Bom dia!

Decidimos reunir o maior time de especialistas em animes que pudéssemos e perguntar a cada um deles: Qual foi o melhor anime de 2018? E se não for abusar muito, poderia dizer quais os melhores em cada um dos seguintes gêneros: AçãoEsporteComédiaDramaSlice of lifeRomance, e Horror/Suspense?

Ninguém tão importante assim quis nos atender, então decidimos fazer uma coisa mais caseira. Os membros da equipe do Anime21 se reuniram em conclave para decidir quais os melhores animes de 2018!

Nesse artigo publicamos os 5 melhores animes de Horror ou Suspense de 2018.

Leia também:

5 Melhores Animes de Ação de 2018

5 Melhores Animes de Esporte de 2018

5 Melhores Animes de Comédia de 2018

5 Melhores Animes de Slice of Life de 2018

5 Melhores Animes de Drama de 2018

5 Melhores Animes de Romance de 2018

10 Melhores Animes do Ano de 2018

Imagem de capa: A Noite dos Mortos-Vivos, George Romero, 1968.

Ler o artigo →

Bom dia!

Eu não sei você, mas eu adoro zumbis. E adoro animes, tanto que coloquei no ar esse Anime21. Adoro animes e adoro zumbis, portanto não poderia deixar de adorar animes com zumbis.

Sério, não tem um que eu já tenha assistido que eu não goste. E à propósito, escrevi um artigo só sobre animes e zumbis, se quiser complementar a leitura.

Zumbis podem ser assustadores, representando algum tipo de medo que temos (normalmente irracional), ou podem ser engraçados, representando o absurdo de algumas condições da vida. No caso de Zombieland Saga as zumbis representam as duas coisas.

Os medos e inseguranças de quando elas estavam vivas, e que as acompanha no além-túmulo, e o absurdo dessas inseguranças em primeiro lugar. Livres do fardo da vida, e consequentemente do absurdo que arrastavam, elas podem agora se livrar do medo.

Ler o artigo →

Bom dia!

Sem nenhuma surpresa, o anime era mesmo da Sakura. Ela era especial, não apenas qualquer zumbi, como as demais, que parecem ter sido escolhidas por habilidades e talentos especiais.

As demais exceto a Tae, quero dizer. Ela sem dúvida melhorou bastante ao longo do anime e suponho que mesmo sem falar, mesmo com dificuldade para se comunicar, mesmo dando sinais de que seu raciocínio ainda é limitado, ela já despertou, sim. Mas ficou por isso mesmo.

A lendária Yamada Tae era só um despiste, no final das contas. Como outras coisas em Zombieland Saga, aliás.

Ler o artigo →

Bom dia!

Oh, que pena, esse não foi o episódio da Yuugiri então? Lá se vai minha hipótese de que cada garota teria seu episódio. Como o próximo também será da Sakura, por motivos óbvios, agora não há mais tempo hábil para isso.

Mas isso em si não é um problema, e na verdade até abre muitas outras possibilidades.

Ler o artigo →

Bom dia!

Depois do emotivo e melodramático episódio da Lily manter o mesmo tom seria difícil. Com a Saki, impossível mesmo. Ela simplesmente não é assim.

Saki não é uma pessoa de preocupações muito grandes, não é de planejar nem de pensar demais em nada.

Narrativamente, se Zombieland Saga for ter um final emotivo, e eu acho que vai ter, manter esse tom desde os episódios anteriores e até o final seria difícil. Um episódio mais leve é necessário, e a Saki é perfeita para isso.

Ler o artigo →

Bom dia!

A partir do sexto episódio Zombieland Saga começou a criar episódios para cada uma de suas garotas. Daqui até o final vai ser essa montanha-russa de emoções.

Esse primeiro arco focou em duas personagens, o que ofusca um pouco essa linha de enredo, mas atrasar para escrever artigo tem suas vantagens: já assisti o episódio 8, que foca noutra personagem, e na prévia do episódio 9 fica claro que ele irá focar em mais uma.

O resto é matemática: são sete garotas, e sete episódios entre o 6 e o 12, inclusos os dois. A Ai e a Junko já haviam tido destaque juntas quando da formação do grupo, porque como as únicas ex-idols entre as zumbis, tinham dúvidas de que as garotas seriam capazes, ou se isso sequer era mesmo o que elas queriam.

A dobradinha volta nesses dois episódios. O anime revela mais sobre elas, seus passados, suas preocupações, e encerra seus arcos de personagem.

Ler o artigo →

Bom dia!

Esse é o primeiro episódio (na verdade não) de Zombieland que realmente é sobre Saga, a província japonesa que Koutarou tanto afirma querer “revitalizar” com suas idols zumbis.

E Saga não ficou mal na foto não. Ao mesmo tempo em que não foi exaltada como uma Utopia na Terra, tampouco foi zombada. Se pareceu engraçado (e foi engraçado) é porque o anime tratou de coisas bastante regionais, do tipo que provoca mesmo esse tipo de reação.

Tanto o restaurante retratado no anime quanto o Gatalympics existem de verdade.

Ler o artigo →

Bom dia!

.intro episódio de fonte termal!

Até um anime de zumbis precisa de um episódio de praia ou termas! Não que isso seja exatamente novidade. Highschool of the Dead teve um capítulo de banho (não sei se teve no anime, só li o mangá) para compensar a dificuldade de tirar um tempo para recreação em meio a um mundo desmoronando. Mas Highschool of the Dead é conhecido por ser um anime ecchi, coisa que Zombieland não é.

Gakkou Gurashi teve um episódio de piscina, cortesia da arquitetura da fortaleza onde as garotas se protegiam – uma escola que tinha uma piscina no teto. Não devem existir muitas assim, mas aquela era especial de todo modo.

Qual a novidade de Zombieland Saga então? Você sabe qual é.

As zumbis vão para a fonte termal!

Ler o artigo →

Você está vivendo ou está apenas apodrecendo?

Bom dia!

Quem já sabia sabia quem não sabia está sabendo agora: vou cobrir Zombieland Saga no Anime21! E quem já sabia sabia quem não sabia está sabendo agora: adoro zumbis.

Estou falando sério, já escrevi um artigo só sobre isso (clica e dá uma lida!).

Gosto de todo tipo de zumbi, não só do zumbi do tipo apocalíptico. Aliás, o apocalíptico ficou tão mainstream que é dos mais difíceis de acertar. Basicamente tudo já foi feito, da Crítica Social Foda™ ao gorefest à comédia de absurdos. O que não quer dizer que não possa ser divertido. É claro que pode. Mas uma nova história de apocalipse zumbi quase sempre vai ter outra (ou outras) muito parecidas e boas, o que sempre aumenta a responsabilidade dos autores.

E por que se limitar ao apocalipse, de todo modo? Zombieland não é apocalíptico (bom, não por enquanto, vá saber…) e está sendo muito bom.

Ler o artigo →