Sabe quando você não espera nada de uma coisa, mas depois que conhece passa a esperar alguma coisa, só que aí vê que ficou uma porcaria? Então, essa é a minha experiência com Arifureta. Escrevi as primeiras impressões da light novel, esse artigo você pode conferir aqui, e apesar de ter diversos defeitos, curti o que eu li.

No final das contas, os pontos positivos ainda se sobressaíam aos pontos negativos e a leitura acabou sendo divertida. Infelizmente, não posso afirmar o mesmo do anime, e por mais incrível que pareça, Arifureta foi ruim do jeito errado! E tem jeito certo para ser ruim? Isso veremos!

O primeiro grande defeito do anime é a sua produção técnica. Animação ruim, CG amador, e eu não poderia esquecer da direção pífia. Praticamente todos os momentos de impacto se perderam, o que foi mantido não funcionou tão mal na cena de luta do protagonista contra seu “algoz”, mas do que é que isso adianta se a animação não ajuda e a ambientação da cena – aliás, do anime todo -, teve um ar de produção trash de baixo orçamento e total desleixo com a produção?

Porque uma coisa é não ter budget e ainda assim se esforçar, outra coisa é ligar o modo automático e apenas adaptar, e adaptar mal ainda por cima, a obra original. Para você ter uma ideia, todos os flashbacks do protagonista são do capítulo 1, enquanto o tempo presente da história adapta o capítulo 2. Okay, o primeiro capítulo se esforça para ser ruim e nisso é excelente, mas não justifica tirar a apresentação prévia necessária.

O episódio começa com Hajime caindo no abismo e indo parar nas profundezas da masmorra. Não há o mínimo trabalho de explicar o motivo para ele estar ali, de contextualizar o que aconteceu e é ainda pior porque tem os flashbacks, mas eles também não explicam o princípio de nada, somente adaptam as partes mais importantes sem uma base construída.

É como se o anime tivesse sido feito só para quem já lê a obra, e isso é muito ridículo, pois tem gente que sequer lê a sinopse e assiste; a pessoa tem que ir observando os detalhes e aí “descobrir” ela mesma a sinopse do anime enquanto assiste. O máximo feito é mostrar uma cena breve, na abertura, da invocação da classe para esse mundo genérico de fantasia com direito a status e motivo clichê para a invocação.

O país dos humanos está em guerra com o país dos demônios, e os colegiais vão salvar o mundo e blábláblá… Okay, não é a melhor das premissas e a roda vira quando o protagonista se ferra, mas depois dá a volta por cima; o problema é que é tão ruim mesmo para ignorar assim?

Não tinha roteirista competente para fazer uma adaptação desse início, tirar o que tinha de ruim e inútil e maximizar o que era aproveitável? É, pelo visto não. E vendo a animação nem estranho. Acho lamentável, porque na novel esse trecho do Hajime na masmorra melhorava bastante a leitura sofrível dos momentos no Reino com os colegas.

Aliás, que encerramento mais ridículo foi aquele? Até o de HenSuki foi alguma coisa – apesar de ruim também. A música da abertura é legal, mas a animação foi escolhida sem qualquer cuidado. Isso que só evidencia ainda mais a mediocridade e falta de interesse da equipe técnica. Sem tal problema o que sobra? Flashbacks com cenas chatas e quando poderia ter algum impacto não é aproveitado.

A novel caracteriza Kaori, a sacerdotisa da party de elite da classe de estudantes, como tendo interesse amoroso no protagonista e dá para sacar isso pelo flashback da conversa deles, mas a reação que ela teve foi de acordo? Não parecia meio indiferente demais, ou se não isso, não parecia muito pouco?

Mas vamos lá, quão conveniente é o protagonista virar o brinquedo do monstro chefe de andar, mas escapar e milagrosamente encontrar uma pedra mágica que solta o elixir que cura tudo? Só não cura roteiro ruim.

E o pior nem é isso, isso dá para descontar, e o que ele faz em si dá até para entender e faz a história andar para frente, o problema mesmo é que a ambientação e a direção sub-aproveitam; isso com certeza seria diferente nas mãos de um estúdio bom, esse trecho fica parecendo só uma vingancinha de um moleque meio revoltado com a vida.

 

Faltou seriedade – além de coerência –, e se o anime todo for assim aí é que não terei o que esperar de bom dele. As cenas mais importantes, e que deveriam ser emocionantes, falharam. Foi como se nem quisessem impressionar o telespectador.

Isso eu acho uma pena, mas fazer o quê, né? Não é como se tivesse todo esse potencial desde o começo, infelizmente.

No próximo episódio a heroína deve aparecer e o protagonista continuará em sua jornada meia-boca, sendo uma mistura de Alucard, Edward e Kaneki bad boy – e um pouquinho de sad boy? –, em um isekai com algumas boas ideias que são praticamente jogadas no lixo porque tem uma péssima direção.

Posso parar de sofrer e me despedir? Enfim, veja Arifureta por sua conta e risco, e depois não diga que eu não avisei viu… Aliás, está bem, quem sabe a Yue não melhore o anime? Acho difícil que melhore até o ponto de torná-lo bom, mas a esperança é a última que morre, não o Hajime.

Até outro artigo!

Posso ser sincero? Só vou ver esse anime por causa da Yue!

  1. Avatar

    “(…) em um isekai com algumas boas ideias que são praticamente jogadas no lixo porque tem uma péssima direção.”
    Não li o material original, podem me dizer quais são as boas ideias?

  2. Kakeru17

    Bem, dá para ver isso no anime, mas é uma pena que a direção não as aproveite tão bem, até pelo rush que foi o episódio. Um protagonista de isekai exposto ao sofrimento e a humilhação que o Hajime passou não é algo tão comum, além de que ele fica mutilado e ao invés de produzir uma arma branca com a sua “alquimia” produz uma arma de fogo. Há alguns outros pontos que são explorados de maneira interessante na light novel, mas visto a estreia temo que isso não ocorrerá.
    Aliás, um adendo, no original contextualizam melhor o tipo de conhecimento que ele usa para sobreviver na masmorra, um dos problemas de terem esfacelado o primeiro capítulo.
    Quanto ao material original, caso se interesse, indico que leia meu artigo para saber um pouco mais. O melhor do primeiro volume realmente é a jornada dele com a heroína loira que apareceu no final, quando aparecem os colegas de classe a qualidade cai drasticamente.

  3. Avatar

    pra mim o anime tem alguns defeitos mas pelo que primeiro episodio mostra devemos esperar um personagem forte em questão de poder e sendo um anti heroi e tendo um harem

Comentários