Triage X e Ghost in the Shell Arise terminaram! Os dois animes são medianos no que se propõem, com vantagem para Ghost in the Shell por várias razões, sendo a última delas seu episódio final ser sério e significativo, ao contrário do festival de fanservice e nada do episódio 10 de Triage X. A maioria dos demais se encaminha para o fim, com as exceções de Arslan Senki, Kyoukai no Rinne, Ore Monogatari e Denpa Kyoushi, que continuarão durante a temporada de verão, e Seraph of the end que dará uma parada mas irá voltar na temporada de outono. Alguns vão dar saudade, outros já vão tarde, mas isso eu deixo para detalhar no artigo final sobre a temporada, quando ele sair.

Nessa semana assisti 22 episódios de animes. Cavaleiros e Sailor Moon não saíram porque são quinzenais, e Denpa Kyoushi eu não assisti mesmo, como já havia avisado antes. Estou enjoado dessa droga e estou deixando acumular episódios para assistir de uma vez no fim da temporada. Mas depois que descobri que ele continua na próxima temporada voltei a considerar seriamente parar de assistir. Na imagem: “Olha a cobra!”, e em clima de festa junina todo mundo que estava indo para a esquerda na semana passada agora está indo para a direita. Pode me xingar pela piada horrível, mas só depois de ver a classificação semanal abaixo:

22 – Triage X, episódio 10

E pra fechar com chave de bosta, Triage X deu um salto no tempo depois do fim do episódio anterior, e tudo deu certo lá, sem crise. Ao invés de mostrar isso, que tal ficar a maior parte do episódio mostrando todas as garotas da série dentro de uma banheira?? Ficou bom, hein! No final tem um casinho meia boca só pra mostrar que não acabou ou coisa assim, e o único momento em que realmente me diverti foi quando o Kouta Hirano de Highschool of the Dead apareceu na sala de aula do Arashi. Foi só um cameo, mas foi legal. Mais legal seria se o apocalipse zumbi tivesse começado em seguida … ei, será que a droga D99 é responsável pelo apocalipse zumbi que serve de início a HotD? Mais um autor com obras em universo compartilhado? Seria divertido.

21 – Plastic Memories, episódio 11

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Uma comédia romântica sem nenhuma comédia. Ou será um drama romântico? O drama tá bem fraco também, de todo modo. E romance, que romance? Ah, sei lá, nem é tão ruim assim pensar em um casal de recém-namorados meio felizes, meio constrangidos, com dificuldade até para fazer as menores coisas. Mas quando isso só acontece no final da série e com todos os outros personagens bisbilhotando e dando conselhos (a maior parte do tempo conselhos ruins) o tempo inteiro, isso fica chato pra caramba. Quando levo em consideração que eles já moravam juntos desde antes de namorar, e que portanto não faz sentido que sejam um casal super púdico e envergonhado, aí sou levado a me perguntar porque ainda estou assistindo Plastic Memories.

20 – Gunslinger Stratos, episódio 11

Tohru 1 tem uma ideia de como derrotar os Guardiões do Tempo, Tohru 2 só quer matar todo mundo e roubar o cubo para garantir o futuro do seu mundo, até Tohru 1 convencer o Tohru 2 que o plano dele é bom e pode funcionar. Eles derrotam os Guardiões de Tempo depois de quase morrerem e cometerem um erro de cálculo que quase fez o plano fracassar – e todo mundo morreria daí. De volta, Tohru 2 só quer matar tudo mundo e roubar o cubo para garantir o futuro do seu mundo.

19 – Dungeon ni Deai o Motomeru no wa Machigatte Iru Darouka, episódio 11

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Bell chega são e salvo ao décimo oitavo andar sozinho. Sozinho exatamente não já que Liliruca e Welf estavam com ele, mas como ele os carregou desacordados por sabe-se lá quanto tempo, tecnicamente boa parte do trajeto ele fez não apenas sozinho, mas com dois pesos mortos atrapalhando ele. O que demonstra que no episódio do minotauro ele foi apenas imprudente, colocando a própria vida e a da Liliruca em perigo, já que ele se provou agora mais do que capaz de carregar ela enquanto foge de monstros. E ainda bem que o tal chefe do décimo sétimo andar, o poderoso Goliath, só se parece com um gigante de Ataque dos Titãs no tamanho e aparência mesmo, porque em termos de agilidade ele perde feio. Como pode um chefe de nível ser tão terrivelmente lerdo? E no final das contas parece que isso faz parte de um arco de desenvolvimento do Welf, como se dizendo a ele “viu só, se você não tivesse de cú doce e fizesse armas mágicas você e seus amigos não teriam quase morrido”.

