Gente desastrada e insana no mundo dos animes definitivamente é o que não falta, porém, essa série faz a sua entrada nessa temporada, mostrando que sempre é possível atingir um nível superior de loucura ao juntar as peças certas. É hora de fazer mágica com Tejina-senpai!

O que você faria se, por coincidência do destino, encontrasse uma cidadã desatinada que acha que sabe fazer truques mágicos? Bom, fingir demência e tentar sair de fino foi a escolha que o protagonista masculino – conhecido como Assistente – preferiu fazer.

A história de Tejina-senpai gira em torno da junção de duas figuras excêntricas num clube de mágica, sendo o primeiro um cara que está atrás de um clube que não exija muito dele e a outra, uma garota amante dessa prática que sonha em fazer grandes espetáculos, mas encara duas grandes barreiras: a falta de talento e seu pânico de público.

Ao topar com ela no começo e se deslumbrar com a vista, o rapaz segundos depois percebe a verdade sobre a Senpai, que se introduziu como uma divertida mistura entre Aru e Bocchi – protagonistas do recente Hitoribocchi no Marumaru Seikatsu -, fazendo maluquices, entrando em pânico e se atrapalhando a cada segundo que passa, o que deixa seu colega cada vez mais espantado.

É engraçado como ela própria não tem noção da sua incompetência e continua tentando desesperadamente se superar e mostrar que é capaz, mas, a cada mágica, ela ultrapassa os limites criando um desastre maior. A cena do dinheiro por exemplo foi uma comédia, pois me lembrou do filme Ghost, quando Oda May tem uma crise de nervoso na hora de dar o cheque polpudo às freiras.

Acredito que mesmo tendo como foco a comédia e o próprio ecchi – que aparece bem representado aqui -, o anime pode vir a explorar bem essa questão do desenvolvimento pessoal e “profissional” da personagem, dando chance para que vença suas próprias inseguranças. Dá para notar que mesmo estando tensa, ela tenta dar passos adiante quando interage com os outros colegas, mas o caminho vai ser longo.

A ingenuidade da Senpai é um elemento fofo e que casa bem com o jeito mais normal e impaciente do Assistente, já que ele funciona como uma vítima indireta das furadas dela e meio que se torna a voz da razão – que ela não ouve. No geral, todas as esquetes me fizeram rir por mais previsíveis e até bobas que fossem, mas a execução ficou redondinha, e convenceu que tem potencial.

A série tem duração média de 12 minutos e faz um bom uso de seu tempo exibindo quatro esquetes, assim como Sounan Desu ka?, também estreante. Não sei o que farão quanto aos outros personagens, mas, se todos forem “únicos” como a protagonista, a chance de isso dar certo é alta.

O estúdio LIDENFILMS é o encarregado pelo projeto e entregou um resultado inicial mediano, mas bonito e que oferece o necessário para a história fluir bem. Notei umas pequenas inconsistências no design – na abertura inclusive tem uma que é bem visível -, porém não acho que seja nada que estrague e nem deve ser algo tão recorrente daqui para frente.

Meu veredito inicial é que Tejina-senpai foi uma boa estreia, com um elenco carismático, uma premissa perfeita para a alopragem e um bom timing cômico. Já quero ver logo as amigas da Senpai em ação e torço pelo sucesso desse divertido anime.

  1. Avatar

    Ainda não sei o que achar deste primeiro episódio de Tejina-Senpai.

    O timming cómico não funcionou comigo, as vozes não são boas (parece que os seiyuus não colocaram alma nas falas).
    Nem tudo é mau, o design dos personagens é bom e a animação em geral é competente.
    Espero que as piadas melhorem nos próximos episódios, com a introdução dos outros personagens.

    Antes de terminar, gostei bastante do seu texto e a forma como colocou as imagens.

    Excelente artigo de primeiras impressões de Tejina-Senpai JG.

Comentários