Sabe aquele episódio um pouco mais calmo depois de uma grande e recorrente dose de momentos mais frenéticos e dramáticos? Então, foi o que teve em Steins.Gate 0 essa semana. Entretanto, esse foi um claro sinal de que a história não deve se fechar no próximo ato e que só descobriremos o seu desfecho quando o OVA, programado para dezembro, vier a luz. E isso é um problema? Sim, mas se ao menos esse arco atual for devidamente encerrado será “menos pior”. Que se abra o Steins Gate!

Senti falta desses momentos típicos de Labomen.

Confesso que gostei de ver o mad scientist Hououin Kyouma parando para explicar de forma rápida e simples qual era o quadro da situação no momento. Não que um telespectador atento necessitasse disso, mas quando um personagem se vê em um beco sem saída, o normal é ele “parar para pensar”.

De um lado têm os americanos que nosso protagonista já neutralizou uma vez e pode neutralizar de novo, do outro os russos, cujo raciocínio lógico – só possível devido as informações privilegiadas das quais o Okabe dispõe – leva a apenas uma conclusão: eles precisam do Amadeus para construir uma máquina do tempo, e quer hora melhor para focar justamente naquele que é quase o Labomen #10?

Maho-tan é a loli legal que faltava pra gerar esse tipo de situação cômica.

Desde o princípio do 0, o Amadeus nunca foi motivo para as coisas acontecerem, sua existência mais era um reflexo de algo que poderia sim ser sacado convenientemente do passado recente da Kurisu, então sua saída de cena nesse momento – lembrando muito o sacrifício anterior da própria Kurisu – foi adequada já que consolidou a construção do personagem, sacramentando assim sua importância.

Durante a série houve uma verdadeira disputa por qualquer informação útil que tivesse relação com a Kurisu, então o Amadeus virar um alvo de novo era só questão de tempo e, dadas as circunstâncias limitantes – todas bem explicadas para o público – que incapacitaram os heróis e o plano articulado pelo Leskinen – outra coisa que foi bem explicada e justificada –, a existência em si da informação era o maior obstáculo para impedir qualquer ação dos russos. Sendo assim, o orgulhoso sistema que não era apenas memórias não podia ficar de braços cruzados, afinal, o Amadeus não é apenas uma coisa.

#nãosãoapenasdados mas também sorrisos, poses e sacadas inteligentíssimas.

Esse episódio veio para retomar essa reflexão, que não poderia ser respondida apenas com o próprio desenvolvimento do sistema, mas também com a forma como ele moveu os corações ao seu redor. É claro que não há uma resposta definitiva para o debate de existir alma em uma inteligência artificial, e Steins;Gate 0 não tem interesse em ir tão a fundo nisso, mas a intenção aqui não é justificar o valor do Amadeus ao compará-lo a um humano, mas sim afirmar que ele tem valor ainda que seja artificial.

Se não tivesse, o Okabe não teria hesitado tanto em apagá-lo, né. É claro que não eram as memórias de qualquer pessoa, mas de alguém que é muito importante para ele mesmo depois de ter morrido, mas se fosse uma IA baseada nas memórias de outra pessoa não teria problema lógico em ela existir, então sua destruição não seria necessária. Enfim, o Amadeus sempre esteve no lugar certo e na hora certa, foi uma bela sacada para manter uma das heroínas principais da história na trama e de quebra propor outra discussão interessante que só veio para expandir o universo de Steins;Gate como obra.

Porque Steins;Gate 0 é justamente isso, uma expansão desse universo, uma DLC sombria demais…

Steins;Gate 0 é aquele upgrade que toda franquia queria ter.

A trilha sonora do anime continuou tendo maior destaque que o resto dos quesitos técnicos. Usar o tema principal da obra como abertura foi excelente, assim como usar Amadeus de Itou Kanako para fechar o episódio. Contudo, não posso deixar de elogiar a atuação de Miyano Mamoru – o dublador do Okabe –, pois ele deu um verdadeiro show ao transitar entre as várias facetas de seu personagem.

Quando devia virar mad scientist ele fazia isso com maestria, quando trocava para um Okabe normal também, e não vacilava ao misturar melancolia e seriedade em sua voz. Foi importante o tom de voz do personagem ter mudado em comparação ao que era no anime de 2011, pois isso deixou evidente o peso que o ano que se passou teve no protagonista, que ele estava mais “consciente” dele mesmo.

