Fala galeraaaaaa! Como vocês estão? Mais uma semana de Fate/Apocrypha! Bem, o título do artigo de hoje, vocês irão entender no fim dos comentários sobre o anime. Foi a parte mais hilária de todo esse episódio, embora não tenha sido a mais importante.

Hoje nós tivemos a apresentação oficial de mais um servo, do lado Carmesim.

Vamos conferir então quem é esse servo, sua história, e também tudo de bom que aconteceu nesse maravilhoso episódio??

É rapaz, o episódio começou quente, porém não foi quente de batalhas e sim de cenas bem, digamos… polêmicas. Mas calma, teve luta sim nesse episódio e das boas. Bem, parece que Astolfo é escravo sexual de sua mestra, acho que ninguém ligaria de ser esse tipo de escravo, ainda mais para uma mestra dessas. Mas a Rider Black parece não curtir muito isso.

Um dos homúnculos consegue fugir da área em que são armazenados e consequentemente despejados, caso não sirvam para nada. Astolfo encontra esse homúnculo jogado no chão pedindo por ajuda. Um  paladino não nega ajuda à alguém necessitado. Alguns peões de Yggdmillenia estão a procura do homúnculo fugitivo, e perguntam para a Rider Black se ela viu algo suspeito. Foi uma cena engraçada, pois ela estava carregando um corpo (o homúnculo), mas parece que os peões são burros e não sabem reparar os mínimos detalhes, que de mínimo ali não tinha nada.

Eu acho que esse garotinho da foto, deve acontecer algo com ele

Pelo visto, Avicebron preza pelo homúnculo fugitivo, pois o mesmo pode ser a fonte de poder para seu Fantasma Nobre.

Astolfo leva o homúnculo para o quarto do Archer Black. Quíron como bom observador e sábio, vê que o homúnculo foi criado há pouco tempo e não consegue andar por conta disso. Ele ainda pergunta por que a Rider o ajudou e alerta que o Caster Black está atrás dele. Astolfo disse que irá ajudar enquanto achar necessário e não liga para a procura do Caster Black. Será que teremos um conflito interno na facção Black, entre Rider x Caster? Algo bastante interessante, não concordam? Aliás, estou começando a gostar da Astolfo, embora não seja um herói com uma história grande e tal.

Shirou e os outros mestres da facção Carmesim

Parece que Shirou convocou uma reunião com os membros da facção Carmesim e nessa reunião, estava comentando que a Ruler estava a caminho e que mandou o Lancer tomar conta dela. Para falar a verdade, eu não vou com a cara dele. Esse jeito calado e que parece bom moço, tem algo errado ali. Posso estar enganado, mas minhas suspeitas vão continuar até o fim.

Eis que no meio da estrada, Joana D’arc sente algo estranho na estrada e pede para o senhor que está dirigindo a deixar no meio do caminho e voltar. Nossa querida Ruler não estava enganada. Após saltar da caçamba do carro, o Lancer Carmesim estava lá preparado e sem formalidades nenhuma, ataca Joana. Do meio do nevoeiro, gerado pelo ataque, Joana D’arc aparece envolta de sua armadura. Como Ruler, ela conhece os heróis; Joana nos conta quem é o tal Lancer Carmesim. E hoje iremos ter o momento história dele, Karna, o Filho do Deus do Sol Surya.

Gordes comanda Siegfried atacar Karna

Eu pensei que ia rolar uma treta fervorosa entre a Ruler e o Lancer, mas o mestre do Saber Black e seu servo apareceram para interferir e acabar com essa treta, ou começar uma nova. Gordes se apresentou para Joana e estava todo feliz achando que seria 2×1. Errado! Joana é só a supervisora da guerra, ela não está de lado nenhum, uma zona neutra. Porém, se alguém tentar algo contra ela, ela irá agir. E Karna se mostrou super forte, ainda mais quando ele diz que não ligaria de um 2×1. Com o comando de Gordes se inicia a luta entre Karna x Siegfried.

Antes da luta começar, tivemos um pouco da história de Siegfried; como eu já contei para vocês nos artigos anteriores, não deve ter sido muita surpresa para vocês :p. Karna parece ser bem mais forte do que Siegfried. Gordes fica pedindo pela ajuda de Joana na luta, mas parece que ele não entendeu que ela não irá interferir. Tem como alguém desenhar isso pra ele?

Ahhhh, tava tão boa a luta : (

O mestre do Saber Negro enlouquece e começa a gritar para que o mestre do Lancer Carmesim apareça, porém nada aconteceu. Infelizmente a luta foi parada por um culpado: o nascer do sol.

Não basta ter que supervisionar uma guerra e ainda tem que dar conta das roupas na mala, complicada essa vida

Joana fica eufórica e diz que a luta do Saber e do Lancer foi ótima, enquanto isso, Gordes continua tentando persuadir nossa querida, mas ela já disse que irá permanecer neutra e continuará a supervisionar toda a área. Ele se irrita e vai embora junto do Saber. Agora nossa querida Ruler tem outro problema: arrumar sua mala e suas roupas que foram destroçadas hahaha.

