Se você acompanha meus artigos de Kokkoku, sabe que semana passada foi provavelmente a primeira vez que eu falei mal de um episódio completo deste anime. Os episódios anteriores têm defeitos sim, mas suas qualidades se sobrepunham, mas nesta reta final – falta apenas mais um episódio, segundo o Myanimelist – ele vem dando umas tropeçadas fortes. O que antes era motivo de curiosidade e mistério bem estabelecido, agora virou apenas um “tudo bem, mas e daí?”. Não sei até que ponto o anime em si piorou ou eu que fiquei de saco cheio dele, mas é pouco provável a segunda opção, visto que aparentemente eu não sou o único que não está mais tão empolgado. E não, não me levem a mal, eu ainda acho que ele tem aquelas qualidades que sempre fiz questão de ressaltar aqui, mas a verdade precisa ser dita! Já faz pelo menos três semanas que o anime está dando algumas mancadas muito anormais para o nível que ele vinha apresentando antes disso.

E sim, caso tivesse mais de doze ou treze episódios, eu provavelmente deixaria de comentá-lo aqui no blog.

A verdade é que este episódio tem sim suas qualidades e não apresenta tantos defeitos como o da semana passada. O problema aqui é a evidente sobra de espaço no anime, onde nada acontece de forma dinâmica, e bem, por ser um final, acho que eles deveriam fazer diferente. Você tem um vilão extremamente forte e que tem uma história por trás do mesmo; você tem protagonistas inteligentes e com habilidades especiais; você tem o drama da Juri de não poder sair do estase; mas você prefere ficar enrolando com alongamentos desnecessários ao invés de fazer o que tem que ser feito. É claro que quando vejo um anime, eu espero que ele seja o melhor possível, espero que ele inove o modo atual de contar histórias sobre aquele determinado tema e/ou gênero, eu realmente espero, mas acima de tudo, eu espero que ele faça o que se propôs a fazer, e bem, não ligo se ele se fechar em seu mundo e fizer apenas o básico, claro, desde que seja um café com leite bem feito. E para mim, Kokkoku já desandou e não há mais muito o que arrumar, pois falta apenas um episódio, e eu espero que seja um episódio de resolução de verdade. Uma resolução no mínimo digna.

“Nunca fale o que você está pensando para alguém de fora da família.” – Don Vito Corleone, O Poderoso Chefão parte I, 1972

A história do Sagawa é realmente interessante, no entanto, eu tenho um probleminha com vilões que tiveram um passado triste e por isso viraram vilões (vítimas da sociedade) – meu vilão preferido dos animes é o Aizen de Bleach, pois ele é mau por ser mau mesmo, e ponto! Ele quer apenas completar seu objetivo e não mede esforços para isso. O Sagawa é o típico vilão clichê que teve uma história ruim e por isso virou o vilão, e bem, isso não é fazer o básico, é apenas mais do mesmo.

O drama da Juri é uma das coisas de fato interessantes e talvez uma das duas coisas que realmente é construída de uma forma pouco questionável. Pois desde o início é possível ver a sua relação com o avô e passamos para a parte onde tudo acontece, em que ela precisa quebrar a única passagem dela para a fuga do estase, e bem, ela não hesita em fazer o que tem que ser feito. E claro, como ela pode expulsar as pessoas do estase, está tudo bem, ela pode se sacrificar por um bem maior e faz de tudo para proteger a família. É uma personagem com essência boa, que faz de tudo por um bem maior. Bom, o que eu estava dizendo? Aaah sim… Apenas mais do mesmo.

Uau…

E chegamos na segunda coisa que pelo meu conceito foi bem construída. Não é novidade nenhuma que seu corpo só funciona por causa dos nutrientes que você ingere, a fome nada mais é do que uma resposta do seu corpo em questão à falta de algum nutriente. O tipo de nutrientes que mais vemos aqui em Kokkoku são alguns dos macro-nutrientes, que são aqueles que você precisa em maior quantidade (macro), são basicamente os carboidratos, que atuam como energia para o seu corpo; e proteínas, que são construtoras, basicamente ajudam a fazer a manutenção muscular do nosso querido Sagawa. A decisão de se fechar no casulo e sugar nutrientes por meio dos fios foi no mínimo interessante, pois no estado em que ele estava, ia morrer rapidamente por insuficiência de algo. E o fato de sair um bebê do casulo foi mais interessante ainda. “O filho do estase” é um modo de se referir a ele que eu gostei muito, pois ele é de fato filho do estase, visto que ele nasceu sem a presença de uma mãe ou pai, e não por meio de concepção convencional, mas por sugar os nutrientes do solo, das árvores e de um rato. A pergunta é: o bebê terá as memórias do Sagawa ou algo do tipo? Prefiro acreditar que a Juri será a figura materna dele e que eles viverão no estase para sempre, e quem sabe, teremos um Adão e Eva.

Discussão