Como prometido no artigo de primeiras impressões, começo aqui minha cobertura de Princess Principal. E por falar em começar, Princess Principal começou a história do meio pelo visto, não é? O que se costuma chamar de in media res, literalmente “no meio das coisas”, “no meio dos acontecimentos”. Não é uma técnica narrativa incomum em animes para TV já que, por sua forma seriada, precisam conquistar a audiência logo nos primeiros episódios (no primeiríssimo, de preferência), mas começos de história nem sempre são tão empolgantes assim. Porém, curiosamente, dos mais de 30 animes dessa temporada que estou assistindo, apenas Princess Principal lançou mão disso.

E não que precisasse – não para esse propósito, pelo menos. Quero dizer, esse episódio não teve toda a ação desenfreada e emocionante do primeiro, mas foi tenso e angustiante como uma história de espionagem deve ser. E cheio de reviravoltas!

No primeiro episódio foi exibida a formação completa da equipe de espiãs que protagonizará o anime, e foi revelada uma surpresa que não deveria ser surpresa (está no nome do anime, afinal): a própria princesa do país era uma das espiãs. Bom, ela não era uma agente de campo, não saiu para nenhuma missão, mas conversou normalmente sobre a missão junto com as demais. Por que ela faria isso? O episódio nem toca no assunto e ninguém parece ter se importado, de tão poderoso que ele foi.

Eis que o segundo episódio é justamente sobre isso: por que a princesa do Reino é uma espiã contra seu próprio país? Desde quando? Perguntas como essas exigem respostas complexas, e demorou o episódio inteiro para que tudo fosse plenamente entendido – e na verdade, ainda faltam pedaços vitais de informação, os quais, precisando, me permitirei especular.

Ela não era inicialmente uma espiã (na verdade, tecnicamente, era). A Comunidade planejou a ousada missão de substituir a princesa por uma de suas agentes – o que eu entendi: a ideia era sequestrar (e matar ou não, tanto faz a essa altura) a princesa e colocar uma sósia em seu lugar. Ange foi a escolhida. O velho ditado sempre parece correto, não é? O melhor lugar para esconder uma árvore é no meio da floresta. Adicionalmente eles teriam acesso a informações que só alguém da realeza poderia ter, além de sua autoridade. Mas não é nada fácil executar um plano desses. Como substituir perfeitamente alguém, sem que qualquer um se aperceba? O anime sugere que a missão só foi aprovada mais ou menos sob pressão já que seria útil para uma outra missão, muito mais urgente. Ainda assim acho o plano uma insanidade e me pergunto se não há alguém dando apoio à Ange na Comunidade para que isso tenha sido aprovado.

A sala de controle

Insanidade ou não, o plano deu certo, porque desde o começo era impossível que desse errado. Na grande reviravolta do episódio, em sua última cena, ele revela que Ange e a Princesa Charlotte já se conheciam há muito tempo. E a Ange na verdade é a Charlotte e a Charlotte na verdade é a Ange. Elas estão usando a Comunidade e o Reino para quaisquer que sejam os seus próprios objetivos pessoais. Para efeitos de sanidade mental, ainda que uma seja a outra e a outra seja a uma, continuarei chamando a até então Ange de Ange e a até então Princesa Charlotte de princesa, Charlotte, ou Princesa Charlotte. No plano das duas, a princesa (que seria substituída) “descobriu” que Ange e Dorothy eram espiãs e propôs um acordo: cooperaria, seria uma agente dupla, desde que a Comunidade desse apoio para que ela venha a assumir o trono do Reino.

A princesa deve confiar bastante nessa Beatrice, né? Ou tem coisa aí…

Charlotte é a quarta na linha sucessória. Como curiosidade, a quarta na linha sucessória ao trono britânico hoje é … a Princesa Charlotte, nascida em 2015, neta do Príncipe Charles e bisneta da Rainha Elizabeth II. Isso significa que ela será rainha depois de seu avô Charles, seu pai William e seu irmão George? Se George morrer antes dela e não tiver filhos, ou abdicar antes de gerar herdeiros, sim (não sei como fica a situação de herdeiros de monarcas que abdicam porque perdem o direito ao trono – por exemplo, algum que abandone a fé anglicana). Essa é a pegadinha da sucessão britânica – ou melhor, é uma “pegadinha” para quem dá bola para a linha sucessória. Pela forma como é definida é claro que a chance de que ela assuma é muito pequena desde o começo, não é? Provavelmente é o mesmo para a Charlotte de Princess Principal, daí que a pretensão dela soe verossímil – e talvez seja verdadeira mesmo.

