Bom dia!

Agora sabemos por que o coração da Lily bate fora do peito: porque ela morreu de ataque cardíaco fulminante. Mas para ser justo, ele é mesmo grande demais para caber em seu pequeno corpo.

Transborda de amor por seu pai, mesmo depois de tudo o que aconteceu.

O pai de Lily era um bom pai. Um homem desproporcionalmente grande, mas com o coração mole como manteiga e costumes inesperados. Ainda hoje ele é um Gigante Gentil. Um gigante muito triste, mas ainda gentil.

A mãe da Lily morreu quando ela ainda era muito nova, e a garota se orgulha se ser parecida com ela. Ela e seu pai viviam apenas os dois e eram felizes assim. Ele gostava muito de assistir televisão e foi isso que levou Lily a querer se tornar uma estrela.

E uma estrela ela se tornou. Entrou no showbiz como uma atriz mirim e fez muito sucesso. Ela foi feliz assim e seu pai mais ainda, vendo sua filha, a pessoa mais importante para ele em todo o mundo, prosperar naquele meio que até ontem era apenas seu hobby preferido.

A vida de uma estrela, porém, não é apenas subir no palco e brilhar. Estamos vendo agora com as Franchouchou o quanto ensaio e dedicação é preciso, e elas têm a vantagem de serem zumbis e terem limites físicos mais largos que o de pessoas normais.

Mas a Lily de então era ainda uma pessoa normal. E uma criança ainda por cima. Seu pai abandonou seu antigo emprego para se tornar seu agente e acompanhá-la todo o tempo, mas nada disso evitou que logo a menina sentisse que a relação que ela tinha com o pai havia mudado.

Misturar a vida pessoal e os negócios não é fácil. O sucesso no trabalho pode mascarar tensões e insatisfações íntimas. Lily certamente estava sofrendo, e seu pai não estava dando a atenção devida. O resultado foi trágico.

Lily nasceu Masao. Uma garota em um corpo masculino. Caso óbvio de Transtorno de Identidade de Gênero, ou, colocado de forma mais humana, menos médica, Lily é transgênero. Enquanto era criança isso não fazia diferença nenhuma, porque meninos e meninas não têm diferenças físicas relevantes antes da puberdade e seu pai nunca se importou de tratá-la como sua garotinha, ainda que continuasse usando seu nome masculino de batismo.

Isso não duraria para sempre. Ninguém pode ser criança para sempre. A puberdade é uma fase da vida muito angustiante para quem já tenha se percebido transgênero, como era o caso da Lily.

 

A Lily e como a Lily se vê

 

Ela adotou seu nome artístico como seu nome verdadeiro, mas mesmo assim continuava crescendo. E agora seu corpo começava a se tornar mais como o de um garoto. Pelos estavam crescendo em suas pernas. Seu pai fez pouco caso disso, mas para ela isso era um problema enorme.

Lily perdeu a mãe muito jovem, porque ela morreu. Estava perdendo o pai, que parecia mais interessado na persona artística, na Lily da TV, do que na Lily real. E agora Lily estava perdendo a si mesma. Um corpo masculino estava se desenvolvendo e engolindo ela.

A soma de todos esses transtornos atingiu um ponto crítico, e encontrar um primeiro pelo facial nascendo foi a gota dágua. O coração dela não pôde aguentar tudo isso ao mesmo tempo e foi então que, para desespero de seu pai, sua estrela se apagou.

 

Lily tem um ataque cardíaco fulminante ao descobrir que estava começando a lhe crescer pelos faciais quando já estava angustiada por várias outras coisas

 

Não para sempre, como sabemos. Koutarou reanimou Lily junto com as demais garotas do Franchouchou. E agora, renascida como uma zumbi, ela nunca mais irá envelhecer de verdade. Será para sempre pequena, e sempre uma garota.

Sakura fica chocada quando descobre a verdade sobre a Lily. Saki, por outro lado, achou foi é muito engraçado – mas não confunda com bullying: enquanto todas as demais ainda estão surpresas com a revelação, ela é a primeira a dizer, de seu jeito muito peculiar, que isso não muda nada. Lily é a Lily, não importa em qual corpo nasceu (em suas palavras, “o que tem no meio das pernas”).

O único que já sabia disso desde o começo era, claro, o Koutarou. Quando elas vão perguntar sobre isso a ele, ele admite que sabia, e logo em seguida diz que isso não tem importância nenhuma. Lily é a Lily. É isso o que importa.

Bem entendidas entre si, as garotas podem se dedicar ao conflito principal do episódio, que é justamente entre pai e filha. Como esperado, o pai de Lily a reconheceu, ao mesmo tempo em que não acredita que possa ser ela pelos anos que se passaram.

 

O pai de Lily diz a ela (sem saber que é ela) que nunca mais a verá

 

Mas ainda preso no luto, ele não pôde evitar querer vê-la de perto. Acaba só se machucando, como não poderia deixar de ser. E Lily também se machuca. Ele está arrependido, ele sente falta da filha, e Lily, como não poderia deixar de ser, ainda ama seu pai.

Só que agora ela é uma zumbi. Ela não pode dizer tudo isso para ele. A cena em que ele se despede dela é de cortar o coração. Ele “sabe” que não é a sua filha, então não pode continuar se machucando nem empurrando seus sentimentos em “outra pessoa”. E ela só pode ficar parada assistindo ele ir embora.

É aí que entram as outras garotas e elas decidem fazer o que só elas podem fazer: cantar.

Da noite para o dia, com a aprovação, concordância e ajuda do Koutarou, elas compõem uma  para a Lily dizer a seu pai como realmente se sente. To My Dearest.

 

Lily chora ao pensar no pai

 

Apressada, a composição e letra deixam a desejar em relação às outras músicas das Franchouchou, mas foi a melhor apresentação que elas fizeram, como o anime parece querer dizer ao usar uma animação melhor para essa apresentação do que usou para as anteriores.

E o resto eu não preciso dizer, preciso? Eu não estou chorando, você é quem está chorando! Até o próximo episódio!

 

O pai da Lily em prantos

 

  1. Avatar

    Faz muito tempo que não vejo um episódio que me tocou tanto quanto esse (que eu me lembre, foi no arco “Cortesã de uma Nação”, em Gintama e no fim do arco “Shogun Assassination”). Tratou de temas sérios com respeito, sem se enviesar para nenhum lado político-ideológico específico (ponto pro anime!). Cada semana me surpreendendo mais e mais com um anime que comecei a ver esperando altas risdas, e estamos chegando na reta final com altos sentimentos. Definitivamente, ZombieLand Saga já ganhou um lugar especial no meu coração!

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Olá, Jefferson, tá bonzinho?

      Foi um episódio excepcional mesmo. Muito bom, de várias formas, e, claro, de partir o coração também. Quer apostar que o final do anime vai ser ainda mais melodramático?

      Obrigado pela visita e pelo comentário! 😃

Comentários