Essa semana marca uma nova página na vida de Aoi. O episódio foi voltado a apresentar o que é e como é a nova pousada para onde a nossa protagonista foi levada. Algumas informações bastante relevantes também foram dadas, as quais comentarei durante o artigo. No mais, alguns sentimentos de Genji e Aoi que valem maximizar e analisar.

O início do episódio de Kakuriyo buscou ilustrar a chegada de Aoi ao Oryo-ya. É interessante ressaltar as semelhanças da chegada dela a essa pousada e a do Tenjy-ya, pois nos dois casos os olhares eram condenadores e de uma forma ou outra buscavam machucar Aoi. Mas já conhecemos nossa protagonista e sabemos que olhares não servem para pará-la, tão pouco amedrontá-la. Então, Aoi terminou confinada em um quarto, nada que lembre uma prisão cruel ou torturadora, até porque lá ela tinha refeições de qualidade, um bom lugar para dormir, espaço, e também um bom banheiro. O questionamento que fica dessa sua prisão é quando Ranmaru menciona sobre se o amor do Rei Ogro por ela o faria aparecer para resgatá-la. De uma forma geral o episódio não mostrou nenhuma movimentação do Rei em busca de ajudar Aoi, na verdade, ele não chega a aparecer, o que faz com que imaginemos que ele esteja tramando algo para ir em busca de resgatar sua prometida esposa.

Os olhares voltados a Aoi.

Antes de continuar com a análise do episódio, uma parada para destacar a mudança de abertura e de encerramento. Primeiramente, notei que a música ficou tão boa quanto a primeira, essa mistura entre a música tradicional japonesa como fundo e uma pegada mais pop na letra é sublime, o resultado é algo bem interessante de se ouvir. Tratando das cenas, nada de anormal a relatar, está tudo belo, e o final com os 3 ( Genji, Tenji e Aoi) lado a lado é bem o que vem sendo o anime. O encerramento em termos sonoro está muito bom, mas aqui o que mais interessa comentar são as cenas, pois nelas é centralizada a relação entre Aoi e o Rei Tenji, com uma construção romântica dos dois que deve ter agradado a todos que esperam a união desse casal. Os sorrisos, o cenário, as mãos se entrelaçando e os olhares, tudo que um romance exige. Isso seria um presságio do final?

Retornado aos acontecimentos, chegamos à tentativa frustrada de fuga de Aoi. Não chegou bem a ser uma fuga, afinal, ela não fez dessa forma (não é?), acabou que serviu apenas para ela sair do quarto, mas nada muito planejado para sair do Oryo-ya. É claro que uma humana sozinha no Reino Oculto não iria muito longe, então nessa Aoi está certa, sair da pousada seria um pleno e total risco para ela.

Bom, foi no encontro entre Ranmaru, Genji e Aoi no corredor que surge uma conversa chave: o que é essa tarefa tão importante que Genji tem para cumprir em nome do Oryo-ya? Podemos interligar: festival, fogos e… seria isso o algo tão essencial que mobilizou tudo em necessidade da volta de Genji? De certa forma, entendo que isso seja parcialmente a verdade, porém existe algo mais chamativo por trás. Sendo assim, se torna outro mistério na obra, o que é necessário, afinal, o outro grande mistério que gerou tanta tensão está quase que por se resolver, ou pelo menos é o que vem se desenhando.

Comentando sobre o Oryo-ya de forma geral, aparentemente é um estabelecimento tão bom quanto o Tenjy-ya, e até com uma vista bem melhor, por se encontrar nas terras do Sul. Os empregados não são seres ruins, tratam Aoi mal porque é o que se faria com alguém do estabelecimento rival. A jovem anfitriã é aquela que destaco o lado mais negativo. Uma pessoa cheia de si e ao mesmo tempo vazia. Como notei isso? O jeito arrogante e orgulhoso dela de falar é por conta do seu posto importante, mas ela anda acompanhada pedindo para que suas empregadas confirmem o que ela fala, isso só é prova de que ela é alguém que tem uma argumentação muito frágil e que não confia no seu próprio ser (alguém vazio). Os outros empregados reproduzem o comportamento ofensivo com Aoi, só que no fundo não são ruins, apenas zelam pelo seu emprego.