18 – Fate/Stay Night Unlimited Blade Works, episódio 22

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Divertida metáfora para sexo, hein? Não poder exibir sexo explicitamente é uma coisa, mas será que no Japão até mesmo deixar implícito que eles teriam feito sexo é proibido ou mal visto ou de alguma forma atrapalharia o produto comercialmente? Temo que sim. Também há a hipótese de não quererem mesmo incluir sexo, sei lá, o criador dos games de Fate pode ter mudado de ideia ou algo assim, mas não creio que seja o caso por causa de um número de coisas que não seriam necessárias se não fosse a intenção de piscar para o espectador que ele estava vendo uma coisa, mas na verdade era para imaginar que Rin e Shirou fizeram sexo.

17 – Show by Rock!!, episódio 8

Como no episódio anterior, os protagonistas foram os ShinganCrimsonZ. E foi mais um bom episódio. Pessoas estão sempre vestindo máscaras (e nada grita “máscara” mais alto do que o Aion com a mão sempre no rosto enquanto se esforça para falar de forma críptica), isso é normal e no caso de uma banda faz parte até mesmo da construção de imagem. Os garotos da banda estão tão acostumados a se tratarem aos pontapés e com as manias uns dos outros que não perceberam que o Aion dessa vez estava deprimido de verdade. O Crow foi especialmente duro com ele, e o baixista abandonou a banda. Mas no final deu tudo certo quando eles o reencontraram e o próprio Crow foi lá pedir desculpas. A banda dos garotos está mais unida do que nunca.

16 – Ninja Slayer, episódio 9

Ficou um pouco mais claro a relação entre a Nancy e o Ninja Slayer. Ela está usando ele para conseguir invadir lugares que sozinha ela não conseguiria. E talvez em algum momento até pretenda mesmo ajudá-lo a encontrar a vacina para o vírus anti-ninja. Bom, ela não parece má pessoa pelo menos, e é uma super hacker que passou por uma cirurgia cibernética proibida que a permite ligar seu cérebro diretamente em computadores e redes para hackear.

15 – Kyoukai no Rinne, episódio 10

Leia o artigo da Lidy sobre esse episódio.

O parente misterioso do Rinne não era um irmão, mas o pai. Bom, acho que funciona assim também, ainda mais para fazê-lo um vilão sem noção. E a mãe … ninguém sabe. Quando criança já disseram que ela morava muito longe, depois que ela havia morrido, e agora o pai perturbou o Rinne para realizar um concurso para escolher a mãe dele entre todas as mulheres que ele gosta (e são muitas). Ele também é o responsável pela pobreza do filho, pois além de roubar diretamente o dinheiro dele, usa seu nome como fiador para empréstimos que ele nunca paga. E sua empresa de damashigamis, que ele quer que o filho assuma, também está afundada em dívidas. Mas é lógico que nada disso o impede de gastar fortunas presenteando suas incontáveis namoradas.

14 – Ore Monogatari!!, episódio 10

Leia o artigo da Lidy sobre esse episódio.

Me desculpo por ter dito, alguns episódios atrás, que o Takeo é perigoso. Ele não é. Não por seu grande coração ou seu grande senso de proteção, mas porque só agora percebi que Ore Monogatari é na verdade um cartum. Assim sendo, ninguém nunca está em perigo. Esteticamente ainda é um shoujo, então não vamos ver o coração pulsando para fora do peito ou saindo pela boca cada vez que o Takeo pensa consigo mesmo o quanto ele ama a Yamato. Mas vimos algo parecido: a Yamato fumegando e seu espírito fugindo do corpo porque ela estava super excitada pelo Takeo. Como comentários específicos sobre esse episódio, deu para ver o abismo que separa o inocente Takeo da adolescente com hormônios em ebulição Yamato, e foi divertido ver a mãe do Takeo demonstrar preocupação com o filho, ainda que tenha sido de uma forma muito velada, muito típica dela.

