Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Terminei de ver esse episódio com um sorriso no rosto, mas não exatamente por ele ter tido um momento super fofo ou tocante, mas sim porque estou achando bem gostoso acompanhar esse anime. Ele me faz lembrar da minha época de ensino médio e dos amigos que fiz, dos amigos que reencontrei e das paixões que tive. É o tipo de história que pode ter acontecido com qualquer um de nós, ou ainda pode acontecer com você, se for um pouco mais jovem. Então, vamos a Just Because!

Curta o anime21 no facebook:

Quem nunca passou por um silêncio constrangedor no colégio deve ter reprovado por falta kkk…

Antes de falar do episódio em si tenho que confessar que adorei a abertura e o encerramento, pois as músicas são ótimas e achei que as cenas casaram muito bem com a proposta. Quanto a parte técnica do anime não há nada demais a comentar, mas ele até que está indo bem, rendendo uns momentos mais bem acabados – principalmente quando focam nas expressões dos personagens – e tendo umas boas músicas de fundo que ajudam a complementar as cenas. No geral, para obras assim, se a animação não for péssima já é bom, e se o design for bonitinho, como o dessa é, ajuda também.

Agora falando da história, esse episódio foi ótimo porque tanto mostrou um pouco do passado dos personagens quanto trabalhou eles no presente, incluindo a Horikawa, que, pelo que sugere a abertura, é uma das personagens principais do anime. Ao começar com um pequeno flashback para que entendêssemos o tipo de relação que a Natsume tinha com o Eita e também quebrar um clichê – jurava que ela gostava dele e tinha ressentimento por não terem ficado juntos, algo assim, não que ela gostava era do amigo dele e havia se aproximado dele por isso –, ficou mais fácil de assimilar o que vimos no resto do episódio: pessoas apaixonadas por pessoas que não sentem o mesmo.

Seu quarto diz muito sobre quem você é, já dizia alguém por aí…

Parando para analisar, o Eita gosta da Natsume, mas ela gosta do Haruto e ele gosta da Horikawa, que não gosta de ninguém. Não sabemos se o primeiro já se declarou e levou um fora – isso não ficou claro ainda –, mas é certo que ele se dá bem com a Natsume – parece que se aproximaram por ela gostar do amigo dele e ele saber, mas não dizer nada. Já ela gostava ou ainda gosta do Haruto, mas nunca teve coragem para se confessar – talvez por saber que ele gostava de outra garota antes e que ele gosta de outra agora? O terceiro gosta da Horikawa e ia se confessar para ela, mas amarelou e só arrumou o encontro no aquário – evento esse que deu vida ao episódio.

Se perceberam bem, há tanto aqueles que gostam, mas sabem que essa pessoa gosta de outro, quanto aquele que gosta, mas a pessoa da qual ele gosta não gosta de ninguém. É um quadrângulo amoroso onde todos se dão bem – afinal, até saíram em grupo – e devem estudar juntos no último semestre do último ano. Alguns casais se formarão daí? Eu acredito que sim! O bom vai ser ver o aprofundamento das relações entre eles, o que, aliás, já começamos a ver nesse segundo episódio.

De mulher, homem sempre fala muito disso! SEMPRE!!!

Primeiro vou comentar do Haruto, que não entendi direito porque ele disse que ia chamar a Natsume, mas foi é se declarar para a Horikawa. Suponho eu que ao ver um amigo depois de tanto tempo ele se animou e tomou coragem para se confessar, o problema foi que o pessoal estava por perto e ele muito envergonhado acabou foi arranjando o encontro no aquário. Se pensarmos que é o estereótipo do japonês ser tímido quanto a romance a atitude dele até que faz bastante sentido.

Ao menos, mesmo com os irmãos pequenos da crush e os amigos indo também, ele conseguiu se aproximar da garota, não só por ter trocado contatos, mas por ter se dado bem com seus irmãos e ter causado uma boa impressão como um todo. Dizem que um amor sólido começa na amizade, sendo assim, ele se mostrar alguém agradável e confiável como amigo facilita uma aproximação.

Dizem também que uma forma eficiente de conquistar alguém é “pelo estômago”, não duvido que pessoas como a Horikawa – que mostrou ser bem apegada a família – podem ser conquistadas “pela família”. No fim, apesar de ter sido um encontro em grupo, ele conseguiu estreitar a amizade com ela, o que já foi um bom começo e deu base para que ela passe a se interessar por ele com o tempo, para que ele invista mais e mais nela e para que em algum momento os sentimentos dos dois se desenvolvam até o ponto em que o amor seja mútuo e eles namorem por consequência disso.

