Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Boa parte do que aconteceu nesse episódio já era bola cantada do anterior (ou anteriores). Assim, foi mais divertido assistir como as coisas aconteceram do que descobrir o que aconteceria. E em vista de tudo isso, como irão reagir os personagens de Rage of Bahamut: Virgin Soul? O que eles podem fazer e o que estará se passando na cabeça deles?

Um anime com um mundo complexo e bem desenvolvido e uma história que gira totalmente em torno de seus personagens: igualzinho a quando eu jogava RPG de mesa. Desde a primeira temporada, essa é uma das principais razões pelas quais adoro Bahamut.

Curta o anime21 no facebook:

O que era previsível previsivelmente aconteceu: Mugaro foi prestar seu auxílio a Azazel. Infelizmente parece que ele realmente não sabe mais do que fazer cosplay de lâmpada de sódio então sua participação se resumiu a iluminar o campo de batalha, anulando assim a tal magia misteriosa que o Rei Charioce emprega, e permitindo que seu tutor demoníaco confronte sem interrupções o rei dos homens. Sem interrupções até ser interrompido, claro, e por ninguém menos do que Kaisar. Desde há muito espera-se dele uma atitude. Kaisar já havia reunido a coragem para expressar seu descontentamento com a política discriminatória do reino ao próprio Charioce, mas nada havia feito para além de deixar o Azazel fugir ou tentar alertá-lo das ações do rei – sempre protegido pelas sombras da conspiração. Dessa vez ele fez isso diante do rei, com suas próprias mãos (e sob luz divina).

Mas o que era previsível previsivelmente aconteceu: Sofiel encontrou Mugaro seguindo o rastro do poder e o levou embora. Menos mal que Kaisar já havia obtido sucesso em evitar que Azazel fosse morto, mas sem Mugaro o poder das armaduras negras foi restaurado e os dois foram capturados. O que permanecia como um mistério imprevisível ainda era a participação de Nina: ela chegaria a tempo? Ela reconheceria Chris em Charioce? Ela se transformaria em dragão vermelho para salvar seus amigos? As respostas respectivas foram sim, não e não. Acertou só uma de três, Nina! Está reprovada! E presa também. Não querendo perder para seus amigos, Baco e Hamsa foram presos também.

Por fim, o que era previsível previsivelmente aconteceu: Favaro reapareceu! Demorou um bocado mas ele entrou em grande estilo, não é? Em grande estilo para um vigarista, claro: preso em uma masmorra. Foi lá que Kaisar o reencontrou, para seu espanto e de mais ninguém. E apesar de terem o cuidado de separarem homens e mulheres em alas separadas (tendo até carcereiras mulheres para a ala feminina), celas quase vazias (todos os personagens nomeados estão sozinhos em suas respectivas celas, e os presos genéricos não pareciam estar em celas superlotadas), ser bem iluminado (a despeito de ser declaradamente subterrâneo) e limpo (tem até latrinas em cada cela!), a prisão irrealisticamente humana de Anatea não oferece o básico serviço de barbearia. Favaro está um horror! E não pense que isso é luxo não: pulgas e piolhos transmissores de doenças infestariam nossos presídios se não tivéssemos esse cuidado com a população carcerária.

Em sua própria ala, Nina encontrou e aparentemente reconheceu Joana D’Arc. Me pergunto se reconheceu mesmo, por que de onde ela a conhece em primeiro lugar? Não tenho dúvida que a guerreira é famosa por todo o reino, mas não é como se existisse televisão e jornais naquele mundo como no nosso para que imagens fossem transmitidas rapidamente e com alta fidelidade para todos os rincões. É realista supôr que mesmo entre os moradores da capital muitos fossem os que não conhecessem Joana de rosto. Mas se não reconheceu, Nina pelo menos fez uma expressão de espanto ao vê-la. Azazel está em outro lugar, provavelmente no próprio castelo ou por perto, onde está sendo torturado para que diga onde fica a base dos demônios rebeldes. Na hipótese que não tenham todos morrido na tentativa de atentado contra o rei, deve haver mais alguns por lá esperando ser assassinados. Charioce não se importa tanto com isso contudo, já que foi até Azazel apenas para debochar do fato do demônio não saber que estava acompanhado de um mestiço entre humano e deus.

Só sobrou a Rita!

