Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Se semana passada a intenção era nos deixar desesperados com o frenético ritmo dos acontecimentos, dessa vez o episódio apostou em uma abordagem menos acelerada e mais emotiva. A cinematografia foi impecável e conseguiu transmitir sentimentos de uma forma que eu nem imaginava que fosse possível! Estamos acostumados a ver as salas destruídas e ensanguentadas, mas o trabalho de câmera nos fez enxergar essas mesmas cenas através dos olhos da Yuki e… olha… não tenho palavras que possam fazer jus ao quanto isso foi sensacional! Aliás, todas as questões que envolvem a Yuki sempre foram trabalhadas com um certo cuidado e isso nos passava a mensagem de que ela é muito frágil e que poderia ficar emocionalmente destruída, de forma irreversível, a qualquer momento. Então foi, no mínimo, surpreendente acompanhar essa incrível mudança de postura dela. E esse fator já contribuiu para despertar um sentimento de perseverança na Miki e, em nós, esperanças de que ainda há sim possibilidades de um belo final feliz!

Curta o anime21 no facebook:

Se você acompanha esses artigos semanalmente (ei, obrigada!), deve estar achando esse discurso meio bipolar. Sei que semana passada eu disse que havia acabado a esperança, e agora estou aqui falando de “final feliz”. Eu também havia dito que o modo como a Yuki reagisse à essa situação poderia levar à salvação ou condenação imediata de todas, e agora estou falando que a reação da Yuki me surpreendeu. Bom, não há melhor maneira de se defender do que jogar a culpa em outra pessoa, certo? Nesse caso, jogarei a culpa nesse episódio. Ele foi o responsável por desconstruir boa parte das preocupações que o anterior havia criado. A começar pela situação mental de todas as sobreviventes: Yuuri estava completamente descontrolada; Miki, que tomou a atitude de querer tentar ir buscar os remédios para salvar Kurumi, sucumbiu em lágrimas e desespero poucos instantes depois; Yuki “acordou” para a realidade do apocalipse zumbi no último momento do episódio e isso nos deixou com aquele nó na garganta, porque sabemos que as reações dela são sempre imprevisíveis. Elas nunca estiveram tão mal! E aquela imensa horda de zumbis invadindo todos os cantos da escola, em um momento tão crítico como esse, não poderia deixar outra impressão senão a de que estava tudo acabado. Eu jamais poderia imaginar que a Yuki conseguiria, em tão pouco tempo, convencer a si mesma de enfrentar a realidade com tamanha coragem e ainda motivar a Miki a querer arriscar tudo em nome da sobrevivência do grupo! Só esses fatores já mudaram completamente o modo como estávamos enxergando as personagens. Se antes elas eram totalmente reféns da situação, agora havia uma chance de resistência! A motivação foi reestabelecida a tempo de pensar em estratégias e colocá-las em prática. É claro que o caos dentro da escola ainda está fora de controle e tudo indica que a única forma de sobreviver é fugir dali o mais rápido possível, mas, em comparação com o episódio da semana passada, isso não parece mais tão impossível assim.

Temos uma nova "Badass" no grupo?

Temos uma nova “badass” no grupo?

Graças à Yuki, que de uma maneira ou de outra sempre sabe como motivar suas amigas, Miki chamou para si a “responsabilidade” que antes pertencia à Kurumi. E foi maravilhoso ver o seu progresso nessa difícil missão de ir buscar os remédios no porão. Diferente de boa parte das histórias de zumbis que conhecemos, não foi tão fácil se adaptar à luta contra os zumbis ou conseguir escapar deles. A “facilidade” com que Kurumi conseguia lidar com eles, se justifica por seu esforço em treinar para isso todos os dias. Essas pitadas de realismo que Gakkou Gurashi sempre tenta incluir na história, são certamente mais um dos tantos pontos positivos que esse anime possui.

