Bom dia!

Duas coisas importantes foram reveladas nesse episódio: a peça escrita pela Koyomi para o Conselho Estudantil interpretar, e a circunstância da morte da irmã mais velha da Nanami, origem de toda a sua personalidade e traumas.

Ao longo do episódio, Yuu, que preferia não interpretar papel nenhum na peça, “interpreta” o papel de não-apaixonada pela Nanami e as duas encenam um romance que não sai do lugar.

Começando pelo fim que é o começo. Já depois da animação de encerramento, a Nanami sonha um sonho recorrente, um pesadelo em que ela reencena o dia em que sua irmã morreu.

Ela havia dito mais cedo no episódio sobre como ela sempre tem esse sonho e ele reproduz fielmente suas memórias, o que os demais disseram ser algo incomum, que ninguém costuma experimentar. Sayaka então propõe que talvez isso aconteça com ela porque vive pensando sobre isso enquanto está acordada, de modo que não é um sonho sobre o passado, mas sobre o presente. Nanami não discorda.

 

Memórias da Nanami sobre o dia em que sua irmã morreu

 

Nanami não consegue esquecer do dia em que sua mãe pediu para que uma das irmãs comprasse água, elas decidiram na sorte quem iria, e ela venceu. E sua irmã perdeu. A vida, depois, porque saiu de casa para comprar água.

O detalhe de como e por quê ela morreu não foi mostrado, mas vou na hipótese mais simples: acidente. Uma banalidade estúpida. Para morrer, basta estar vivo.

A irmã que ela tanto amava morreu porque foi para a rua comprar água para que ela não fosse. Se tivesse sido ao contrário, teria sido ela a morrer? Nesse caso ela não sofreria a perda da irmã pelo menos. Irmã que era perfeita e tão melhor do que ela, e tão mais importante para o mundo do que ela. Se tivesse sido ao contrário e ela não morresse, seria melhor ainda.

Mas a irmã foi e morreu. Nanami não pode evitar sentir-se culpada por isso até hoje. Seus pais sabem disso. Não fazem nada porque em anime não existem psicólogos (e para ser “justo”, parece que os japoneses não dão muita bola para a saúde mental de todo modo), mas a garota claramente sofre da Síndrome do Sobrevivente.

Isso explica perfeitamente porque ela quer se tornar a irmã. Porque Touko quer viver a vida que ela sente que roubou de Mio. Ela precisa viver a vida da irmã. Ela sente que ela não tem outro caminho possível.

Também por isso, mesmo depois de tanto tempo, ainda que se possa argumentar que hoje é assim que ela é, essa é a personalidade dela e não de sua irmã, ela não está mais apenas interpretando um papel, não é assim que Nanami pensa. Não deve sequer cogitar que isso seja possível, provavelmente. Ela sente que é apenas uma atriz, uma casca vazia que se deixa preencher pela essência da irmã morta.

Viver a vida de outro é sempre uma situação peculiar, de todo modo, pois falsa em mais de um modo. É falso em primeiro lugar porque não se é a outra pessoa. Touko não é Mio. Mas é ainda mais falso do que isso. A menos que ela tenha tido acesso ao íntimo da irmã (se Mio tiver se confidenciado com Touko, ou tiver deixado um diário que a irmã mais nova leu depois, por exemplo), ela não está vivendo a vida da irmã. Nanami está imitando o comportamento da irmã, da forma como ela se lembra e como as pessoas descrevem que ela era.

E isso nos traz de volta ao presente.

 

Koyomi vai ao Conselho Estudantil conversar sobre e explicar a peça que escreveu

 

Koyomi terminou a primeira versão da peça que o Conselho Estudantil irá interpretar. Como ela prometeu, ela escreveu todos os personagens de acordo com as personalidades dos atores que os irão interpretar. Bom, quase todos: a Nanami ela achou pouco interessante.

Perguntando para uns e para outros como é que é a Nanami, Koyomi só escutou elogios e a descrição de uma pessoa perfeita. A mesma coisa que Touko deve ter escutado sobre sua irmã, para construir a sua própria personalidade atual. O papel da presidente é o de uma acidentada que perdeu a memória e não sabe quem é. Três pessoas que a conhecem descrevem como ela seria: um parente, um amigo, e a namorada. Qual delas será a verdadeira? Sem recuperar suas memórias, como decidir?

