Excelente. Se eu pudesse resumir esse episódio de Kekkai Sensen em uma única palavra diria que ele foi: excelente; diria que foi até melhor que o primeiro episódio — num contexto de “enredo”, até porque a produção do primeiro episódio dessa 2ª temporada certamente foi melhor. Bom, apesar de ser um anime basicamente episódico, esse episódio conseguiu desenvolver melhor a “nata” de Kekkai através de um flashback incrivelmente interessante e — indiretamente — informativo.

O episódio começou como se fosse apenas ser uma história isolada dentre as várias histórias que já vimos em Kekkai Sensen; porém, apesar de continuar sendo uma “história isolada”, dessa vez, de forma um tanto quanto sutil, foi possível “encontrar” um certo desenvolvimento da atual cidade de Hellsalem, do acontecimento de três anos atrás e de dois importantes personagens da trama. Apenas para contextualizar, esse “desenvolvimento” que citei anteriormente só foi possível graças a aparição de um antigo hospital que existiu há três anos, no período onde o “mundo virou de cabeça para baixo”. Assim como todos já sabem, Hellsalem’s Lot é a antiga cidade de Nova York e, nessa antiga cidade, existia um grande hospital — que no dia onde a névoa encobriu a cidade — que atendeu todos os feridos daquela gigantesca catástrofe.

Através de uma série de flashbacks, foi possível ver que Nova York literalmente foi feita em pedaços, era como se um meteoro de grandes proporções houvesse atingido o centro da cidade fazendo com que tudo fosse pelos ares. E o mais interessante com relação ao fato de estar tudo destruído é que eu tive a leve sensação de que a cidade — de alguma forma — estava sendo reconstruída de uma nova maneira. Veja bem, todos os prédios estavam flutuando como se não houvesse quaisquer indício de gravidade no local, só que ao invés de ficarem apenas flutuando por aí, era notável que aos poucos eles estavam se unindo e formando novas construções — inúteis. Por algum motivo, a cidade estava sendo “refeita”.

Outro fato que pudemos observar graças a esse flashback é como Klaus e Steve foram parar lá. Já sabíamos que ambos estavam na cidade no momento que a barreira foi levantada, mas não me lembro de ter sido explicado — ou sequer mostrado — o que exatamente eles estavam fazendo no momento que o saco de bosta bateu no ventilador. Bom, ambos são basicamente caçadores de “vampiros”, que no caso, se me lembro bem, são os responsáveis pela criação da “raça de sangue”. Entretanto, eu definitivamente não confio na minha memória, então, às vezes, tenho a leve sensação que essa “raça de sangue” são os próprios “vampiros”. Enfim, Klaus e Steve estavam lá pelo o que havia acontecido, que como vocês já sabem, era a catástrofe em si; só que eles haviam chegado logo em seguida do início do acontecimento, então, o motivo para eles terem ficado presos lá dentro é por justamente terem chego rápido demais e, além disso, terem o desejo de ajudar as pessoas que estavam sofrendo aquele verdadeiro apocalipse. Óbvio que o real objetivo deles era de acabar com aquela névoa estranha e, em seguida, destruir qualquer forma de vida que tenha ousado fugir do “submundo”. Contudo, como ficaram presos lá dentro, resolveram brigar pelo bem do equilíbrio da cidade.

Voltando para a ideia de que eles queriam ajudar quem estava sofrendo com aquele verdadeiro apocalipse, Klaus e Steve acabaram em um hospital, que como já disse antes, estava atendendo os feridos. Mas, depois de um tempo, um membro da raça de sangue apareceu com um monstro — que ele intitulava seu cachorro — para caçar os humanos que estavam dentro do hospital. E, mesmo com Klaus e Steve lutando juntos, eles não foram capazes de parar o membro da raça de sangue e muito menos seu cachorro monstruoso, que acabou invadindo o hospital; foi justamente naquele momento que a barreira foi levantada, fazendo com que Klaus e Steve fossem teletransportados para outro local, que no caso, já não era mais Nova York, e sim Hellsalem. Isso é interessante porque passou a sensação de que as criaturas do submundo não se apossaram de Nova York, na verdade, o que eu senti foi que os humanos que estavam lá dentro foram transportados para uma espécie de cópia de Nova York. Ou seja, aconteceu uma espécie de troca, uma cidade falsa foi trocada pela cidade verdadeira. Sendo assim, tenho a teoria que a verdadeira Nova York — ainda em pedaços — está atualmente onde deveria estar Hellsalem, no submundo.

Assim como Klaus e Steve foram deslocados para outro local, tanto o hospital, quanto as pessoas dentro dele, também foram “jogados” para algum canto, até então desconhecido. Porém, com esse episódio, pudemos descobrir que o hospital, na verdade, estava agindo no subterrâneo, com todos os membros da equipe médica vivos. O cachorro, sim, matou — ou quase isso — a todos, só que graças à magia de um velho mago, todos conseguiram ficar bem. Na verdade, se não fosse pela médica Estevez, que sacrificou sua vitalidade em prol de todos, provavelmente o mago não teria os ajudado. Com a ajuda desse mago, atual diretor do hospital, Estevez conseguiu a habilidade de se multiplicar, fazendo com que seu trabalho como médica tivesse uma gigantesca ampliação. O que vimos é basicamente a “ética médica”, onde o médico prefere sacrificar X coisas para que seus pacientes fiquem vivos.

“Se estavam no subterrâneo, para quê voltaram à superfície?”, é bastante simples, todos aqueles que foram afetados pelo cachorro, continuam vivos, só que em um estado vegetativo; a Estevez descobriu que havia uma espécie de veneno do cachorro agindo sobre as vítimas, então, ela resolveu fazer o hospital emergir para atrair o cachorro e matá-lo, fazendo com que essa espécie de veneno fosse cancelado. Graças a isso, Klaus e Steve tiveram a oportunidade de ter uma revanche com aquele membro da raça de sangue, sendo que dessa vez, o mesmo foi facilmente derrotado.

O episódio no geral foi excelente, pois além de apresentar uma história interessante e divertida, pudemos acompanhar mais do background da cidade, além de termos desfrutado de um flashback, que não é lá tão comum em Kekkai Sensen.

  • Detalhes técnicos:

Dessa vez não tivemos sakugas no episódio, mas com a nova ending, tivemos três novas sakugas. Duas delas foram feitas por Yuki Hayashi, responsável recentemente por ter participado da principal sakuga da abertura 2 de Boku no Hero Academia 2. Devo dizer que as três sakugas da ending, que tiveram dedo dele, ficaram muito bonitas visualmente. Além de esteticamente terem ficado incríveis e bizarramente divertidas.

Para quem tiver interesse e quiser ver as outras duas sakugas, apenas clique nas palavras em anexo: sakuga 2 e sakuga 3.

Discussão