Bom dia!

O episódio dessa semana de Sora yori mo Tooi Basho, com uma coisinha ou outra a mais, bem poderia ter sido o final da série. Ele foi o final da busca pessoal da Shirase, a protagonista, afinal de contas. O seu coming of age depende do que ela vai decidir a partir desse ponto, mas ela já cumpriu todos os requisitos.

Shirase está pronta para sair de casa e deixar sua mãe para trás.

O coming of age, a maturação, a chegada à vida adulta, é o primeiro grande marco da vida de uma pessoa. Bom, o segundo, né? O primeiro é nascer. Várias sociedades e culturas ao redor do mundo possuem rituais elaborados em torno do coming of age – o nosso baile de debutantes, já um pouco brega mesmo em sua forma reduzida que chamamos de “festa de 15 anos”, é reminiscente disso. Testes e iniciações para caçadores ou guerreiros ainda são comuns em sociedades tribais. Mas na maioria das sociedades industrializadas modernas não existe mais um evento oficial que marque a passagem da infância para a vida adulta. Seria algo relacionado à educação? Trabalho talvez?

A maioria de nós não passa mais por um único evento definidor, e a adolescência é estendida indefinidamente. Uma coisa porém marca tanto as cerimônias de passagem rituais quanto as mudanças mais sutis da vida contemporânea: o agora jovem adulto sai da casa dos pais. É por isso que a família é tão importante em Sora yori mo Tooi Basho. Anime é uma mídia que normalmente dá pouco destaque às famílias dos personagens – em muitos casos, adolescentes vivem sozinhos mesmo, sob pretextos batidos e inacreditáveis como ter pais que “trabalham demais”, “vivem viajando”, ou qualquer coisa pior que você já deve ter visto por aí.

Adormecida sobre as lembranças de sua mãe

A Mari tem uma família completa, e um dos momentos mais importantes do anime para o seu desenvolvimento foi quando sua mãe descobriu sobre a viagem para a Antártica que ela planejava. Depois, já na partida, ela se despede de todos, e eles choram. Ela vai voltar para casa, mas metaforicamente já saiu. A Yuzuki sempre fez o que a mãe mandou e viveu sob a asa dela, mas dessa vez, só dessa vez, ela a desafiou. Ia parar de trabalhar como idol, desistir dessa vida que tanto cobrou dela e que, aparentemente, ela não sente que a recompense o bastante. Ou não recompensava: foi porque ela era uma idol mirim que teve a oportunidade de ir para a Antártica, conhecer as demais garotas e, definitivamente, estabelecer seus primeiros laços de amizade. Ela também não saiu de casa ainda, mas vai conseguir seguir em frente por vontade própria, escolhendo o que ela quer e o que ela não quer fazer, por causa dessa viagem.

A Hinata é um caso mais complicado porque sua família não apareceu. Já especulei, e repito aqui, que ter abandonado a escola não tenha sido algo lá muito bem aceito por sua família, e acredito que ela já tenha saído de casa e esteja morando sozinha. Mas não foi bem uma saída pela porta da frente: ela fugiu. Nessa viagem ela pela primeira vez encarou seu passado, forçada a tanto pela Shirase. Hinata também pode seguir em frente agora. E então chegamos à Shirase. Poderia a protagonista, a mais determinada e tímida das garotas, seguir em frente, deixar a infância para trás e começar a dar seus primeiros passos em direção à vida adulta?

Mari não sabe o que é, mas sente que algo está errado com Shirase

O caso dela é muito mais complicado, por motivos óbvios. Ela perdeu sua mãe ainda muito jovem – e desde então não superou isso. Continua enviando e-mails para a mãe como se viva ela estivesse. Shirase sabe muito bem que sua mãe está morta, mas não consegue se fazer agir de acordo, porque bem lá no fundo, em algum lugar, alguma coisa continua a prendendo à sua mãe. Takako morreu e deixou Shirase para trás, mas Shirase não consegue seguir em frente e deixar Takako para trás. Se ela não abandona sua mãe, metaforicamente, ela não completa esse ciclo de sua vida. Vive entorpecida (como se estivesse em um “sonho”, nas palavras dela própria), parada no tempo.

Shirase chegou à Antártica, mas não consegue aproveitar a viagem. Está vendo e vivendo os mesmos cenários e situações que sua mãe viveu, mas é como se não estivesse lá, é como se só estivesse olhando mais uma vez o livro que sua mãe escreveu. Em boa medida, ela está apenas com medo de seguir em frente. Todas as demais garotas escolheram o seu momento, mas para Shirase é como se ela estivesse sendo forçada a isso. Ela ainda não quer, não quer deixar sua mãe para trás, não quer viver em um mundo onde sua mãe não existe, não quer ter que tomar decisões por conta própria, não quer ter que viver por conta própria. Mesmo sua grande decisão de ir até a Antártica foi apenas um reflexo, um filhote buscando (tragicamente, em vão) o abrigo do abraço da mãe.

É claro que ela sabia que não iria encontrar de verdade sua mãe, mas movida por esse sentimento e por muita teimosia, ela chegou até lá. No Japão, ela encontrava forças nos que negavam que ela fosse conseguir, nos que a atrapalhavam ou dela zombavam. Na Antártica, nada mais a impede senão ela própria. Quanto mais perto ela chega de sua mãe – e, portanto, da confirmação de que nunca mais irá vê-la – mais ela se sente intimidada. Qual será seu propósito na vida depois disso? Some a isso, naturalmente, o trauma de ter perdido a mãe tão cedo. Depois de tudo o que acelerou, agora ela começa a ficar cada vez mais lenta quanto mais próxima está da linha de chegada. Shirase não quer cruzar para o outro lado.