Sem querer, Koyomi escreveu um roteiro que não é apenas sobre Touko, mas também sobre Mio. Aliás, talvez seja mais sobre a Mio do que sobre a presidente: quem afinal era a irmã mais velha da Nanami? Eu tenho certeza que ela acredita ter essa resposta há muito tempo, mas talvez a peça a faça repensar sobre o assunto.

E se ela perceber que não sabe quem foi sua irmã, irá entender quem ela mesma é.

 

Como na vida real, na peça a Yuu terá um papel de assistência à Nanami

 

Mas será que ela terá essa catarse? Em meio à algazarra de versões, a personagem de Yuu irá apenas cuidar dela e confortá-la. Irá aceitá-la assim como ela é. A Yuu diz que seu papel é menor, mas talvez ainda cresça. É só o primeiro rascunho, afinal.

Talvez a personagem da Nanami decida que ao invés de escolher uma versão do passado, o melhor é decidir ser quem ela quer ser e construir seu próprio futuro. A personagem da Yuu seria fundamental nesse caso, pois é a única que está sempre ao lado dela e é a única que a aceita como ela for.

Enquanto isso, no dia a dia do anime, o relacionamento da Yuu e da Nanami reais anda como um caranguejo: para os lados.

 

Yuu sem Nanami

 

Nanami está com medo que Yuu não tenha gostado do beijo ao final do festival esportivo. (ela gostou)

Yuu não pode dizer que gostou porque não pode assumir seus sentimentos, então ela diz que quer que a Nanami se controle. (ela não quer)

Nanami promete se controlar para deixar a Yuu mais tranquila. (ela não se tranquiliza)

E assim, Nanami dá mais espaço para Yuu ao longo do episódio. (ela queria mais contato)

Isso tudo, eis, é o resultado de um relacionamento em que as parceiras não são sinceras. A Yuu passou o episódio inteiro querendo conversar, querendo ir para algum lugar junto ou qualquer coisa, e provavelmente querendo beijo e carinho, e a Nanami também queria. Mas por causa do arranjo bizarro delas, a Yuu precisa mentir.

 

Nanami sem Yuu

 

A mentira da Yuu as afasta. Mas se Yuu não mentir, Nanami se afastará por causa da verdade.

Será que algo no passado da Nanami irá explicar porque ela tem essa visão perversa sobre o amor, e consequentemente não quer que alguém se apaixone por ela?

Em todo caso, pelo menos uma vez no episódio Yuu pôde ser honesta com Nanami, na medida exata para que a presidente não desconfiasse dos sentimentos da parceira.

Se a Yuu não quisesse, já teria desligado. De fato, desde o começo, se a Yuu não quisesse, já teria se “desligado” da Nanami.

 

A Yuu quer, muito

 

 

  1. Avatar

    Que análise primorosa a sua, realmente apesar das diversas contradições das personagens, por incrível que pareça isso condiz com elas, o desejo reprimido da nanami, e a mentira da yuu só demonstra como relacionamentos são complexos, não de um jeito que a gente não entenda o motivo delas agirem assim, é justamente por enteder que deixa tudo mais interessante. E que vontade de dar spoiler aaaa kkk não vou fazer isso, mas é uma pena que o anime não irá adaptar o arco mais importante, sobre a nanami, se tiver alguma oportunidade leia o mangá. Até a próxima review 🙂

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Olá Hayssa, tá boazinha?

      Muito obrigado! Não é exatamente fácil escrever sobre YagaKimi, mas é sem dúvida muito divertido, porque o anime é muito divertido. Conforme eu frequentemente argumento no Café com Anime (o Café com Anime sobre Yagate Kimi ni Naru está saindo no É Só Um Desenho, já leu lá?), a autora parece mais interessada em escrever uma tese do que em escrever a história de duas pessoas reais, o que faz com que a história tenda a ser bastante estruturada e às vezes até lógica, o que facilita para mim na hora de analisar. Que além de tudo a história seja divertida e as personagens sejam interessantes é um bônus e tanto.

      Nesse episódio em particular a peça foi apresentada, mas não o seu final, o que me colocou em modo especulador total. Talvez eu tenha errado tudo (não me conte!), mas isso é divertido também. E se eu tiver acertado só um pouquinho (não me conte…) vou ficar ainda mais feliz quando ver acontecer, hehehe.

      Sobre arcos e o que será adaptado, tendo a acreditar que o anime tentará dar um fechamento para a história, nem que precise modificar algo ou criar conteúdo original em relação ao mangá. Ou acha que, pelo ritmo do anime, ele irá chegar a um ponto de parada satisfatório? O fato é que uma história como essa terminar sem nenhum tipo de resolução seria frustrante demais.