Uma foto triste para a fotógrafa e feliz para os fotografados…

Por outro lado, temos o Eita que anos antes parece ter sido um confidente para a Natsume e que antes disso, ou por isso, acabou vindo a se apaixonar por ela. Pela interação dos dois deu para perceber que são amigos, que da parte da Natsume parece não haver nenhum problema entre eles. Fico preocupado é com o Eita, pois acho que ele, por gostar da garota que gostava do seu amigo, pode ter algum ressentimento com ele ou com ela, e uma insatisfação por ter tido que se mudar e não ter concretizado o seu amor pela garota. Aposto que o drama desse anime girará em torno dele.

Agora algo que não ficou claro foi se a Natsume ainda gosta do Haruto ao ponto de se confessar para ele ou se, como ela deixou a entender em algumas partes, deixou isso no passado e não quer tentar mais nada. É certo que ela ainda não o esqueceu completamente, mas talvez por saber que ele gosta de outra pessoa, e que ele está tentando se aproximar dela, ela não queira se confessar. Fico com a ideia de que um bom desfecho para ela, assim como para o Eita, seria ela ir se apaixonando aos poucos pelo aluno transferido e até o fim do anime confessasse o que sentia pelo Haruto apenas para virar a página mesmo, assim ficando com um e deixando tudo em pratos limpos com o outro.

Acredito que ela quer evitar pensar em relacionamentos também por estar focada nos estudos. Se pegarmos a outra garota do quadrângulo, a Horikawa, ela só não gosta de ninguém mesmo, então não há nada que a impede de vir a namorar num futuro próximo. Por ora, o único cenário em que todos saem felizes é esse, o que, aliás, falo por experiência própria que é o mais plausível.

Quando você gosta de alguém há muito tempo e não conta para a pessoa, aquele sentimento não correspondido acaba se perdendo, enquanto algo que você criou de pouquinho em pouquinho com alguém que esteve ao seu lado e apoiou você quando você mais precisava pode ser muito mais forte e verdadeiro. Se for mais ou menos isso o que eu disse creio que o anime tomará esse caminho e nos próximos episódios veremos esses personagens compreendendo e demonstrando melhor o que sentem uns pelos outros enquanto aproveitam os dias de sua juventude.

Se pensarmos que tudo isso ocorreu enquanto conhecemos um pouco mais da personalidade de cada um deles, podemos ver como esse episódio foi produtivo para definir a base da história que vamos acompanhar daqui em diante. Digo isso porque pequenos detalhes mostraram quem eram esses personagens, eles foram minimamente aprofundados em meio as suas interações e as situações que apareciam. Todas bem realistas, mas não menos prazerosas por isso, vale ressaltar.

Ele já está treinando para quando virar irmão mais velho dos garotos

O Eita foi paciente e prestativo ao guardar o segredo da Natsume e ajudar o amigo indo no encontro em grupo, a Natsume se mostrou meio avoada e indecisa por bagunçar todo o quarto para se arrumar e ter fugido da amiga para não ter que dar uma satisfação, a Horikawa pareceu bem apegada a família por levar os irmãos junto e simpática por ser calma e sorridente, o Haruto demonstrou ser bem emotivo e tímido por suas emoções afloradas contrastarem com sua insegurança em demonstrá-las. Coisas assim mostram bem quem são esses personagens.

O anime conseguiu ir definindo quem são os protagonistas da forma mais natural possível e manteve o realismo e verossimilhança do primeiro episódio, o que conto como mais um ponto positivo para a obra, pois se encaixa perfeitamente dentro da sua proposta de trabalhar o amor não correspondido na juventude em meio às situações e experiências do cotidiano – como provas de admissão, atividades de clube no colégio, cuidados com a família, etc.

Quem nunca reagiu parecido ao receber mensagem do crush, hein?!

Esse é o tipo de obra que se dá melhor quando mantém consistência e desenvolve seus personagens e problemas pouco a pouco, que é o que se vê aqui. Após todo esse estabelecimento de intenções amorosas não correspondidas houve a cena em que a Komiya do clube de fotografia aborda o “misterioso estudante transferido” e dá margem para que no próximo episódio ela – a última dos cinco principais – seja melhor trabalhada, já que até agora ela até apareceu bem no primeiro episódio, mas ainda não se ligou ao grupo principal – só mostrou certo interesse no Eita.

Espero que estejam gostando do anime tanto quanto eu e que se tiverem algo a falar sobre ele que deixem um comentário abaixo para trocarmos uma ideia. Foi bem prazeroso escrever esse artigo para vocês, mas agora eu fico por aqui. Até a próxima pessoal!

A caçadora de furos e aquele que quer furar esse bloqueio de vida que ela é kkk…

Comentários