A sua esquerda está a melhor personagem da obra, a sua direita só uma das melhores vozes do Japão.

Mas sem dúvidas, o ponto alto desse penúltimo – ou antepenúltimo – episódio foi a conversa entre o Okabe e o sistema Amadeus, e não afirmo isso apenas pelo texto ter sido bem escrito e interpretado, mas também porque ele fechou bem o arco de personagem que estava sendo desenvolvido desde o começo do anime. Sim, o Amadeus não é a mesma Kurisu que conhecíamos, então o considero outro personagem, um que devia ser desenvolvido para achar o seu lugar no mundo e fazer a trama andar.

A despedida veio para reforçar tudo isso e dar um belíssimo, mas nada exagerado, final ao episódio, que no geral foi mais calmo, teve um ritmo mais lento e apresentou uma comédia inicial prazerosa que não prejudicou em nada o desfecho dramático – como se fosse um último suspiro antes do fim.

O drama também foi explorado na medida certa – um acerto em praticamente todo o anime –, com o tom melancólico esperado, mas sem deixar de também apresentar o “lado bom da coisa”. Afinal, o Amadeus se sacrificou, mas com o objetivo de chegar a uma linha do tempo de esperança na qual o seu eu original podia ser salvo. Era o desejo do Amadeus, agora carregado pelo Okabe e seus amigos.

O que esperar do último episódio que não deve ser o último? A resolução da batalha no telhado que pode até não ser um ponto de convergência, mas está parecendo, e a execução da Operação Arclight – finalmente, né. Agora se vai dar tempo do Okabe alcançar o Steins Gate em apenas uma semana só saberemos na próxima. É impressionante como Steins;Gate 0 entrega um episódio 5 estrelas mesmo quando pisa no freio, o que deve resultar no melhor fim possível para o anime. Até semana que vem!

Vá em paz Amadeus, eu também nunca te esquecerei! ❤

  1. Avatar

    Esse foi um episódio que me dividiu muito. Por um lado eu gostei muito por terem explorado melhor o Amadeus como um personagem, além deles terem desenvolvido discussões entre os personagens que serão muito importantes para a conclusão da história. Mas por outro lado esse episódio me decepcionou muito. Eles poderiam ter feito um episódio mais movimentado até para concluir a trama da Operation Arclight e fechar toda história no próximo episódio, mas ao invés disso optaram por “enrolar” esse episódio apenas para terminar a Operation Arclight só no episódio 23 e com isso deixar o restante da história apenas na OVA que sai só em dezembro. Mas enfim, espero que o próximo episódio conclua esse arco de uma forma espetacular para compensar a espera que teremos pela OVA.

  2. Kakeru17

    Verdade, isso de não concluir a história agora, caso se confirme, vai ser bem chato, mas não me espanta vendo como estão baixas as vendas do BD/DVD em comparação ao anime de 2011. Isso vai servir para “forçar” o público em massa a comprar pelo menos o último volume se quiser saber do final o quantos antes? Pode ser que sim, pode ser que não. E talvez o problema tenha sido mesmo a grade de programação na tv, pois se não tivesse havido uma semana vaga nesses últimos episódios daria tempo de fechar com 24, só que como o anime foi anunciado para 23 e um OVA desde antes do lançamento essa possibilidade meio que cai por terra. Enfim, só nos resta esperar mesmo, lamentar isso, mas aproveitar o excelente anime que estão entregando, afinal, a história não tem culpa de quererem vendê-la dessa forma questionável.

  3. Avatar

    Verdade, apesar deles estarem querendo vender o final do anime desta forma lamentável, isso não muda o fato de estar sendo um ótimo anime. É uma pena que parece que essa é uma estratégia que eles estão começando a usar como padrão nessa franquia, pois o anime anterior (ChäoS;Child) já tinha feito isso de lançar o final separadamente. Mas eu acho que a razão disso é mais para aumentar as vendas da visual novel, pois com esse final incompleto muita gente não vai querer esperar até dezembro e vai comprar a VN pra saber como a história termina.

  4. Kakeru17

    Não tinha pensado por esse lado, mas lembrando de ChäoS;Child faz sentido mesmo, ao menos para quem tem dinheiro para comprar e tempo para jogar. Eu tenho pouco dos dois no momento, mas devo comprar a VN do 0 até o final do ano na Steam.

Comentários