No percurso que Miki fez, dois momentos merecem destaque (e por motivos opostos). O primeiro foi o monólogo que ela fez para a Megu-zumbi (que aflição me deu vê-la conversando com os olhos fechados!). Quando Megu-zumbi agarrou a sua perna, eu já havia me despedido mentalmente da Miki. Achei que seu momento de coragem acabaria ali, mas não foi isso que aconteceu. Através de suas palavras doces, ela conseguiu dar à Megumi uma morte honrada e extremamente tocante. Era necessário colocar um fim nessa agonia de ter uma Megu-zumbi vagando pela escola, mas eu achava muito difícil alguma das garotas conseguir fazer isso. Porém, Miki conseguiu! E isso demonstra que sua evolução como personagem não é algo temporário. Já estava mesmo passando da hora desse grupo ter mais alguém, além da Kurumi, para tomar a frente nos momentos críticos! Eu realmente espero poder ver Miki e Kurumi matando zumbis juntas no futuro (em uma segunda temporada, talvez?). O segundo momento que merece destaque foi o “encontro” de Miki e Taroumaru. Tudo bem que aquilo foi tão rápido que ela nem teve tempo de pensar sobre ele, apenas questionou se realmente era o Taroumaru ou não. Eu esperava que fossem utilizar esse possível encontro de uma forma mais dramática, mas ele simplesmente a ignorou e saiu correndo na velocidade da luz. Foi frustrante? Não vou negar: foi bastante! Porém, sabemos que nada, absolutamente nada, nesse anime acontece por acaso. Eu posso estar errada, mas creio que há um motivo bem “relevante” para o Taroumaru ter agido daquela forma. Se fosse apenas por não haver mais tempo para desenvolver o drama pelo cachorro ter sido infectado, poderiam simplesmente não tê-lo colocado em cena. A Miki poderia ter sido cercada por zumbis em frente a qualquer outra sala. Ninguém reclamaria do fato dela não ter visto nada relacionado ao Taroumaru durante o percurso caótico que fez (ou reclamaria?). Sabemos que Taroumaru sempre teve um ótimo faro, pois no decorrer do anime foram mostradas algumas situações onde ele conseguiu localizar a Miki, a Kei ou zumbis, apenas através disso. E se ele não tiver perdido essa habilidade após ter sido infectado? E se o motivo pelo qual Taroumaru saiu em disparada pela porta, ignorando completamente a Miki (que deveria ser sua prioridade naquele momento, por causa de seus novos instintos de zumbi), for por ter farejado algo familiar que considere mais importante do que a Miki? Sim, eu acredito exatamente nisso que você está pensando agora! Acredito que, se a Kei realmente se transformou em zumbi após se separar da Miki, inconscientemente suas memórias do passado podem tê-la levado a voltar para a escola assim como todos aqueles alunos-zumbis. O único motivo lógico que vejo para o Taroumaru-zumbi ignorar a Miki, é ter ido se encontrar com a Kei-zumbi que deve estar por perto também! Seria incrível (trágico, mas ainda assim incrível) se os dois aparecessem juntos em alguma cena do episódio final, mesmo se fosse em segundo plano, tipo um easter egg.

Para onde você está indo com toda essa empolgação, Taroumaru?

Para onde você está indo com toda essa empolgação, Taroumaru?

As frases que Miki disse para Megu-zumbi antes de matá-la, também serviram para não deixar dúvidas de que a professora sabia sim sobre o manual de emergência! Estou muito decepcionada com isso porque, embora os motivos dela tenham sido justificados por sua grande vontade de proteger as garotas, Megu-nee errou feio quando decidiu esconder delas a existência desse manual. Se elas tivessem conhecimento prévio das informações contidas nele, poderiam ter planejado alguma estratégia para tentar aumentar a área protegida pelas barricadas, de uma forma que também incluísse um acesso rápido ao porão secreto. Ou, pelo menos, poderiam ter tentado explorar essa área antes. Dessa forma, elas já teriam em mãos os tão importantes remédios que estavam lá! Graças a essa escolha errada, agora a minha adorada Kurumi está correndo o risco de ter o mesmo destino terrível que Megu-nee teve! Foi um grande alívio ver que a Yuuri é incapaz de cumprir a promessa de matar Kurumi, mas não consigo parar de pensar que a professora poderia tê-las livrado de passar por toda essa agonia, e não o fez!

Não me interpretem mal, eu amo a Megu-nee e a considero um dos personagens mais adoráveis de todos os tempos. Porém, analisando por esse ângulo, percebemos que a professora falhou em tudo: falhou em tentar não machucar as suas amadas alunas indo se isolar em um porão onde pensava que elas jamais a encontrariam (porque não sabiam que existia); falhou em tentar usar os remédios contra o vírus antes de se transformar totalmente em zumbi; e falhou ao incentivar suas alunas a mascarar totalmente a realidade do apocalipse, pois quando a situação sai do controle, elas não têm nenhum plano B porque simplesmente não se prepararam para a possibilidade de ter que abandonar a escola em nome da própria sobrevivência. Reconheço que Megu-nee foi muito importante na vida delas e que foi por causa dela que a Yuki conseguiu se tornar essa pessoa que mantém viva a esperança de todos no grupo, mas a sua ingenuidade não permitiu que ela preparasse melhor as suas alunas para que conseguissem fazer o que fosse preciso para sobreviver por muito tempo nessa nova realidade. No fim das contas, o manual não poderia estar mais correto: “Um coração gentil e simpático não é mais uma virtude.”

