Bom dia!

Outros títulos que esse artigo poderia ter:

O futuro começa hoje

Para todas as Asukas do mundo

Obrigado a todos que atravessaram esse crepúsculo comigo até o fim. Que anime, hein? Não, não é um “nota dez”, nem concorre a “melhor do ano”, mas é muito bom em sua proposta, e tem um final impressionante.

Garotas com problemas é a premissa, e todas elas têm problemas que não são só coisa de adolescente, mas podem ser sentidas de forma diferente por adolescentes. Libido, força versus feminilidade, solidão, sexualidade. E no caso da protagonista, que valeria um anime por si só, o luto.

Ligando esse artigo com o anterior, esse episódio com o anterior, a Asuka parte com a Asuka do Crepúsculo. Como eu escrevi então, ela não estava se sacrificando. Para suas amigas, claro, essa foi a impressão que ficou, e é compreensível que seja assim.

Ela se conectou com a humanidade da inimiga, destruidora de mundos. Tanto mais porque as duas são a mesma pessoa, que viveram duas circunstâncias diferentes após a mesma desgraça: a morte do irmão.

Suas circunstâncias foram diferentes, como ficará claro em breve, mas mesmo assim a protagonista destaca que o que importa não é isso, mas sim as escolhas que cada uma faz.

O mundo é feito das nossas escolhas, disse Asuka várias vezes durante o curso do anime.

Nenhuma Asuka de mundo nenhum pôde escolher suas circunstâncias. Todas elas tiveram que lidar com o fato de que seu irmão morreu. É como cada uma lidou que se manifestaram suas escolhas, que tiveram reflexo nos próprios mundos em que viveram.

Um modelo popular para trabalhar o luto (ou a perda, a tragédia, de forma mais geral) em psiquiatria são os Cinco Estágios do Luto, ou conforme seu nome acadêmico, Modelo de Kübler-Ross.

Apesar de suas deficiências (em particular, a falta de dados empíricos que o suportem e a dificuldade de generalizá-lo para qualquer cultura, a qualquer tempo), para um caso fictício ele é bastante útil.

As tais cinco fases são a negação, a raiva, a negociação, a depressão e a aceitação. Elas não necessariamente ocorrem nessa ordem, podem se sobrepor, e o tempo delas varia de pessoa para pessoa. Com isso em vista, vou nesse artigo do episódio final analisar como as duas Asukas passaram por eles.

 

Negação

 

 

A protagonista manteve o quarto do Kyouhei montado até o fim, anos depois. Esse é um sinal forte de negação, de não querer se desapegar, de acreditar que, talvez, ele ainda volte. Outras Asukas que ela conheceu exibiram o mesmo comportamento.

A Asuka do Crepúsculo, por sua vez, passou a negar que o próprio Kyouhei tivesse existido em primeiro lugar. É uma forma extrema de negação. Não é que ele morreu e por isso ela está sofrendo: ele nunca existiu em primeiro lugar. Foi isso que, no mundo fictício do anime, a tornou presa fácil para o Crepúsculo. Nas palavras dela, se o Kyouhei nunca existiu, que importa se todas as demais pessoas existem? Podem muito bem desaparecer todos que ela não se importa.

 

Raiva

 

 

Asuka ficou com raiva quando percebeu que estava esquecendo do Kyouhei. Ela coloca de forma diferente, mas foi assim que eu interpretei. Segundo Asuka, ela passou a se desculpar com os adultos. Era uma forma de conseguir conforto pela perda. Mas uma hora ela passou a buscar esse conforto mais por si mesma do que pela perda, e nesse momento ela se sentiu culpada. Sentiu então raiva de si mesma. Esse foi o primeiro ponto de virada nela.

A Asuka do Crepúsculo mantém sua raiva bastante ativa, embora afirme não possuir nenhuma emoção. Ela certamente está parada nessa fase até esse episódio. Qualquer coisa que a faça encarar a realidade a enfurece. Em particular, ela se enfureceu com a Asuka por ter continuado vivendo a vida normalmente, feito amigas e ser feliz.

 

Negociação

 

 

A protagonista, ao perceber que seu irmão estava diminuindo dentro de si, decidiu viver a vida no lugar dele. Foi nesse momento que ela saiu de casa, sorridente, e disse para a Yuu que iria herdar o negócio de missô da família. A Yuu achou isso estranho, mas deixou a amiga continuar a viver assim, porque ela estava aparentemente feliz.

A pequena Asuka entre nessa fase ao discutir com a grande Asuka. É uma forma direta e literal de negociação. Também pode-se argumentar que sua busca pelo Kyouhei, que descobrimos que ela estava fazendo, no intervalo entre destruir um mundo e outro, era isso. Algo como “mas ele ainda existe em algum lugar, certo?”.

 

Essa Asuka não teve uma Yuu para si

 

Nesse ponto quero destacar a minha avaliação certeira no episódio anterior: o que fez toda a diferença foi ter ou não ter a Yuu. Depois do irmão, era a criança com quem Asuka era mais próxima, e ter seu apoio nessa momento tão difícil foi crucial. Ao contrário da protagonista, a Asuka do Crepúsculo de fato não pôde contar com a Yuu. Esse episódio mostra como, ao que parece, a Yuu se mudou exatamente enquanto a pobre menina ainda enfrentava essa tragédia.

Ninguém pode superar o luto sozinho. Não se deve esperar ou cobrar de ninguém que seja capaz de atravessar uma tragédia sozinho e sair inteiro no final.