13 – Seraph of the end, episódio 11

Okay, os “humanos”, significando “toda a humanidade”, estavam usando o Yuichiro para criar aquilo … um anjo? Culpar toda a humanidade por isso é bem estúpido, não sei quem fez aquilo com o Yu (e provavelmente com todas as crianças de seu orfanato, seus “irmãos”) nem porque fez, mas sei que não foi “a humanidade”. A maior parte das pessoas que viviam na época do desastre e a maioria das que vivem hoje, inclusive a maior parte dos soldados, não sabe de nada e só quer viver em paz e sem virar comida de vampiro. Então é estúpido condenar toda a humanidade pelo que quer que seja que está acontecendo, principalmente se a condenação for morrer ou virar vaca leiteira pra vampiro mamar sangue. Combinemos então que, na pior das hipóteses, os humanos (poucos) que fizeram o que fizeram com o Yu são tão vilões quanto os vampiros, ainda que por razões diferentes. Continuando: considerações éticas à parte, perceba como 5 humanos com “meras” armas demoníacas (ou seja, a elite de combate humana) só conseguem lutar contra um vampiro nobre por vez e se estiverem em cinco contra um. Senão precisam de literalmente um exército inteiro para emboscar meia dúzia deles. Considerando essa diferença em níveis de poder eu já deixo de achar tão errado assim o que possam ter feito ao Yu, supondo que o motivo tenha sido apenas combater vampiros. Apesar desse excesso de estupidez de julgamento do Mikaela, achei o episódio bom. Ele virou um vampiro e ainda é muito jovem, eu espero coisas estúpidas dele, como espero do Yu. Mas não esperava que ele fosse tão estúpido a ponto de não matar um vampiro que se parecia com um Mikaela mais velho (e que bom, por acaso era o Mikaela mais velho, mas por tudo o que ele sabia isso era simplesmente impossível). Quero dizer, para ganhar a espada ele precisou mostrar ser mentalmente forte, não é? Agora ele subitamente é fraco de novo?

12 – Re-Kan!, episódio 11

E Re-Kan puxou o drama de novo nesse episódio! A Amami pode ver fantasmas, mas nunca viu sua mãe, viva ou sequer fantasma. Descobrindo isso, todos seus amigos fantasmas ajudam a encontrar sua mãe e com a ajuda deles ela vai até o encontro da filha. Mas pela manhã seguinte ela não vê mais fantasma nenhum! Será que o preço para ela ver sua sua mãe foi muito alto?

11 – Kekkai Sensen, episódio 10

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Um episódio pateta, como tantos outros em Kekkai Sensen, que apenas resume bem por cima um bocado de história e ação que devem ter ocorrido enquanto espectador nenhum estava vendo. O que importa nesse anime são as pequenas cenas com a White e o Black no começo e no final de quase todos os episódios. São elas que estão contando a verdadeira história desse anime. O resto está apenas preparando o terreno e informando como funciona esse mundo e quem está nele. Como mesmo assim os episódios são divertidos, só posso decretar que a direção de Kekkai Sensen é formidável.

10 – Arslan Senki, episódio 10

Leia meu artigo sobre esse episódio.

O grande tema desse episódio não foi a complicada política e os senhores feudais dispostos a trair o príncipe para manter seus privilégios, embora isso tenha ocupado quase todo o tempo em tela. O tema verdadeiro foi aquela pequena cena no final quando os agora ex-escravos decidiram vingar seu senhor morto. Arslan precisava aprender que as coisas não são tão simples e não mudam apenas com a vontade de uma pessoa, mesmo se ela for o príncipe. E o que assisti não foi um grupo de oprimidos com a opressão tão internalizada que são capazes até mesmo de defender seu opressor, embora eu não duvido que muita gente seja rápida em dizer isso ao assistir esse episódio. Os motivos dos escravos não eram ideológico-opressivos, eram bastante práticos: é preciso muito mais do que alguém quebrar um cadeado e dizer para eles que agora estão “livres” para que eles realmente estejam livres. O que eles vão fazer agora? Vagar pelo mundo sem comida, sem teto, até que alguém os encontre e os mate ou os escravize de novo? Talvez um novo senhor mais cruel? Ali eles tinham um comida, teto e proteção fornecidas por um senhor que sim, os escravizava, mas não era duro demais com eles. A mudança necessária é muito mais profunda e não começa quebrando-se cadeados.