Vamos listar: Kaisar e Favaro estão presos na ala masculina da masmorra subterrânea, enquanto Nina e Joana estão na ala feminina. Azazel está preso no calabouço do castelo ou algum lugar por perto. Baco e Hamsa estão presos em uma cela dimensional muito louca no céu. Mugaro está preso no céu também, embora Gabriel afirme estar ao lado dele. Apenas Rita continua livre. Ela e Charioce, lógico. Os deuses querem o poder de Mugaro para voltar a submeter os humanos, e considerando o ímpeto assassino de Charioce não posso culpá-los por desejarem tal poder e carregarem tal ressentimento. Só não posso simpatizar com Gabriel e companhia porque sei que, contrariando o senso comum, não há santos no céu. Charioce queria encontrar Mugaro e matá-lo para negar aos deuses o último poder que eles poderiam usar para se opôr a ele. Talvez isso tenha atrasado sua guerra e evitado que atacasse diretamente o céu? A perspectiva da criança desaparecida revelar-se subitamente e esmagar seus planos? Faz sentido.

Baco e Hamsa presos; realmente parece que houve algo entre o beberrão e Sofiel no passado pelas reações dela

Afinal, como no caso da Nina (que infelizmente não conseguiu usar seu poder), situações extremas ultimam as pessoas a tomarem decisões e escolherem lados. Sem saber nada sobre Mugaro, Charioce não poderia ter segurança suficiente de que a filha de Joana D’Arc não fosse escolher defender os deuses enquanto os homens levavam à guerra até eles. Era um risco de altíssima gravidade e probabilidade desconhecida, não era seguro agir nessas condições. Enquanto procurava Mugaro, Charioce se limitou a diminuir o poder que os deuses tinham de procurar pela criança – e isso explica a cena inicial do primeiro episódio. Mas agora os deuses têm Mugaro e estão ansiosos para contra-atacar. O que acontecerá primeiro? Os heróis fugirão das masmorras ou a ira divina descerá dos céus?

  1. O mais engraçado e como você escreveu o que era previsível aconteceu, e tem razão em tudo…
    Não teve muitas surpresas além do Favaro nesse episodio.
    Também concordo Favaro Babeiros também comem.

    Fora isso gostei da luta a três, achei bonito de se vê, estava esperando o Favaro desde do primeiro episodio. Vamos ver se ela participa mais no próximo.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Bom, agora é a fuga da prisão né, digo, tem que ser, vamos ver. Pra esse tipo de coisa um ladrão vigarista como o Favaro parece a pessoa ideal =D

      Obrigado pela visita e pelo comentário, volte sempre ^^

  2. Este episódio de Bahamut foi muito bom, como de costume. Já se sabia que o destino dos demónios rebeldes e do Azazel já estava decidido à bastante tempo. O Azazel mesmo todo ferido, tentou combater o rei, que até aquele momento estava sem um único ferimento. Até aqui tudo bem, mas o bom cavaleiro, defensor da convivência das três espécies Kaisar apareceu, para se intrometer na luta do Charioce contra o demónio Azazel. O Charioce pode ser overpower, o Azazel forte e resistente, mas o Kaisar é dos heróis que ajudou a combater o temível Bahamut. Aquilo que o Kaiser tem em falta de fora, tem em experiência de combate. A luta deste trio foi das melhores lutas deste anime. Os deuses, são tão ao mais podres que os humanos e demónios, a maneira covarde que eles aprisionaram o Mugaro prova isso. Tive pena do Azazel nesta parte, ele mesmo sabendo nada sobre os poderes e origens do Mugaro, ele se preocupa com ele. Será que o Mugaro será a redenção do Azazel? O Azazel bem recorreu à Nina, para tentar ajudar o Mugaro, mas a Nina, mesmo esforçando-se para se transformar em dragão não conseguiu tal feito. Tive pena dela e dele, nesta parte.
    Quando a Nina e o Kaisar foram a Julgamento público, eu sabia que esta parte, seria aquela em que a Nina ia dizer umas boas verdades ao Charioce. O discurso dela, foi tão emocional e sentido, que até os súbditos do rei ficaram espantados pela ousadia da Nina, ao falar assim em frente do rei. Agora o Baco e o Hamsa, estão presos no céu, por terem sido cúmplices na ocultação do paradeiro do Mugaro. Cada vez que a Sophiel, fala com o Baco, fica cada vez mais evidente que os dois tiveram um caso no passado. O clima entre os dois, parece aquele que casais que se separam emanam.
    Achei interessante, naquele reino as masmorras, serem dividas entre alas das mulheres e alas para homens. Parece ser algo muito avançado para a época do anime. Achei engraçado a energia da Nina, mesmo sendo presa, não perde o optimismo. Já o Kaisar, acostumado a ser tratado com educação, ficou indignado com a atitude do guarda que o levou para a cela. A forma como a Nina olhou para a Joana, é digna de nota, até parece que ela reconheceu de imediato que aquela pessoa que estava em frente da sua cela, era alguém importante. Não sei se a Nina alguma vez tinha visto a Joana, mas parecia que ela a conhecia.
    Agora o momento que marcou este episódio, a aparição do Favaro. Eu mal ouvi aquela frase dirigida ao Kaisar, eu percebi logo que era o Favaro. Mesmo passando uma década ele não mudou nada (além daquela barba e cabelo estilo pirata). Eu só acho, que falta naquele mundo um equivalente ao King Camp Gillete (inventor da lâmina de barbear descartável), aquela barba do Favaro está horrível, mesmo para os padrões de higiene daquela prisão.
    Agora só sobrou a Rita livre, e de certeza que ela vai salvar os rapazes e a Nina, afinal a Rita é a best girl do anime.
    Como sempre, mais um excelente artigo de Bahamut Fábio.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Com o que está com mais saudades, de ver o Mugaro sendo chamado de Mugaro e junto com Azazel, Nina e companhia, ou das minhas respostas aos seus comentários? =D