Mas como fica o flashback da Ange no primeiro episódio e a triste história de sua infância conforme ela contou para o cientista que fingia querer se exilar no país vizinho? Talvez seja verdadeira. Talvez seja parcialmente verdadeira. Não quero acreditar que seja mentira porque me parece “errado” que tenham se dado ao trabalho de animar um passado inexistente, mas não descarto essa possibilidade também. O fato é que com tudo o que Princess Principal mostrou até agora, o anime continua muito imprevisível e isso é fascinante – particularmente considerando que está sendo escrito pelo mesmo roteirista de Code Geass, anime que eu previ com mais de dez episódios de antecedência o principal acontecimento de sua primeira temporada.

Esse flashback pelo menos deve ser real

  1. Este episódio de Princess Principal foi muito bom. O que não teve de acção como o primeiro episódio, transbordou tensão e mistério do inicio ao fim. A forma como o anime, vai explicar como as garotas se tornaram espias e como tudo se desenvolveu como se viu no episódio 1, foi como eu previ. O roteirista do anime, vai fazer como fez em Valvrave, vai mostrando um pouco do passado e depois volta para o futuro, se ele fizer isso tão bem como fez em Valvrave, Princicess Principal vai se tornar um anime de excelência. O roteirista do anime, tem muito a mania de misturar o presente com o passado e em alguns momentos o futuro, mas isto funciona extremamente bem em certas partes do anime (em Valvrave ele tinha a mania de mostrar o futuro de alguns dos personagens e depois voltada para o passado dos mesmo e funcionou muito bem (mesmo eu não tenha gostava muito desse anime, tenho que admitir que a história em grande parte foi bem dirigida e executada). E em relação aos flashbacks, tens que ter muita atenção, porque esse roteirista não faz ponto sem nó, eles geralmente dão-nos pistas das motivações das personagens.
    Passando mesmo ao episódio, eu no primeiro episódio achei que a princesa fosse boba, que estivesse aquém dos assuntos de espionagem, mas como eu estava enganado. A princesa tem dupla máscara, como um bom espião deve ter, o pedido ousado dela para a Ange companhia, foi o que mais me deixou surpreendido com a princesa Charlotte. Quais serão os planos dela, para se tornar rainha daquele reino, se ela está em quarta posição na linha de sucessão, porque mesmo por meio da chantagem é um pouco difícil eliminar quem está no topo da linha de sucessão. Na história das monarquias europeias, o tema da sucessão ao trono só dava dores de cabeça, principalmente na Inglaterra e França. No que toca ao tema das abdicações a Monarquia Inglesa esteve cheia delas, uma das mais polémicas foi a do Eduardo VIII que nem chegou a reinar um ano completo (sendo sucedido por George VI, pai da Rainha Isabel II de Inglaterra.
    Cada vez mais, acho a Ange uma excelente personagem, aquele jeito único dela, é que me desperta a atenção. A forma como ela convenceu aquele diplomata (o Morgan) pareceu-me honesta, ela não parecia estar a mentir naquele momento ( e deu esperanças ao pobre coitado).
    Outra surpresa deste episódio, foi o facto da Doroty ter 20 anos, ela que era a única com um corpo de adulta, era afinal uma adulta (faz sentido, já que ela que conduz o carro). Além da sua aparência enganadora, a forma de resolver os problemas com os seus alvos, são muito pragmáticos, os homens não resistem aos encantos de uma bela mulher. Só quero ver, se a Doroty vai continuar a valer-se do seu belo corpo,para sair das situações mais complicadas.
    Já a relação da Beato,soa-me meio cliché, mas ao menos a princesa tem uma servente de confiança a seu lado (e que tem excesso de zelo, pela segurança da princesa).
    Foi só impressão minha, ou aquela mulher que acompanhava o Morgan, parecia ser uma mulher trazida da índia, não me digam que o anime se vai aventurar além do reino divido, com a introdução de agentes das colónias.
    O Duque da Normandia vai ser o grande vilão do anime, e neste episódio já começou a deixar sair as garras de fora. Tive pena do Morgan ter sido baleado, o velho só queria voltar para junto da sua esposa. A arma que o Duque da Normandia usou para dar um tiro no Morgan, era um dos muitos feitos de ocultação de arma de fogo em objectos. A era Vitoriana foi cheia de invenções que nem passam pela cabeça das pessoas, sendo as principais as armas ocultas em bengalas, chapéus de chuva, nos casacos, em espadas (na zona o cabo) e mesmo em anéis (como se viu no caso do Duque da Normandia).
    O que dizer mais deste episódio, depois de tanta coisa boa que apareceu nele, eu adorei a parte do salão de convívio/dança aquele estilo de arquitectura e decoração do período Vitoriano estavam excelentes, já para não falar dos fatos e vestidos dos personagens que condiziam e muito com esse período.
    Só espero que o anime, vá ficando cada vez melhor e nos vá contando mais sobre a história das garotas (quero um episódio sobre o passado da kunoichi o mais depressa possível, estúdio que está a fazer este anime).
    Como sempre, mais um excelente artigo Fábio.

