Se você procura um anime com garotas fofas sendo fofas enquanto pilotam motos com sidecar, esse anime é para você! Nesse primeiro episódio de Two Car somos apresentados a Yuri e Megumi, as duas protagonistas do anime, sendo que a primeira assume o volante e a segunda é a co-piloto. As duas brigam bastante, mas consegue formar uma boa dupla e causar uma boa impressão inicial.

O episódio começa já apresentando as garotas em meio a uma corrida amistosa com outras duplas de competidoras – cada uma com algo que as diferencia significativamente das outras, o que não me incomodou e achei adequado dentro da proposta, vale dizer –, e vai intercalando momentos da corrida com flashbacks que mostram porquê e como as protagonistas entraram nesse universo, o que é essa paixão que as move, o que elas desejam ao pilotar uma moto com um sidecar.

No geral foi um primeiro episódio legal, divertido dentro do proposto – mostrar garotas fofas sendo fofas enquanto fazem algo –, com uma boa produção e um roteiro que se esforçou para entregar algo que tanto pudesse ser levado a sério como tivesse uma leveza e comicidade típicas de animes do tipo. Deu para curtir o episódio, ele conseguiu “vender’ minimamente bem a ideia geral do anime, o problema é que tiveram alguns detalhes que me incomodaram um pouco e que acho que contribuíram para que não tivesse sido melhor, como também alguns detalhes que contribuíram para, ainda assim, ter sido bom.

Adoro o character design desse anime, ele é muito, muito bonito mesmo! ❤

Ao longo do episódio tem o técnico delas que parece interessante e o qual seria bom ter visto o rosto, mas a cara dele aparece? Não! Só não é pior que o Almirante de Kancolle porque pelo menos a gente ouve a voz dele e vê sua silhueta, mas para quê esconder o rosto? Para mostrar depois e gerar impacto? Acho difícil, não faz muito sentido e me pareceu mais que foi uma tentativa de não dar um destaque maior a um personagem masculino e deixar esse destaque todo para as garotas fofas; sendo elas corredoras, pessoal dos bastidores ou até a simpática professora das protagonistas.

Outra coisa que me incomodou foi elas terem vencido da forma que venceram, partindo da última posição enquanto ultrapassavam todas as outras. Sério que não tinha mesmo como fazer elas vencerem de uma forma mais convincente, de uma forma mais difícil? Se é para ser assim qual a graça delas competirem nos próximos episódios se elas conseguem ultrapassar todas as adversárias no final? Elas ficam parecendo boas até “demais” assim! Cair no clichê do protagonista que sempre dá um gás no final e ganha é bem medíocre. Espero que o anime não force mais situações como essa.

Gostei das roupas delas e da pintura da moto e do sidecar também!

Mas nem tudo é óleo vencido e posso dizer que gostei bastante da forma como retrataram a corrida de motos com sidecar, não tornaram algo expositivo e chato e nem raso e substituível. Se deram ao trabalho de construir um contexto para elas terem se interessado por aquilo e para elas entrarem nessa competição. Além disso, a parte técnica foi boa na hora da corrida, apesar de eu achar que ela pode empolgar ainda mais se for uma corrida mais competitiva como essa infelizmente não foi.

Outra coisa boa foi a história do técnico delas viajar para se desafiar a melhorar, e isso porque elas o motivaram a tomar tal decisão. É algo clichê, eu sei, mas não é necessariamente ruim, até reforça o quanto a dupla é boa, o que ainda acho que não justifica aquela vitória, infelizmente. Inclusive, a Ilha de Man que ele cita realmente existe e é palco de corridas de sidecar exatamente como ele falou.

Socos de parabenização >>> um abraço. Hue!

Não pesquisei a fundo, mas acredito que essa Ilha de Man seja mais ou menos como a ilha em que as garotas moram, que, aliás, com a justificativa dela ser uma zona especial, reforça o incentivo a prática automobilística. Só não sei se realmente existem locais sem limite de velocidade como retratado no anime, mas se existirem ao meu ver conta como mais um ponto positivo para a produção que buscou, ao menos nesse começo, mostrar um bom nível de verossimilhança quanto a esses detalhes.