Dessa vez o “adeus” é definitivo.

Dessa vez o “adeus” é definitivo.

A grande invasão dos zumbis causou muitos danos à escola. A principal fonte de energia foi cortada, o terraço está em chamas (se não fosse a chuva, a escola toda poderia já estar pegando fogo), as barricadas não conseguem mais conter os zumbis… Enfim, a escola não é mais um lugar habitável! Não faço ideia do que a Yuki pretende fazer na sala de comunicação para salvar as garotas, mas realmente espero que funcione! A Miki precisa correr contra o tempo para tentar curar a Kurumi e arranjarem um jeito de todas saírem vivas de lá. A nova postura com que Miki e Yuki decidiram enfrentar a situação, trouxe de volta todas as esperanças que havíamos perdido. Pode ser que tudo desande de vez e a gente sofra ainda mais por ter acreditado que o final não seria trágico? Pode sim. Porém, se tanto o anime quanto o mangá (que continua em lançamento…) estão fazendo tanto sucesso no Japão, por que não acreditar que investirão em um final que deixará em aberto a opção de produzir uma segunda temporada? Por que não acreditar que tudo acabará bem? Eu já decidi que serei otimista até o fim, pois experimentei a descrença no episódio da semana passada e o sabor foi insuportavelmente amargo.

  1. Bom eu fiquei sem folego! Eles estão fazendo uma boa adaptação do manga,apesar de pular coisas e os episódios serem sempre metade filler. Nesse episodio cortou muita coisa importante,mas conseguiram dar a mesma carga dramática do que aconteceu no manga,e nem posso falar mais porque seria um spoiler. O manga tem material para uma 2 temporada,eles poderiam fazer e bem,tentar não fazer uma 2 temporada tão acelerada e misturando um monte de coisa.

    Ps:No japão uma empresa de enlatados,estampou as personagens do anime. O que elas comem,é de uma empresa real (não tenho certeza,eu vi as imagens dos enlatados,eles realmente existem,quase uma propaganda subliminar estilo jequiti kkkkkkkkk) Não sei se isso afeta alguma coisa,mas parece como se fosse patrocínio.Então,tipo manga tá vendendo bem,empresas tão usando as personagens em produtos,acho que deve ta tudo certo pra mais temporadas.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      “Acelerado” e “misturando” me parece problema só para quem lê o mangá. Eu que estou assistindo o anime não consigo dizer quase defeito nenhum dele. Foi tudo orquestrado com maestria. Eu só teria baixado um pouco o tom nas dicas sobre o que aconteceria no episódio anterior, como o anime já tinha revelado (na história, abertura e encerramento) o que provavelmente iria acontecer, eu assisti ele armado e o episódio não me chocou tanto quanto deveria (quem assistiu mais casualmente e sem ler os artigos da Josi deve ter se chocado um bocado, hehe). Mas o enredo está fantástico. O mangá talvez tenha um estilo narrativo diferente, que talvez seja bom e funcione muito bem nele, mas mesmo sendo esse o caso a única coisa que posso dizer é que não o quero no anime.

    • Eu não li o mangá, mas é bom saber que lá deixaram mais explícita essa decisão e suas consequências porque o anime, até o presente momento, deixou tudo isso bem vago.

      • Fábio
        Fábio "Mexicano" Godoy

        Eu acho bom que o anime não tenha enveredado pelo caminho de discutir a decisão da professora. Apenas pontuou que provavelmente ela sabia e isso foi um erro. Não haveria tempo de desenvolver mais do que isso e seria tratar o espectador como idiota – nós já entendemos isso sem precisar de grandes explicações e tratados, afinal. No mangá, com mais tempo e com outro ritmo, é natural que seja diferente.

      • Às vezes tenho a impressão que ficaram com medo de manchar a imagem “santificada” que construíram dela no decorrer do anime. Eu não acho que expor esse erro de maneira mais clara afetaria a carga emocional que a morte dela teve, nem subestimaria o espectador. Apenas retrataria a inevitável indignação das garotas ao tomar conhecimento sobre sua decisão. A única que questionou isso foi a Kurumi e por um momento incrivelmente breve. De qualquer forma, agora o anime realmente não tem mais como voltar atrás nisso.

Comentários