida Fábio.

Comentários