Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Olá pessoal, aqui é o Kakeru17 e precisamos falar de Ballroom e Youkoso e desse segundo episódio que manteve o belo e envolvente ritmo com o qual o anime começou!


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Nele somos apresentados a novos personagens: a gordinha Banba Karen e o calvo Jinbo Tomochika – ambos trabalham no estúdio e vão dar aulas para o Tatara –, mas quem rouba a cena mesmo é Hyoudou Kiyoharu – parceiro de dança de Shizuku –, que é bem trabalhado ao longo do episódio, pois conhecemos melhor sua personalidade através de sua dança.

Aquele olhar 43 11/10!

A princípio o protagonista passa a vê-lo como alguém em quem pode se espelhar e pelo qual deve torcer, mas como Sengoku bem o avisa, ele tem que observar bem o jovem – eles têm a mesma idade – se um dia quiser dançar de igual para igual com ele. Ao longo do episódio vemos ele interagindo com os novos personagens e conhecendo mais um pouco sobre Shizuku e sua dupla, passando de contestação a admiração a solidez e confiança que ela passa.

ADORO o teor de zombaria que sinto nessa cena kkk…

Tatara ainda está aprendendo o básico da Valsa, e ao observar Hyoudou dançando ele finalmente “pega o jeito da coisa” ao imitar seus passos, mostrando que a sua forma de aprender é um pouco diferente da maioria. Seria esse o diferencial que comentei na análise do episódio anterior?

O anime está “mantendo a peteca” quanto a qualidade na animação e a fluidez nas cenas de dança – apesar de ainda não ter sido mostrada uma cena de dança mais longa –, além de continuar com a boa trilha sonora nos momentos certos. O “clima” do episódio favoreceu um pouco mais a comédia, mas também apresentou uma pitada de drama ao explorar as inseguranças e posteriores convicções do protagonista.

ADORO essa expressão de “preciso me esforçar ainda mais!”

Preciso ressaltar o equilíbrio que vejo em Ballroom, pois o roteiro consegue transitar entre comédia e drama de forma natural, sem escancarar um ou melodramatizar demais o outro. A direção reforça essa sensação já que adapta de forma fiel o mangá, mas não perde a mão ao dar leves retoques em cenas e diálogos.

Tá aí uma cena que ficou melhor animada! Aliás, que design de cair o queixo, meu deus…

Foi um episódio gostoso de assistir, nada inovador em sua proposta, mas que conseguiu ser eficiente em chamar cada vez mais o público para dentro de história. O preview do episódio seguinte também ajudou a aguçar esse interesse.

O novo personagem, Hyoudou, rendeu boas cenas – apesar da sua personalidade mais fechada – em que as comparações que Tatara fez entre os dois deram fruto a momentos cômicos, mas também a reflexões do protagonista que se questionou sobre o que poderia fazer naquele momento. Por fim, ele percebe que só pode continuar a se dedicar mais e mais, o que faz e até chama a atenção de Sengoku ao mostrar algo bastante peculiar em seu treino.

Olha o Tatara mostrando as suas asinhas!

A “dança de sombra” consiste no dançarino imaginar a sua parceira ao dançar sozinho fazendo movimentos que se encaixem com os dela. Tatara vê isso na dança solo de Hyoudou e Sengoku vê isso na dança solo dele. Como um novato já consegue dançar de forma tão coordenada a uma parceira que nem é a sua? Estaria ele demonstrando mais um diferencial em seu caminho para se tornar um dançarino profissional? Só saberemos as respostas para esses e outros questionamentos ao acompanhar os próximos episódios!

Seria essa cena uma previsão para o futuro?!

Gostei um pouco mais desse episódio que do primeiro, deu para sentir bem a progressão da história e ver novos detalhes encorparem a trama. Espero que o próximo seja ainda melhor e que conquiste os indecisos que porventura usaram a regra dos três episódios para o anime.

Bem, é isso por hoje, eu fico por aqui e até a próxima dança!

E mais um pouco de Shizuku para alegrar nossos corações ♥!

Comentários