      E ainda espero que o Mugaro seja a redenção do Azazel, como você disse aqui. Ele não irá passar a detestar seu companheiro que lhe foi tão fiel e tão amigo por tanto tempo, ou vai?, só por descobrir que ele na verdade é um deus. Muito legal, aliás, que o Mugaro, agora El, ainda se refere ao Azazel como uma boa pessoa. A inocência infantil, que o transformou em um pequeno nazista, também tem seu lado positivo, né?

      O combate desse episódio ainda segue sendo o melhor combate entre indivíduos do anime até agora. A guerra entre humanos e deuses foi legal, mas não teve combates como os desse episódio. Será que o Charioce perde sua super-força quando sob efeito do Mugaro? Ou será que o Kaisar está mesmo tão forte assim? Bom, ele lutou contra demônios na temporada anterior (contra o próprio Azazel, aliás), eu não duvidaria que ele fosse capaz de aparar um golpe do homem que fez a Nina se esforçar para derrotar na queda de braço.

      E o Favaro apareceu mas ainda não fez nada de útil até agora!!!

      Feliz aniversário =)

      • Estava e estou com saudades de tudo o que referiste. Acredito que o Mugaro será sim, a redenção do Azazel, a forma como o Azazel cuidou o Mugaro foi pura, se calhar por este pensar que o Mugaro era um demónio, mas nada impede que ele continue amigo do Mugaro, mesmo este sendo um Deus. A inocência infantil do El, é como uma espada de dois super afiada. O El quando manipulado pela cobra peçonhenta que é a Gabriel, tornou-se um mini nazi, que pensa alto demais. Bem sabe o El, que maior a subida, maior será a queda.
        O combate deste episódio foi muito bom, o Kaisar mesmo maneta, conseguiu lutar de igual, para igual contra o todo poderoso Charioce e contra o demónio Azazel.
        O Kaisar não é muito forte, mas ele tem a experiência de combate ao seu lado. Nem sempre uma luta se vence apenas com força bruta, é necessário agilidade e capacidade de raciocínio, coisa que o Kaisar tem que sobra.
        O Favaro só vai intervir quando o mundo estiver a acabar e olha lá.

      • Fábio
        Fábio "Mexicano" Godoy

        Quando a bondade e da desastrada da Nina não fizer efeito, talvez algumas palavras do Azazel possam colocar o El de volta no rumo certo. Quem sabe os dois não se salvem mutuamente, um ao outro?

        Quanto ao Kaisar, que se adicione ainda que lutar apenas para impedir, e não para ferir, é ainda mais difícil. Ele provavelmente é um dos seres humanos sem nenhum poder especial mais fortes do mundo nesse momento.

      • Com sorte, talvez o El e o Azazel se tornem irmãos e se salvem um ao outro. O Kaisar tem muita sorte, em ter a Rita e o seu eterno rival para o ajudar, mas quando ele quer, mesmo não tendo super poderes, ele luta bem.

Comentários