Parece que o homúnculo estava tendo pesadelos. Ao acordar, vê a Rider Black sentada de frente a ele dormindo. Quíron surge do nada e Astolfo faz questão de apresentá-los para o homúnculo; cruel o que Quíron disse para o homúnculo, mas é verdade. Ele diz que o homúnculo tem só mais 3 anos de vida, embora o mesmo já soubesse e diz para o homúnculo aproveitar sua vida, já que é tão curta. Se for indiferente para ele viver esses três anos, então o homúnculo deveria aceitar sua morte, cedo ou tarde isso aconteceria mesmo. Ele se retira do quarto e fala para a Rider fazer o mesmo e deixar que o homúnculo decida o que fazer da sua vida.

Depois nós tivemos uma parte bem fofa. Contou um pouco da história da Frankstein, que eu também já trouxe aqui para vocês, e o mestre dela tentou se aproximar um pouco mais. Ele descobriu a perguntando qual era seu desejo, e segundo o balançar de sua cabeça, concordando ou discordando das perguntas, ela deseja alguém parecido com ela, porém não um homúnculo, como perguntado por ele. Ela também quer saber seu desejo, e ele diz que como é um mago, quer alcançar o Akashic Records (coincidência com o anime da temporada anterior, né? O que será que é esse tão desejado registro?), mas também revela que caso sua irmã morra na guerra, ele quer revivê-la, mostrando que se preocupa com ela. Eu não sei se haverá romance nesse Fate, mas me parece que essa dupla do Berserker Black vai ter algo além de só luta, assim espero, pois achei interessante essa interação que eles tiveram nesse episódio, embora tivesse sido bem pouca.

Hora do cházinho

Em seguida tivemos Quíron contando a sua mestra sobre seu desejo. Nada que tenha sido surpresa para vocês, afinal aquilo já foi contado, né? E não é que o pedido de ambos, mestre e servo, são egoístas? Assim como Quíron quer sua imortalidade de volta, Fiore quer curar suas pernas. Mas curar suas pernas, significa perder seus poderes mágicos. Essa dupla é muito calma, não me parece ser muito poderosa, mas podemos nos surpreender, talvez.

O homúnculo apareceu levantando da cama e com dúvidas com relação ao que fazer.

Agora para quem estava com saudades de Mordred, ela aparece reclamando com Sisigo que não está satisfeito de estar em um cemitério, mesmo que esse local seja o melhor para ela recuperar energia. Ele fala para ela ir sair e passear, mas ela não quer ir sozinha; está preocupada caso a equipe inimiga a ataque e ela não poder utilizar de seu Fantasma Nobre em uma área pequena, visto que sua área de efeito é grande e pode acabar matando seus “súditos” se eles estiverem próximos. Sisigo reparou no que Mordred disse, e falou que teria cuidado com os civis, finalizando a frase a chamando de “Meu Rei”. Mordred ficou corada e aceitou o que Sisigo disse, além disso, acrescentou que ela não quer atacar civis para recuperar sua energia, Sisigo concordou. Do nada, Zezinho (nome que eu dei para o esqueletinho que começou a escrever do nada hahahaha) escreveu uma carta, e essa era uma carta do padre Shirou, avisando que o Berserker Carmesim, Spartacus, enlouqueceu e está indo para o castelo da facção negra.

Spartacus correndo em direção à batalha.

Agora vem a parte mais irada e engraçada desse episódio. Foi daí que surgiu o título desse artigo e eu não aguentei a cena, ri muito hahahaha. Em seu ato de loucura, o Berserker Carmesim vai todo sorridente em direção ao castelo inimigo. No meio do caminho, ele pisa em uma armadilha mágica que aciona várias outras que explodem instantaneamente. E essa parte, reparem bem, eu ri muito. O gritinho dele, quando a armadilha explode, “Wuuuuuulll”, foi hilário! E pelo visto, essa armadilha foi nada mais do que cócegas para o Berserker Carmesim, que continua correndo, feliz e sorridente na floresta.

E nós terminamos esse episódio com Darnic tendo uma ideia para derrotar o Berserker Carmesim, mas que não foi divulgada. Ficará com aquele gostinho para a próxima semana!

Agora irei comentar sobre o novo herói descoberto nesse episódio.

Karna

Mais conhecido como Vasusena, ele é um dos maiores guerreiros da mitologia hindu, e o único guerreiro capaz de derrotar Arjuna em batalha. Karna foi o único a conseguir com sucesso conduzir uma campanha militar, em que ele conquistou todos os Reis em todas as direções do mundo, a fim de estabelecer Duryodhana como o Imperador do mundo. Karna é filho do deus do Sol, Surya. Ele lutou contra a má sorte durante toda a sua vida e manteve sua palavra sobre todas as circunstâncias. Além disso, ele é admirado por muitos por sua coragem e generosidade. Algo interessante que pudemos observar em Karna: sua vestimenta e seus brincos. Segundo a mitologia, Kunti, a princesa do Reino Kunti, recebeu uma dádiva do sábio Durvasa, que lhe permitia invocar qualquer divindade a sua escolha para lhe dar um filho. E louca para testar esse poder, ela invocou Surya, o deus do Sol. Surya a deu um filho, Karna, que nasceu trajando uma armadura chamada de Kavacha, e essa armadura o tornava imune a ferimentos de flechas e um par de brincos (kundala), que o protegia  de ataques. Esse combo de armadura e brincos, presenteado por Surya, tornavam Karna invencível.
É uma história muito grande e bastante interessante, recomendo, se vocês quiserem mais detalhes, a darem uma pesquisada na internet; muito boa.

Então pessoal, o que acharam do episódio? Estão ansiosos para a luta que se aproxima? Aguardo vocês na próxima semana.

Forte abraço!

Sayonara!

Discussão