“Como diria o Filósofo Piton, tudo na vida depende do quanto você quer…” .É sério, depois do que aconteceu na reta final desse primeiro episódio essa foi a frase icônica que logo veio à minha mente. Evil or Live é um anime chinês da temporada e conta com uma premissa peculiar e bastante chamativa, o problema – aliás, o maior problema da maioria dos animes chineses – é a sua execução questionável, que se não joga uma boa ideia no lixo, a trabalha de uma forma estranha e aparentemente meia-boca.

A premissa do anime é a de que existe uma escola que reeduca jovens viciados em internet – funcionando tal qual a, ou até pior que, um reformatório – afim de reabilitá-los para o convívio em sociedade e/ou afim de curá-los desse vício(?). Isso não ficou assim tão claro para mim, mas a verdade é que é mais ou menos isso o que vemos ao longo de seus mais de 20 minutos: jovens sendo postos em uma escola que mais parece uma prisão tendo que seguir rígidas regras e até apanhar bastante por causa do seu vício em internet.

Eu não sabia que essa era a minha cara versão anime. Não, pera…

O vício em internet sendo tratado como uma doença é algo bastante questionado nos dias de hoje, é um assunto que diz respeito não só a jovens como também a pessoas de todas as idades – afinal, praticamente qualquer pessoa hoje em dia pode ser facilmente exposta a esse “mau” chamado internet, né – e exatamente por isso achei que limitar o problema apenas a certa faixa etária foi um erro, pois isso quer dizer que só os adolescentes que são viciados em internet? E os adultos não têm “escolas” para eles também? Podem até ter, mas o anime não diz isso e duvido que toque nesse tipo de detalhe.

Outro ponto negativo, e um bem mais relevante, é a falta de carisma dos personagens, talvez tirando o rapaz de cabelo roxo; os guardas, a diretora e até o protagonista não foram nada interessantes nesse começo. Na verdade, o próprio personagem de cabelo roxo teve grandes problemas, afinal não fica claro o que ele realmente quer ao chamar o protagonista para o seu lado oferecendo-o uma transa com a garota que ele quiser. É sério isso? Ele não deveria convencer o cara a ajudá-lo a encontrar uma forma de sair daquele lugar ao invés de ir atrás de um rabo de saia para ele? Até agora estou tentando entender a lógica por trás de uma coisa tão idiota dessas e simplesmente ainda não encontrei. Foi algo que destonou completamente do que vinha sendo mostrado até então e não fez sentido algum para mim.

Esse merece se ferrar um pouco na vida pra aprender uma lição!

Além disso, ter tantos jovens bonitos e/ou esbeltos, e sem nenhum ou com poucos sinais de sedentarismo, me pareceu meio irreal, o que faz pensar que esse “vício” não fazia com que eles se desleixassem tanto assim com a aparência ou com o condicionamento físico. Isso é algo difícil de engolir e não me parece nada verossímil, pois os personagens não pareciam que deixavam de comer ou dormir para ficar online. Não haviam sinais físicos comuns a quem passa horas e horas, falo por experiência própria, na frente da tela de um computador – obesidade, olheiras, etc.

Ademais, só posso dizer que gostei do clima inicial, acho que ele preparou minimamente bem a ideia do que viria a ser apresentado a seguir, o problema mesmo foi a apresentação em si. Foi tudo meio confuso e raso, tendo sido a conversa entre o protagonista e o cara de cabelo roxo a “cereja podre” do bolo. A questão do vício em internet que a obra levanta é ótima, agora a produção terá que ter cuidado para não mostrar apenas um lado da moeda e tratar como corretas as ideias que a “escola reformatório” prega sem questioná-las adequadamente, pois aí sim estaria desperdiçando todo o potencial que o anime tem ao tratar de um assunto tão sério e atual.

Quando você quer pegar o cara e disfarça dizendo que é dono dele…

Espero que esse anime melhore nos próximos episódios, pois a estreia até que não estava indo tão mal até ter aquilo no final, o que quebrou totalmente o clima sério e tenso construído até ali. Desejo que esse anime trabalhe melhor seus personagens e seus objetivos de agora em diante, pois precisará bastante disso se quiser sobreviver a regra dos três episódios que alguns devem fazer.

Indico esse anime para quem, assim como eu, está até hoje tentando encontrar um bom anime chinês de temporada, e para quem se interessou pela sinopse e tem paciência, bastante paciência mesmo. Quem não preenche ao menos uma dessas duas condições indico que passe longe, que gaste seu tempo de acesso a internet vendo animes com os quais valham mais a pena se viciar.

P.S.: As cenas de filmagens reais não me incomodaram, apesar de algumas terem sido desnecessárias e idiotas, já vi isso em outros anime e entendo que foi uma tentativa de aproximar o público do assunto, de fazer parecer com que a história do anime pudesse ser uma história real ou algo assim. O grande erro, como já repeti várias e várias vezes, foi a execução ruim do anime que tornou tudo meio caricato e não tão condizente com o que se esperaria daquele tipo de situação se ela fosse real e a execução exagerada desse elemento em si, que eu espero que diminua nos próximos episódios.

Quem sentiu vontade de se jogar do prédio fui eu depois de uma coisa dessas…

  1. Avatar

    N concordo com o fato de só ter adolescentes sendo “reabilitados” ser um ponto negativo, afinal os responsáveis deles que os obrigaram a ir para esse “reformatório” e se lascarem lá. Então um adulto deveria matricular a sí próprio lá, e por que diabos faria isso??

  2. Avatar

    O problema não é focarem só em adolescentes, é em nenhum momento falar que isso ocorre também com adultos. Ficou estranho, mas é um problema ínfimo em comparação aos outros. A família poderia “interditar” um adulto e interná-lo em uma instituição dessas, mais ou menos o que ocorre com alcoólatras ou viciados em drogas ilícitas, por exemplo.

  3. Avatar

    Gostei da metade do anime pro final … Só fiquei com algumas pontas soltas : o Shin tava na escola pra q afinal? N entendi a vingança dele por ter matado a mãe do Shin… A shiori se recupera e consegue ver o irmão,? Ela denúncia o primo do pai por abuso? O que q vira a escola? N encontrei respostas pras pontas soltas do anime… Deveria ter um episódio só mostrando que tava tudo bem com eles e tal sei lá…

  4. Kakeru17

    Dei uma pesquisada e fiquei sabendo que o nome original do manhua (quadrinho chinês) é Lixiang Jinqu, mas não encontrei maiores informações sobre até onde foi a adaptação, nem se o original já foi finalizado. Pior que o anime acabou com um climão de que não vai ter segunda temporada, né, e realmente seria bacana um ova ou algo do tipo para fechar essas pontas soltas.
    Como se trata de um anime chinês, eles têm mostrado mais facilidade para conseguir continuação, ainda acho que pode sair alguma animação da obra, mas se passar muito tempo não deve rolar. Se quiser saber mais sobre o pós-anime indico que dê uma olhada no manhua mesmo.

Comentários