 

9 – Knights of Sidonia 2, episódio 10

A Izana é bem mais inteligente e competente do que a série fez parecer até agora, bem longe de ser só mais um soldado normal. E a Benisuzume ainda está viva e a filha de seu clone (mais ou menos isso), Tsumugi, vai enfrentá-la enquanto o Tanikaze tenta encontrar a Izana no próximo episódio. Mas falando em próximo episódio, a primeira temporada de Sidonia teve doze episódios. O subtítulo dessa segunda temporada é “Batalha pelo Planeta Nove” e já está no décimo episódio e não estão conseguindo sequer fazer o reconhecimento do planeta ainda, muito menos batalhar por ele. Essa temporada também está com previsão de doze episódios. Temo que, infelizmente, o final possa ficar corrido.

8 – Ghost in the Shell: Arise – Alternative Architecture, episódio 10

Chega ao fim a história do vírus de ciber-cérebro Fire-Starter e do grupo especial de soldados hackers que tentaram detê-lo. Não conseguiram, ele está mais poderoso do que nunca, e em mãos nada confiáveis. No entanto, ao oferecerem bom combate, provavelmente evitaram um número maior de vítimas, além de terem resolvido uma série de outros casos no processo. Uma série sobre um futuro tecnologicamente avançado e terrível, pesada de se assistir, provocante, mas que não tem a pretenção de dar nenhuma resposta. A tecnologia é o que é, e o homem é que decide o uso que faz dela. O que Ghost in the Shell é para você?

7 – Punch Line, episódio 10

A cada episódio fico com mais raiva daquele gato. Qual é, regras do mundo espiritual? Isso deveria significar que ele não pode fazer nada, não que o Yuuta não pode. Quando foi que ele passou a fazer parte desse “mundo espiritual”, deixou de ser parte da “humanidade” e passou a ter que obedecer essas regras imbecis? Foi quando ele pela primeira vez voltou para o passado acidentalmente graças ao poder dele? Ah, tô nem aí pra essas regras. Ele nem ficou sabendo que haviam regras, esse gato estúpido vai contando aos poucos e nos momentos mais inconvenientes. Se há regras nesse jogo pelo menos deixe tudo claro desde o começo. Olhe como as coisas são, só precisava evitar a primeira cena desse episódio. Pronto! Sem destruição mundial! E se o Yuuta se recusar a ajudar o próximo Yuuta, o que é bastante razoável considerando o abalo psicológico em que ele é jogado? Tudo bem se daí o mundo acabar de forma definitiva por causa disso? Sério, esse gato nunca esteve ali para ajudar, mas apenas para atrapalhar enquanto força essas regras espirituais arbitrárias. Analise bem a história e vai perceber que é isso.

6 – JoJo’s Bizarre Adventure – Stardust Crusaders, episódio 43

Esse começo de luta do Dio contra o Jotaro foi muito legal. Primeiro round da luta é mais preciso. Cheio de reviravoltas e ludibriação. E claro, cheio de Dio, um vilão formidável praticamente invencível. Dio é invencível por ser um monstro difícil de matar, não por ser extremamente forte – ele é muito forte, provavelmente mais forte que todo mundo que já apareceu no anime, mas a diferença nos níveis de poder não é tão grande assim. Nesse sentido Stardust Crusaders é bem diferente de Battle Tendency, que continua sendo meu arco preferido. Mas Dio é um vilão e um personagem divertido por si só, ele é de uma linhagem de vilões que são simplesmente maus, sem necessidade de um motivo para tanto, como o Kefka de Final Fantasy 6 ou o Coringa do Batman. E como os exemplos que eu dei, ele é louco de linguiça e isso é parte importante de seu charme e de seu poder de atração.

5 – Assassination Classroom, episódio 21

Leia meu artigo sobre esse episódio.

O tempo todo o vilão era o Takaoka! Isso que é rancor e vingança. O atirador foi derrotado com relativa facilidade, não porque não fosse habilidoso o bastante, provavelmente era, mas o trabalho em equipe da 3-E e as ordens táticas do professor Koro foram demais para ele. Voltando ao Takaoka: ele está mais cruel do que nunca. Ele sempre pretendeu se vingar especificamente do Nagisa e pretendia enterrar a Kayano viva junta com o professor Koro para matá-lo. E assim que ele garantiu que ele conseguiria pelo menos lutar sozinho e sem interrupções com o Nagisa, tratou de humilhá-lo e destruir os remédios em seguida. Ele não se importa com dano colateral e quer apenas fazer o Nagisa sofrer. Agora o Nagisa entrou em estado de fúria e pretende matar o Takaoka, o que não vai resolver nada então na prática ele se tornou mais um problema. Os demais, espero que se recuperem logo do choque e corram procurar o assassino especialista em venenos que eles já derrotaram porque ele é o único que pode salvar a metade infectada da turma agora até onde eu sei (a professora Irina que ficou para trás talvez cuide disso?).

