Ler é importante. Quando se refere a cultura otaku existem dois tipos de mídias que são consumidas por meio da leitura: o mangá e a light novel. O primeiro é quadrinho, o segundo é livro. Ambos são o que os otakus consomem antes, durante ou depois – e várias vezes até sem relação alguma -, do anime.

Todas têm o mesmo propósito, contar histórias, mas um apelo diferente, principalmente em um país como o Brasil – conhecido por ter um baixo número de leitores e uma má distribuição de renda. Com pouco dinheiro, pouco é gasto com o que é considerado lazer, e ler sempre fica em segundo plano em relação a coisas como o cinema ou a TV.

Mas ainda assim há um mercado de mangás no Brasil. Não é tão sólido e grande como eu gostaria, mas é consolidado em comparação ao mercado de light novels, um que teve formação tardia e ainda está dando os primeiros passos rumo a prosperidade.

Com esse artigo pretendo não repetir o chavão do “compre para apoiar, senão o mercado não sobrevive”, mas contextualizar melhor esse pensamento e explicar porque acho que ler, e ler light novels, é essencial!

Antes de mais nada, uma editora é uma empresa, e como toda empresa não vive da caridade de seus clientes, mas de uma troca. Ela oferece algo que o cliente deseja e ele paga com dinheiro. Se ele gostar do que lhe é vendido volta a comprar. Mas há um ponto aí, sua reclamação sobre o produto de uma empresa só fará sentido se você o consome, então é importante comprá-lo e, a partir de então, exigir a qualidade que acha ser a justa em comparação ao preço.

Isso exige bom senso de qualquer consumidor, entendimento de que há vários detalhes que envolvem a publicação de um livro e nem sempre o preço pregado pela editora X pode ser o mesmo da editora Y. É difícil afirmar que é justo pagar menos ou mais e, sendo honesto, sempre depende demais do gosto pessoal do consumidor.

Por exemplo, eu pagaria por “Log Horizon” o mesmo que por “Overlord”, mas não faria o mesmo por “Fate Zero” ou “K”. Aliás, até o presente momento ainda não comprei essas duas últimas light novels citadas por isso, em compensação coleciono todas as que atualmente estão sendo lançadas no país – inclusive as paradas ou de lançamento esporádico.

Não force seu gosto pessoal para apoiar um mercado, pense nisso: saia da sua zona de conforto. Sei que é difícil fazer isso, mas, por incrível que pareça, o mercado dá abertura a isso! É só observarmos o que sai de light novel por aqui.

Obras com animes de sucesso, principalmente isekais, podem ser o grande vilão, mas isso não é um problema. Problema haveria se ficasse só nisso, mas não fica, e devo citar dois lançamentos daquela que é a editora carro-chefe no assunto light novel aqui no Brasil – o que é um perigo, pois no cenário atual se a New Pop falisse o “mercado” não existiria mais –, “Shakugan no Shana” e “Morte”.

Uma é uma série antiga que teve anime de sucesso anos antes de sair aqui, e a outra um título praticamente desconhecido quando saiu por aqui, e demorou a ser lançada, mas a sinopse instigante e suas belas ilustrações com certeza atiçaram o interesse de muita gente. Shana não é tão incomum, mas é uma série longa e apesar de não estar em evidência com um anime em exibição, se vale por já ser conhecida do público geral. “Morte” foi um tiro no escuro, mas assumindo o mínimo de risco, pois tem apenas três volumes.

Foi uma forma inteligente de ver se há mercado para um tipo de novel que não se vende praticamente sozinha, e isso após o lançamento de “Toradora!“– um romance, quebrando os lançamentos consecutivos de séries do gênero ação –, e o anúncio de “Zero no Tsukaima” – que até o presente momento ainda não saiu.

Outros gêneros ainda faltam ser contemplados, como a comédia – “Konosuba” tem anime dublado na plataforma do Crunchyroll e seria a escolha mais óbvia –, e a ficção científica – “Toaru Majutsu no Index” faz um misto entre sci-fi e fantasia e tem seus animes em exibição constante, além de uma base de fãs no país –, mas acho que é só uma questão de tempo e logo as obras que citei, ou outras similares, terão sua vez por aqui.

