Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Olá, pessoal! Aqui estou eu outra vez, trazendo mais um artigo de Uchouten Kazoku para a Sessão Vintage!

Bom, este episódio foi muito sentimental. Não fala apenas sobre a história da Benten sendo raptada por um tengu e depois se “vingando” por tudo que lhe fez, mas também temos uma reflexão sobre comer e ser comido. Quem já viu o anime ou está acompanhando ao mesmo tempo que estou fazendo os artigos, sabe o quão cruel uma pessoa pode ser assistindo este anime. Essa demonstração de “perigo iminente” é mostrada ou de forma bem-humorada como em boa parte das cenas que foram mostradas até agora, ou de forma sentimental que foi mostrada neste episódio. Não é nada simples aceitar uma mudança tão repentina, e muitas vezes o poder que lhe é cedido o corrompe.

Como Benten era uma garota do interior, era novidade ser tratada e educada por outra pessoa, ainda mais por um tengu(bom, seria novidade para qualquer um, mas foi uma mudança bem drástica em sua vida). Ela não esperava ser raptada por Akamada, muito menos acolhida por ele, mas de certa forma esperava que ele se apaixonasse. Após aprender várias coisas sobre os tengus, inclusive o dom de voar, houve o fatídico acontecimento do Cedro Demoníaco, que possibilitou a perda da capacidade de voar de seu educando, deixando-o deprimido em casa todos os dias. Será que é por isso que ela vai chorar no poço do Yajirou todas as noites sem dizer uma só palavra?

Enquanto Yasaburou passava a noite com ela, sendo que Benten estava próxima e ao mesmo tempo distante(como sempre), ele lembrava de como a bela moça era no passado. O quão ela havia mudado. Como ela consegue controlar o coração de tantos homens. Como ela mudou o seu comportamento de forma brusca. E ele não entende como consegue ter sentimentos e carinho por ela, mesmo sabendo que há risco de ser comido. Mas não só por Benten que ele sente tantas coisas, mas pelo Yodogawa também. A pessoa que pode comê-lo no futuro é a mesma que salvou a sua mãe em um dia chuvoso, quando ela passava por necessidade.

Lembrando de pequenas gentilezas e os dias que passou junto com as pessoas, possibilitou que ele criasse esse laço de amizade e carinho por eles. Mesmo que Yasaburou finja não saber, consegue entender muito bem esse apreço que sente, mesmo podendo ser traído no futuro. Inclusive, enquanto ele tentou entender essas questões bêbado no poço do Yajirou, e assistindo a Benten chorar com aquelas grandes e salgadas gotas, o irmão dele estava tentando defender o seu lugar como próximo Nisen-emon.

E, como demonstração do sangue tolo, termino o artigo por aqui. Obrigada por quem acompanhou. Nos vemos no próximo! 🙂

Comentários