 

Depressão

 

 

A Asuka protagonista teve um breve período de depressão, em que parou de ir à escola. Foi durante essa fase que ela dependia do conforto dos adultos para aguentar mais um dia. Como ela nunca chegou a aceitação, ela deve ter tido vários episódios de depressão ao longo dos anos, como o que vimos após ela brigar com a Yuu no bar Octave.

Talvez a depressão da Asuka do Crepúsculo tenha vindo junto com a negação? Talvez quando ela viu que não poderia contar com a Yuu? Ou talvez tenha sido só aquele singelo momento em que ela pensou que, se o Kyouhei nunca existiu, então ninguém precisaria existir. Em todo caso, a raiva sempre foi mais forte nela.

 

Aceitação

 

 

Esse foi um estágio que as duas precisaram encontrar juntas. No Japão existem boas amigas de infância, mas parece que não existem psicólogos, afinal. A família também parece ter falhado com a Asuka – com todas as Asukas.

Encontrar a Asuka do Crepúsculo foi como encontrar-se a si mesma quando criança, logo após ter perdido o Kyouhei. Ver uma criança sofrendo tanto e ao mesmo tempo se esforçando tanto para parecer forte tocou Asuka profundamente. Saber que aquela criança era ela mesma a fez se entender melhor.

Foi nesse momento em que ela decidiu viver a própria vida. Sem esquecer o Kyouhei, mas sem continuar tentando viver a vida que deveria ter sido a dele. Asuka finalmente atravessou a ponte para o futuro que seu nome significa. Ela finalmente atravessou as trevas da noite que sobrevêm ao crepúsculo e pôde assistir ao alvorecer de um novo dia. O amanhã que se tornou hoje. O eterno hoje, em que o Kyouhei sempre estará com ela, mesmo que não esteja mais nesse mundo.

A pequena Asuka conseguiu entender isso também, libertou a protagonista e, presume-se, parou de destruir mundos.

 

 

O quarto agora vazio de Kyouhei ainda causa dor em Asuka, mas está tudo bem

 

Depois disso, o anime só mostrou um vislumbre desse futuro. Asuka desmontou o quarto do Kyouhei, mostrando que ela finalmente superou a morte do irmão, e decidiu ir para a faculdade – a mesma da Yuu, não menos.

Yuu que, aliás, parou de usar óculos e mudou um pouco a forma de agir. Certamente continua uma estudante modelo, mas está muito mais interessante do que apenas uma garota que sabe tudo. As demais garotas já estavam resolvidas e só faltava decidir o que seria do clube, já que elas iriam se formar, mas a Mia é um ano mais nova e sobraria sozinha. Arranjaram mais uma garota lá, que apareceu noutros mundos também, e logo a entrosaram em tudo o que faz parte do Clube de Pesquisa de Rádio.

 

Essa Yuu está muito melhor!

 

O missô roubado no final do episódio lembra Asuka que a outra Asuka ainda continua por aí – o que significa, metaforicamente, que todas as possibilidades continuam existindo, o mundo é feito pelas suas escolhas. Como um prêmio de “graduação”, ela finalmente obtém a sua fita cassete para poder se transformar.

Esse anime foi o último que eu escolhi para cobrir nessa temporada, e é o primeiro que acabou, mas estou grato que o tenha coberto. Foi muito melhor do que eu imaginava que seria, e emocionou em vários momentos.

Espero que tenha gostado de Akanesasu Shoujo como eu gostei, e que tenha gostado de meus artigos também. Até o próximo anime!

  1. Avatar

    Oi Fábio

    Esse anime acabou sendo uma surpresa pra mim e eu não estava esperando muita coisa.
    O final do primeiro episódio foi bem interessante, por ele minha motivação aumentou e aguçou bem a curiosidade para seguir rumo ao crepúsculo.

    Muito legal mesmo a proposta que foi trabalhada e dá para tirar várias reflexões, emociona bem.
    É uma pena que a animação não seja tão boa, acho que Akanesasu merecia uma animação melhor, mas enfim…
    A OP é 10/10 <3

    Esse episódio final foi bom e deixa brecha para uma possível continuação, é difícil mas não impossível. Quem sabe rs =D
    E foi bem aquilo de você abraçar sua criança interior e ficar bem consigo mesmo, um se aceitar e libertar.

    Muito obrigada por cobrir esse animu e relatar suas impressões.
    É bem criativa a forma como você escreve e esclarece suas reflexões.
    Ajuda as pessoas pensarem em outras possibilidades, e é bem bacana.
    Obrigada e continue nas missões das escritas.
    o/

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Olá Elisa, tá boazinha?

      Esse anime foi uma surpresa para mim também. Por pouco não assisto, e por mais pouco ainda não escrevo sobre ele. Eu demorei um pouco mais do que você para me vender para Akanesasu mas como já estava comprometido a escrever sobre ele, fui seguindo. Acho que passei a gostar de verdade dele em algum momento entre o arco da Mia e o da Chloe.

      A abertura é muito boa mesmo! Preciso pegar a versão completa dela, hehe.

      Sobre continuação, bem, eu não sei. Tenho a impressão que a saga da Asuka já terminou. Uma nova história com ela e suas amigas não parece fazer muito sentido. Mas esse mundo é interessante e poderia comportar outras histórias, com outros personagens. Infelizmente, acredito que não tenha feito muito sucesso. Cancelaram um jogo que estava programado para ser lançado. Cancelaram o lançamento de blu-rays. A coisa está feia, e talvez tenha sido até um milagre que tenham conseguido animar esse episódio final que, se não é suficiente para compensar pela animação fraca do resto da série, foi ele próprio primoroso.

      Obrigado pelos elogios 😳

      E obrigado pela visita e pelo comentário! Até o próximo anime!

Comentários