Depende do sucesso de “Morte” e do sucesso de séries mais longas como “Shana” ou “Tsukaima” também, mas depende principalmente da expansão dos horizontes, dos interesses, do público leitor. Um público que já é leitor ou que quer ser leitor de light novels.

Para se ter uma ideia, atualmente existem apenas 9 light novels sendo lançadas no país, sete da editora New Pop, uma da editora Panini, uma da editora JBC. Dessas, só 5 têm um lançamento regular, ou próximo ao japonês, uma está parada, uma sai irregularmente, uma ainda é uma incógnita e a outra tende a ser lançada por arcos.

Enfim, será que ao menos um desses títulos não aguça sua curiosidade? Será que não há pelo menos mais um que também merece uma chance? Sei que não tem variedade, principalmente quando mais da metade pertence ao gênero isekai, ou há muito pouco, mas por que não bater de frente com essa realidade?

Torcer o nariz porque a maioria dessas séries está na moda não “ajuda” o mercado, mas, na verdade, não ajuda a você, como leitor, a se dar uma chance de ler algo que pode lhe agradar. Aliás, os animes dessas obras você pode assistir em serviços de streaming como Crunchyroll e/ou Netflix. Das outras que não são isekais só “Toradora!” se encontra no Crunchyroll.

Indico que dê uma olhada nesses animes e se curtir algum dê uma chance ao original, se ainda não conhecer essas obras. Mas, mais importante que isso, indico que se permita tentar criar um hábito de leitura caso ainda não o possua. Isso não vale apenas para light novels não, mas como no blog o assunto é animes e afins, por que não começar por aí?

Mesmo que possuam ilustrações – e tenham uma linguagem mais simples, mais acessível -, isso não desqualifica uma light novel como livro, nem o contrário, afinal, as ilustrações podem guiar a imaginação do leitor, mas a maior parte do serviço ainda é, e sempre será, feita por ele.

Em nada uma light novel perde para um “livro comum” quanto se trata da capacidade de agregar conhecimento e, é claro, divertir. Afirmo isso por experiência própria, pois escrever para a coluna me levou a ler uma maior variedade de títulos com uma maior constância.

É importante ler light novels não para ajudar um mercado em ascensão, mas para aproveitar o que de bom esse tipo específico de entretenimento tem a oferecer. Seja do ponto de vista intelectual, seja do ponto de vista do puro e simples entretenimento.

E acrescento mais, algumas das light novels sobre as quais eu escrevo no blog não têm lançamento no país –  na verdade, várias delas -, então o que eu faço? Leio a versão em inglês. Aliás, nesse link você pode conferir o número de lançamentos de light novels nos EUA só no mês de Julho de 2019. Sim, lá há mercado tanto para o lançamento de volumes físicos, quanto para o lançamento de volumes digitais.

O Brasil ainda está bem longe dessa realidade, mas o lançamento digital de Overlord abre caminho para esse mercado ainda mais específico e pode gerar uma certa competitividade entre editoras, o que é saudável para o mercado e pode elevar o nível do trabalho delas.

Sim, ler light novels – algumas realmente têm uma linguagem bem simples -, pode ser uma boa forma de treinar sua compreensão de inglês, e consumir de outro mercado não é algo necessariamente ruim, ao menos não se você olhar antes para o mercado interno e só a partir daí ir atrás de outras coisas. Mas sempre tendo a consciência de que o mais importante é criar um hábito de leitura, e consequentemente de consumo, e só a partir daí encaixar o que cabe no seu orçamento sem se forçar a comprar algo que não gosta, mas em primeiro lugar se dando a chance de conhecer.

A leitura se trata justamente disso, de se permitir, de se descobrir sentindo prazer em usufruir do que de melhor uma história tem a oferecer, levando em consideração o conhecimento que pode ser agregado com a leitura e, claro, o divertimento.

Encontrar o equilíbrio entre ambos é essencial para que ler se torne importante na sua vida e se você já gosta de animes e mangás, por que não gostar de light novels também? É um caminho natural e, vai por mim, muito prazeroso!

Espero que tenha me feito entender neste humilde artigo e que você compartilhe da ideia de que ler é importante, e por que não ler light novels? Falando nisso, você pode conferir aqui a minha lista de 10 light novels para iniciantes. Tenho certeza de que pelo menos um desses títulos deve agradar você.

Até mais!

Comentários