No fim das contas acredito que o saldo foi positivo, pois não foi um episódio espetacular nem nada, mas pare quem não se incomoda em ver garotas fofas sendo fofas enquanto fazem algo – se ganhasse 10 mil por cada vez que disse a palavra “fofa” nesse artigo eu estaria rico agora rs – deve ter sido bastante satisfatório, creio eu.

Confesso que pensei que elas fossem se confessar e gostei disso não ter acontecido kkk…

A última coisa que quero pontuar é que gostei da forma como trabalharam as duas, mostrando que elas brigam muito, “batem cabeça mesmo”, mas que são na verdade bem parecidas porque gostam das mesmas coisas e acabam sempre agindo de formas parecidas também. Não trabalharam o que há de diferente entre uma e outra, mas sim o que há de parecido entre elas. Isso solidifica a química da dupla de uma forma peculiar e serve como um bom ponto de partida para que possamos gostar das personagens e “comprar” elas e a forte parceria que elas têm e que deve ser capaz de vencer a competição no final. Mas sem apelar para protagonismo tirado daquele lugar, por favor!

Indico o anime para quem gosta de garotas fo… vocês entenderam, né! Não o indico para quem se incomoda com a ausência de personagens masculinos minimamente relevantes ou moe ou motos – muito menos motos com sidecar – nem para quem não gosta de algo leve que parece sério ao mesmo tempo em que é despretensioso e até meio bobo. Para quem quer se divertir com moe e velocidade é um prato cheio, para quem tem um carro pica ou um Celta 2012 é melhor ainda! Desculpem, eu não consegui deixar a piada passar, foi mal mesmo, vou tirar o pé do acelerador e diminuir esses 80km/h agora, prometo rs…

Espero que tenham curtido essa duplinha radical que só avança a toda velocidade!

  1. Hmmm…Ilha de Man TT Sidecar race…Hmmm juicy…E não não tem limites de velocidade na competição é pura “força livre” nas ruas estreitas e estradas tambem mais estreitas. Esse eu vou ver!!!

  2. Acabei de ver o episodio 1…Bem…
    A ilha de Miyakejima ela realmente existe e fica bem na area da Baia de Toquio é um ilha vulcanica e a única estradinha que tem lá é a que circunda toda a ilha. Fun fact: os cenários são praticamente os mesmos de Barakomon (só que Kandasan ficou nas Ilhas Goto que estão situadas proxima a Nagasaki).

    No quesito “verossimilhança com o mundo real”: Não muito, não acredito que a Fédération Internationale de Motocyclisme (FIM) vai dar licenças de pilotagem deste esporte (que é perigosissimo diga-se) a um bando de adolescentes de ensino médio. Ah! Me lembrei na ilha as meninas do clube arrasam nas pistas com seus sidecars de 600cc indo para escola e passam pelo posto policial que para o “pursuit” tem a disposição uma ISETTA de 247cc e miseros 13 Hp!!! Nessa hora comecei a desbragar de rir!!!

    Mas é um baita motoesporte bonito de assistir o driver e o passenger tem de estar muito bem afinados para as manobras porque esses demonios de 600CC e uns 100 Hp (eles podem preparar para por bem mais cavalos nisso aí) tem guidão fixo (não é como de uma moto normal as curvas acontecem com a movimentação do passenger que causa a transferência de peso e aumento de aderencia no pneu – que são tres apenas e a habilidade do driver em acelerar e frear na hora exata) e os freios são minimos acho que só existem por exigencia da FIM pq é dificil ver um deles freando.

    As cenas de corrida até que foram legais (acho que daqui a pouco vai ter um game em PS4 para isso…Se não, tão esperando o que?). No resto em tres palavras: moe, moe e moe.

    De qualquer forma as meninas do Ashitabamaru Team já tem um fã…

  3. Realmente, é necessária certa suspensão de descrença quanto as garotas terem licenças para pilotar, mas achei que quanto ao resto foi até bem realista, na medida do possível claro. Ademais, fico feliz que tenha se divertido com o anime, pois me parece que é exatamente esse o objetivo dele, divertir com bastante moe e comédia leve.

Discussão