Posteriormente a alforria de Aoi viria com um velho conhecido: Sr. Matsuba. Quem acompanha os artigos já sabe do carinho que esse senhor desenvolveu por Aoi, então é lógico que ele faria com que ela ganhasse uma abordagem no mínimo de respeito. E também é claro que não ia deixar de exigir os pratos que nossa protagonista prepara.

Sr. Matsuba querendo acertar as contas com Hatori.

Geralmente não comento sobre as cenas de refeição, mas deixarei nessa análise minha satisfação ao vê-las. E por que essa satisfação? A cena como um todo é muito agradável, reparem no cenário suavizado, no fundo musical com música tradicional japonesa (o qual admiro muito), os discursos dos personagens também são interessantes, e juntando tudo isso gera cenas que é impossível não arrancar um sorriso no meu rosto. No episódio dessa semana tivemos duas dessas cenas, uma com Aoi e outra com Sr. Matsuba, ambas bastante agradáveis, contudo o fundo musical da cena dela me agrada muito mais.

Mesmo longe do Tenjy-ya, Aoi e Genji continuaram trabalhando juntos. Não dá para negar que é legal ver os dois juntos, mesmo você, que incentiva o desenvolvimento do romance de Aoi e Tenji, não pode negar a isso. As palavras de Aoi são bem fortes em relação a Genji, é uma constatação de necessidade da presença dele, e não só por ele ajudar nas tarefas, mas sim pela presença dele em si. O carinho dela por ele cresceu muito, ou melhor, ficou mais notável nos últimos episódios. Gostaria que ela perguntasse novamente a ele sobre o acontecimento de quando ela era criança, e se foi ele que ajudou. Uma espera sem fim para ver a reação dela, a dele, e o que isso iria culminar, o quão densa se tornaria a história a partir disso. Logo logo isso deve ser apresentado.

Aoi e Genji trabalhando juntos.

Um ponto a ser comentado são as atitudes de Hatori. Assim como já citei ele pretendia se notabilizar como um pretende a Aoi, ele tentou, e possivelmente continuará tentando. Ele foi fez uns agrados a Aoi, e na menor oportunidade jogou uma indireta para ela. O resultado? O olhar tenebroso de Aoi (essa cena ficou engraçada). Mas, por que esse interesse repentino de Hatori em Aoi? Agora usarei o que a Sra. Nenê ( Jovem anfitriã) falou. Basicamente, para um ayakashi se casar com uma humana aumenta o seu reconhecimento no Reino Oculto. Isso também explica o motivo de o Rei Tenji ter aceitado a neta de Shiro como pagamento da dívida, um valor inestimável para um ayakashi se casar com uma humana. Então, Hatori está em busca de algo com Aoi muito mais por esse reconhecimento, do que por conta dela mesmo.

O final do episódio volta a ressaltar a importância da tarefa que Genji tem a cumprir para o Oryo-ya. E também Ranmaru que pegou a presilha de Aoi (dada pelo Rei Tenji) como garantia para que ela não fuja. Algo fora de cogitação para ela, já que cada vez mais é notável que ela não sairá de lá sem o seu querido Genji.

Ranmaru tomou a presilha de Aoi.

Essa foi a análise de Kakuriyo no Yadomeshi 15. Um episódio bem mais cheio de informações, que destacou bastante onde Aoi foi parar, e com quem ela está lidando nesse lugar chamado Oryo-ya. De certa forma, esse estabelecimento ainda guarda segredos interessantes e relevantes para obra, isso veremos em episódios futuros.

Obrigado por acompanhar mais um artigo, e até a próxima.

Nunca se sabe de onde pode surgir o amor, da pessoa do lado ou de alguém que vimos pela primeira vez, até mesmo esse sentimento pode se atrelar a um ayakashi. Das profundezas do ainda misterioso mundo para os humanos, chamado de Reino Oculto, pode surgir um dos mais verdadeiros sentimentos…

    • TripLl

      Alguns problemas me fizeram atrasar esse episódio. Mas, garanto que logo o artigo estará disponível. Desculpa pelo atraso, e espero você quando o artigo for ao ar.

Comentários