Sozinha, Shirase certamente demoraria alguns anos ainda para conseguir chegar na Antártica. Foi porque criou amigas que ela finalmente conseguiu. Essa é a constante, talvez a lição final de Sora yori mo Tooi Basho: todas elas conseguiram porque se esforçaram, porque quiseram sim, mas foi mais fácil porque tinham umas as outras, porque tinham amigas. Hinata e Yuzuki literalmente não tinham amigas, e Mari tinha a Megu, mas foi a Megu quem a encontrou desde muito cedo e a salvou, e ela queria sentir que podia fazer algo por conta própria – ela saiu de sua zona de conforto, conheceu Shirase e as outras e foi até o lugar mais longe que o universo! Shirase também não tinha amigas, e estava convencida de que não precisava. Lembre-se: ela é teimosa e alimentava sua determinação com os sentimentos ruins dos outros. Quanto mais duvidavam, mais ela se esforçava.

Com amigas, qualquer lugar é um bom lugar e nada é tão difícil assim

Por influência da Hinata, que tem uma política pessoal de não interferência, as garotas a princípio deixam a Shirase pensando sozinha. Estão ali por perto sempre, mas não se intrometem. Como eu escrevi no artigo sobre o episódio anterior, não existe um jeito certo de ser um amigo: às vezes é melhor não se intrometer, e às vezes é melhor se intrometer. Quase nunca é possível saber com certeza qual é o caso. Ao encarar uma chance única, que talvez nunca mais a Shirase fosse ter, ou se tivesse talvez demorasse ou mesmo fosse tarde demais, elas souberam que agora era hora de se intrometer. Tem que haver alguma coisa aqui deixada para trás pela Takako!

Elas buscam freneticamente por alguma coisa, qualquer coisa

Elas encontram o notebook. Ironicamente, talvez tenha sido por esse notebook que a Takako morreu em primeiro lugar, não é? A Gin disse, afinal, que ela não sabia porque a Takako se soltou. Talvez tivesse esquecido algo para trás e tenha ido buscar. Se você me perguntar, esse notebook parecia bastante “esquecido para trás”, largado onde estava. E ele tinha uma mensagem na caixa de saída! Seu conteúdo ainda não sabemos. Se acha que chorou bastante nesse episódio, aguarde pelo próximo, o último, quando provavelmente vamos saber qual era a mensagem tão importante a ser enviada que valia a vida para a Takako – e infelizmente, cobrou seu preço.

Enquanto a caixa de entrada jamais aberta da Takako lota com as mensagens da Shirase, note o e-mail solitário na caixa de saída

No final desse episódio, não foi o que a Shirase encontrou no notebook da sua mãe que a fez acordar do sonho. Foi o que ela não encontrou: as centenas de e-mails que ela própria enviou todo esse tempo, desde que a mãe morreu. Com uma crueldade adequada ao duro ambiente antártico, ver todos aqueles e-mails sendo recebidos apenas agora fez a Shirase perceber algo que ela já sabia: sua mãe não está mais aqui. Ela não está recebendo seus e-mails. Ela está morta. A trágica realidade esfregada em sua cara faz Shirase acordar. Shirase renasceu e chorou como um bebê neonato. Cruzou a linha desse importante marco da vida e agora, a sua frente, apenas a incerteza do futuro. Com suas amigas ao lado, e com a doce memória de sua mãe no passado.

Acabou.

  1. Eu acho que foi o episódio mais emocionante do ano até agora. Um trabalho incrível de direção, conseguiu transmitir toda a emoção daquela situação. Que de certa forma o anime já nos preparava desde o primeiro episódio!

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Sem dúvida esse é o anime da temporada, e já há semanas isso está claro. Cada episódio, goste-se dele ou não, é cuidadosamente planejado e dirigido, e dá para perceber. A cada semana me sinto mais pressionado quando vou escrever sobre ele, porque se tem um anime que não posso fazer um trabalho meia boca, é Sora yori mo Tooi Basho.

      Obrigado pela visita e pelo comentário =)

  2. Como falei lá no reddit AnimeBrasil, esse episódio foi o culmino de tudo aquilo que o anime foi construindo lindamente ao longo de seus episódios. O vínculo emocional que criei com essas personagens e sua jornada foi enorme. Durante a cena dos e-mails, me senti como se fosse um quinto integrante do grupo, reagindo exatamente igual a elas. Estou ansioso e um tanto triste pelo último episódio. Vai ser difícil ver o fim dessa jornada, mas certeza que também será gratificante.

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      E foi mesmo! Esse episódio teve muita cara de final de temporada. O próximo episódio deve ter sua boa dose de emoção também, como é próprio desse anime, mas acredito que vá ser mais calmo, pra fechar tudo mesmo e, talvez, dar uma pista do que vai acontecer com cada uma dessas garotas agora.

      Sobre a cena final em si, confesso que não entendi imediatamente porque a Shirase chorou. Quero dizer, lógico que ela chorou, por que não choraria, né? Mas eu não entendi exatamente o que ela estava sentindo. Cada pessoa é diferente, né? Pensando depois que as coisas começaram a ficar mais claras.

      Obrigado pela visita e pelo comentário =)

Discussão