      Obrigado pela visita e pelo comentário! ☺

  2. Avatar

    Achei sua análise tão boa que li umas 3 vezes de tão bonita que achei, parabéns!

    Esse episódio me chamou atenção, pois me ofereceu uma outra ótica de o porque a Nanami querer ser a irmã dela. Em episódios anteriores a Nanami dizia que ela era insegura e só se sentia amparada na sombra da irmã mais velha. Então, penso que essa insistência em se tornar a falecida é uma forma não apenas de manter viva a memória da mesma, mas também uma maneira de permanecer segura na sombra da falecida irmã é uma forma de dizer:”você ainda está aqui”. A cena pós-crédito também me chamou atenção, eu não sei se foi a intenção dos produtores, mas eu senti que eles queriam passar a mesma sensação da Nanami ao saber da morte da Mio, por meio da mudança de som da campainha para a sirene da ambulância. Não sei se esse artifício funcional com outros, mas esse parte realmente mexeu comigo.

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Olá Ana, tá boazinha?

      Ai, puxa, gostou tanto assim? Fico muito feliz de saber, e um pouco encabulado, hehe. E sobre a Nanami, pois é.

      O que o anime havia mostrado até agora era como a Mio havia morrido e a Touko foi pressionada a viver seguindo seus passos. Não me parece razoável supor que alguém quis que ela virasse literalmente a irmã, estavam apenas lamentando a trágica morte de alguém tão jovem. Em momentos de dor profunda, as pessoas tendem a pensar só na própria dor, ignorando a dos demais, daí que tenham dito para a Touko que deveria ser como a irmã. Sim, a Mio era uma adolescente admirável e acredito que a Touko já desejava ser como a irmã quando crescesse mesmo antes dela morrer. Mas daí a querer fazer isso de forma tão literal? O trauma foi tão profundo assim?

      Esse episódio deu a resposta: a Touko se sentia responsável pela morte da irmã. Sabemos que ela não é, e no fundo, bem no fundo, talvez ela saiba que não é também, mas se fizermos o exercício de nos colocarmos no lugar dela acho que nos sentiríamos da mesma forma, não é? Só de imaginar isso acontecendo comigo e alguém querido é suficiente para me provocar angústia, imagine para a Touko, que viveu isso de verdade. Era a peça que faltava do quebra-cabeça.

      E sim, a cena final foi ótima. Contou tudo sem precisar mostrar tudo. A passagem das horas no relógio, a sirene da ambulância. A gente ainda não sabe como exatamente ela morreu, mas a gente sabe que ela morreu, e foi naquele dia, após perder uma aposta contra a irmã de quem sairia para comprar água. É o suficiente para explicar a Touko, que era o que o anime precisava fazer. Yagate Kimi ni Naru tem sido um anime consistente no uso da linguagem figurada, contando a história sem mostrar nem ninguém falar uma palavra. Me pergunto o quanto disso já está no mangá e o quanto é mérito da produção do anime.

      Obrigado pela visita e pelo comentário! ☺

  3. Avatar

    esta com toda certeza foi sua melhor analise, bom na minha opinião.
    foi lindo e agradável de se ler, e finalmente você descobriu a síndrome da nanami.
    não tenho muito a dizer além de lhe elogiar por todas estas analises.
    agora vamos se preparar para os episódios finais

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Olá Raava, tá boazinha?

      Bom, o episódio contou qual é a síndrome da Nanami, se nem assim eu soubesse estaria mal, né? 😁

      Agora falta explicar porque ela tem uma visão tão estranha do amor. A Síndrome do Sobrevivente explica a personalidade dela, mas não explica ainda porque ela precisa fazer esse jogo com a Yuu, que é no fim das contas o motor da história até aqui.

      Obrigado pela visita e pelo comentário 😃

  4. Avatar

    Eu não posso te dizer de certeza se será satisfatório para quem não lê o mangá, pois com esse último flash back da irmã da touko ja se deu o início do arco dela, que só vai terminar ao final da peça de teatro o que obviamente não ver no anime, mas acho que mesmo com o final em aberto, o gancho final vai ser interessante, no mínimo curioso eu diria. Só nos resta esperar pra que tenha uma segunda temporada.

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Não vai chegar nem no final da peça, como assim? Agora fiquei chocado. Mas acho que é melhor eu saber disso antes do que depois. Será que o anime não vai inventar um final original aqui? Quero dizer, essa história de peça tá aí desde o começo do anime, seria muito frustrante não ter. Bom, vamos ver.

Comentários