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Com já vários episódios além desse, está bem estabelecido que Princess Principal é uma história de ação, antes de qualquer coisa. Mas é também uma história de espionagem e esse episódio foi todo de espionagem, sem nenhuma ação, e foi muito bom. É gratificante assistir um anime que consegue alternar entre estilos narrativos tão diferentes com naturalidade, sem prejudicar o andamento do enredo. Quem consegue fazer isso certamente também consegue contar uma história de forma não-linear sem problemas, não estou sequer minimamente preocupado. Só consigo ficar cada vez mais animado com Princess Principal.

      Os flashbacks que tivemos até agora me pareceram não mostrar ou contar nada demais, e sim, isso me preocupa bastante. Não me preocupa que possam não ter contado nada, me preocupa que eu possa não ter percebido. E eu achando que poderia desvendar o enredo de Princess Principal como quem monta um quebra-cabeça, como fiz com Code Geass, mas acho que a escolha por uma narrativa não-linear vai me prejudicar. Vou precisar revisitar episódios antigos com alguma frequência se quiser tentar deduzir algo certeiro, presumo. Flashbacks nesse sentido são o menor dos problemas.

      Eu não tive impressão que a princesa fosse boba, mas achei muito estranha sua presença no primeiro episódio. Simplesmente não consegui pensar em nenhuma explicação. Acabei nem tentando muito, considerando que era um episódio inicial cheio de ação para apresentar o anime, e in media res, não menos. Felizmente o segundo episódio logo explicou, mas esse conforto sem dúvida foi apenas passageiro dado que ainda não sei nada sobre Charlotte e Ange, ou Ange e Charlotte. E Princess Principal não está preocupado em me esclarecer nada por enquanto, apenas me confundir mais.

      Me interessam os clichês que cada personagem personifica porque estou curioso para saber se em algum momento elas serão testadas. Dorothy faz o tipo femme fatale, mas e se algum homem eventualmente quiser mesmo levá-la para a cama, e pelo bem da missão ela não tiver escolha senão aceitar? Ela vai continuar fiel ao seu estereótipo? Perguntas semelhantes podem ser feitas sobre todas as demais garotas. Gostaria de ver o anime explorando isso, se possível.

      Acho que agora (não agora após o segundo, mas agora após o quarto) não tenho mais direito a nenhuma dúvida de que o Duque da Normandia é o grande vilão do anime. Talvez haja alguém por trás dele, mas ainda assim é ele quem dá as cartas de algum modo, ele escolheu estar na posição que está e está agindo o tempo todo por sua própria vontade. O roteirista de Princess Principal não é do tipo que nos permite duvidar da vilania de ninguém. O Duque da Normandia esteve do lado oposto ao das heroínas em dois de quatro episódios (acho que três, ele estava por trás do plano de falsificar dinheiro da Comunidade também? agora não me lembro de cabeça), e no quarto ele sussurrou no ouvido da rainha tentando influenciar o futuro da princesa – para um rumo que ela certamente não deseja.

      Nada a reclamar de Princess Principal até agora, muito a elogiar. Melhor anime da temporada no momento.

      Obrigado pela visita e pelo comentário =D

      • O Duque da Normandia, está sempre envolvido de forma directa e indirecta em tudo o que acontece no anime. Já não é o primeiro vilão, que eu vejo ser feito pelo roteirista do anime, mas o Duque da Normandia, tem tudo para ser o melhor vilão deste roteirista.
        Acredito que a Dorothy, nunca avançaria iria além do ponto, com a pessoa que a quem ela lançou charme., Ela não parece ser daquele tipo de personagem que segue por esses caminhos mais obscuros.
        Quanto ao facto de Princess Principal, ser o melhor anime da temporada até agora, não tenho forma de contra-argumentar esse facto (no fundo do meu ser eu adoro Made In Abyss e gosto da qualidade técnica dele, mas ele não se passa numa Londres Vitoriana steampunk e nem tem canhões, revolveres como Princess Principal).

      • Fábio "Mexicano" Godoy

        Made in Abyss é muito bonitinho e eu adoro a Rika e o Reg. A competição é forte, mas ainda prefiro Princess Principal, o mistério me estimula mais, hehe.

Discussão