Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Para que Zero pudesse recuperar o seu grimório, ela precisaria da ajuda de alguém. Então ela consegue ajuda do Mercenário, mas ele como bestial e ela como bruxa são incompatíveis, ou seja, para eles formarem um acordo, ela tinha que oferecer algo muito vantajoso para ele, enquanto o Mercenário tinha que ser obrigado a confiar nela para ter seu desejo realizado. Com essa breve recapitulação sobre o começo desse anime, eu quis mostrar que sem a confiança seria impossível os personagens iniciarem a jornada em busca do Grimório de Zero.

Ler o artigo →

 

Ou Re:Creators #6 – A personagem “vilã” (e como amo antagonistas!)

Finalmente! Finalmente uma antagonista digna pra causar. Olha, vou ser sincera, não estava esperando muito dessa última personagem que apareceu, maas, adorei. Desde a personalidade deturpada até o jeito (e ainda acho que ela parece filha do Mustang com a menina psicótica do Danganronpa). O poder dela também é deveras interessante, não? (E a personalidade dela tem um quê de Izaya. Tipo, bota lenha na fogueira e fica vendo o circo pegar fogo).

Ler o artigo →

Olá, pessoal! Aqui estou eu mais uma vez, Tamao-chan, trazendo outro artigo de Fukumenkei Noise!

Este foi o melhor episódio até agora. Demorou um pouco até eu achar algo que não possa ser zoado ao menos uma vez, exceto a Nino falando “Guitarra!” várias vezes (mas eu não a culpo, já que ela recebeu da pessoa que mais queria alcançar neste mundo, então entendo muito bem). Tirando isso, acho que a carga dramática de todo o episódio fluiu melhor que no segundo, e que também podemos ver que Nino está pouco a pouco tomando conta de seus sentimentos (embora ainda precise de pistas para tal).

Ler o artigo →

Um episódio pedante de tão expositivo, mas para uma série curta e com tanta informação é um pouco difícil de evitar. A animação desde o primeiro episódio (na verdade desde o trailer) já dá a entender que é um anime de baixo orçamento, então é o caso de não ter grandes expectativas com nada, nem mesmo com o roteiro. A ideia com certeza é muito boa e eu estou gostando bastante, os personagens são cativantes, o cenário é criativo, mas nada disso impede que SukaSuka tenha uma narrativa fraca. E com efeito, é o que estou assistindo. Pelo menos as informações novas desse episódio não foram quase inúteis, como aquelas dos dois episódios anteriores, e a cena final foi emocionante. E SukaSuka começa a me lembrar Madoka Magica.

Ler o artigo →