Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Olá Leitores! Primeiramente, eu queria dizer que este artigo é especial para mim pois é o meu centésimo publicado neste blog. Enfim, a cena que eu escolhi para comentar é de um episódio do anime Re:Creators, que foi exibido há algumas semanas. Eu queria ter escrito esse artigo antes, mas a falta de tempo não deixou.

A cena em questão é quando a simpática e fofa Mamika (menina mágica) tem um grande choque de realidade ao perceber que a sua luta contra a Selesia estava causando grandes estragos no “mundo real”.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Mahou Shoujos normalmente são voltados para o público infantil, ou seja, a violência é reduzida ao máximo para não chocar o seu público alvo. Portanto, não há sangue no mundo de onde a Mamika veio. A realidade em que ela está agora é muito diferente do seu lugar de origem. O “mundo real” é cheio de dor, sofrimento e injustiça, mas apesar de tudo isso, também existe amor e esperança. O mundo de onde veio a Mamika, também existe dor, sofrimento e injustiça, entretanto, há meninas que são escolhidas para serem defensoras da paz e da justiça, cuja a missão é levar sorrisos para as pessoas e garantir a proteção de todos.

Nesse episódio vimos que ela era adorada pelas crianças, mas as consequências causadas pela batalha entre ela e Selesia, não foi algo digno de uma heroína ideal, cuja missão é apenas combater o mal, somente o mal, não causando danos para a população. Como protagonista de um anime infantil, ela foi criada para seguir certos padrões de comportamentos como ser fofa e ingênua. Foi justamente sua ingenuidade que a fez acreditar rapidamente no que a Princesa do uniforme militar falou.

Foi interessante ver a quebra dos esteriótipos do gênero Mahou Shoujo quando ela repara nas consequências da luta. Animes como Madoka Mágica, dentre outros, já exploraram o fato de que pode existir um lado complexo e até sombrio nesse tipo de obra. Normalmente existe maniqueísmo nesse gênero onde temos o bem representado pelas garotas mágicas, e o mal, comumente representado por monstros que personificam a maldade.

Quem diria que um poder em forma de coração causaria tanto estrago

A Mamika podia até ter um motivo nobre para lutar com a Selesia, afinal o criador dela criou um mundo onde existe dor e sofrimento no qual ela é forçada a lutar. Todavia, aquela luta era totalmente diferente da que ela costuma ter no seu anime de origem. A Mamika não estava enfrentando um monstro, e sim uma pessoa de carne e osso que pensa e tem seus próprios ideias. Tal batalha não era  o bem vs o mal, mas um conflito de ideais, que é algo que não faz parte do universo da menina mágica.

Ao reparar no estrago que fez e no fato de ter machucado alguém, a menina mágica se arrepende, mas naquela altura do embate já era tarde para voltar atrás. Portanto, ela tinha que lidar com as consequências de suas ações. Diante dessa situação inesperada e diferente, que não fazia parte do roteiro de sua história, Mamika ainda levou um corte de espada. Tal espanto aconteceu pois, tradicionalmente, em animes desse tipo, as meninas mágicas geralmente não correm sérios riscos que podem levá-las a óbito.

Quero agradecer aos leitores, pois sem eles eu não teria conseguido atingir tal marca. Comecei a escrever ano passado, e sei que ainda tenho muito a melhorar como redator. E que venham os 200, 300, 400…. artigos.

  1. Antes de começar o meu comentário, meus parabéns atrasados pelo teu centésimo artigo neste blogue. Eu já o tinha lido uma vez quando ele saiu, li uma segunda vez um tempo depois, mas nunca o comentei por falta de tempo e alguns problemas pessoais. Mas como à terceira vez é de vez, como se diz na gíria popular, por isso aqui vai. Achei interessante, teres escolhido essa cena da Mamika para fazer um artigo. Como tu bem referiste no artigo a Mamika é uma Mahou Shoujo, no mundo dela a violência é quase inexistente, não à sangue e os ataques dela, fazem um espectáculo de cores e corações a voar, mas não magoa ninguém nem destrói nada. Coisa típica de um género, voltado para as crianças e por ser assim, que a Mamika entrou em choque quando viu a destruição que os seus poderes provocaram naquela cidade, enquanto lutava contra a Selesia. A Mamika, nunca esperou que os seus poderes de Mahou Shoujo fossem tão destruidores, ela quando se decidiu em combater a Selesia nunca esperou que os seus poderes pudessem ter ser tão nefastos. Ela de certa forma, assimilou que os seus poderes fariam a mesma coisa, como na sua história e série anime, mas não foi isso que a Mamika constatou na fase final da sua batalha contra a Selesia. A destruição foi imensa, a maioria dela provocada pelos ataques supostamente inofensivos e fofos da Mamika, não que eu a esteja a julgar, mas ela nessa fase do anime já devia ter a mínima ideia, que aquele lugar não era o mundo dela e sim o mundo dos deuses (ou criadores) e que os actos dela poderiam acarretar muitos problemas. A parte em que ela percebe que agiu mal, mesmo tendo motivos nobres para lutar contra a Selesia, notou que a pessoa com quem lutou era de carne e osso, tinha as suas motivações e razões para lutar como tu bem referiste, não era nenhum monstro como na história dela. Ao contrário da Mamika, a Selesia vivia numa história cheia de violência, onde o sofrimento era constante e a felicidade e alegria eram quase nulas. Dai essa cena ter sido tão interessante, ver dois pólos opostos a entrarem em colisão um com o outro, e ambas as partes a discutirem as suas razões de lutar.
    Agora um momento nostalgia, quando tu entraste à um ano atrás, eu já comentava aqui no blogue à alguns meses. A maioria dos artigos que eu tinha lido, antes da tua entrada, tinha sido todos do mestre Fábio e alguns outros de antigos redactores do blogue. Até que na temporada de Verão de 2016, entraste na equipa do Anime21 e salvo erro, o teu primeiro anime a ser comentado foi a primeira temporada de Love Live Sunshine e mais outro que não me lembra o nome. Eu como não sou fã desse género de anime, passei ao lado os teus primeiros artigos, bem ao lado não foi, que eu cheguei a ler alguns dos teus artigos de Love Live, para conhecer um pouco do teu estilo de escrita. Passada a temporada de Verão de 2016, foi na temporada de Outono de 2016, que comentei semanalmente os teus artigos de Mahou Shoujo Ikusei Keikaku e comecei a ficar fã do teu estilo de escrita e organização dos artigos. E depois disso até agora, pelo menos um artigo de anime que fazes durante a temporada, eu comento. Não posso comentar logo no momento em que sai, mas comento sempre que possível. Isto para disser, que venham mais duzentos, ou até mesmo mais quatrocentos artigos teus.
    Antes de terminar, vou disser mais uma vez, este artigo de Re:Creators está muito bom Flávio.

Comentários