4 – Nagato Yuki-chan no Shoushitsu, episódio 11

Esse episódio mostra o outro lado do episódio anterior: como a Nagato se sente em relação aos outros e a si mesma após o acidente. Apesar da médica que a atendeu ter descrito a condição em que a Nagato está como dismnésia, na verdade creio que o que ela esteja sofrendo seja despersonalização. Dismnésia é a dificuldade de memorizar ou acessar a memória, genericamente, e ela já deixou claro desde o começo que possui todas as suas memórias intactas e normais, ela apenas não sente que aquelas memórias sejam dela. Sentir-se desligado de si mesmo, sentir que tudo o que vive e sente não está sendo vivido e sentido por si, mas por outra pessoa, esses sintomas mais semelhantes ao que a Nagato diz estar sofrendo, são característicos da despersonalização. Isso, claro, se você não conhecer a história principal de Haruhi Suzumiya, porque se conhecer, pode explicar essa situação como a outra Nagato tendo assumido o corpo dessa Nagato, memórias e tudo. As duas explicações são divertidas. Além disso, preste atenção nas mudança na animação de encerramento (mudou já no episódio 10 mas só agora percebi)!

3 – Etotama, episódio 10

A Moo-tan morreu! Digo, dessa vez a morte é verdadeira, não é? Ela teve seu etotama destruído pela Chuu-tan afinal. Ela era o personagem mais irritante de todo modo, poucos sentiriam a falta dela, então seu passado foi revelado: ela é uma Eto-shin que vive com humanos, e eles cedo ou tarde morrem, e ela sofre cada vez que isso acontece, sendo a entidade imortal que ela é. Descobrindo isso, Nya-tan prometeu que estaria para sempre com ela, assim ela poderia estar sempre sorrindo! A parte pervertida a Moo-tan adicionou depois por conta própria. A proximidade do fim da história, o passado da Moo-tan e sua morte, tudo isso aponta para o que eu disse semana passada: separação. A Nya-tan irá recuperar suas memórias, irá ou não se tornar uma Eto-shin, e vai ter que se separar do Takeru (que em sua posição representa também toda a audiência). Eu perguntei se isso não era um pouco triste. Agora posso responder: isso é triste pra caramba.

2 – Houkago no Pleiades, episódio 10

Revelado o triste passado do Minato: ele é o parceiro mágico original do “pleiadiano” (que não tinha a mesma forma nem o mesmo nome, lembre-se do passado da Nanako onde é revelado que ele assume a forma que o ser humano que o encontra imagina). Ele era também uma criança muito doente, muito mais do que a memória da Subaru fez parecer. Ele estava morrendo. O tema do episódio é possibilidades, e vendo como ele não tinha nenhuma é fácil entender como enlouqueceu e se corrompeu. Mas Subaru o encontrou uma vez no quarto de hospital, e uma segunda vez na estufa. Ela parte para encontrá-lo uma terceira vez boiando na órbita terrestre e mais uma vez o salva. Só que ao mesmo tempo em que ele volta a si, seu destino também volta a atingi-lo e ele morre. É a própria Subaru quem está sofrendo pelo inevitável agora e em risco de se amaldiçoar, como Minato uma vez se amaldiçoou.

1 – Hibike! Euphonium, episódio 10

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Combater injustiça com injustiça. Eu entendo e dou razão aos alunos que duvidam da imparcialidade do professor Taki na audição da Reina. Ele já a conhecia afinal, ela é filha de um famoso trombeteiro e coisa e tal, é verossímil que ele possa tê-la favorecido. Eu não acredito que seja o caso, apenas entendo que pensem isso. Refazer essa audição dando a todos da banda direito de voto, contudo, é mais injusto do que a suposta injustiça que tenta corrigir. A menos que a própria Kaori reconheça a superioridade da Reina ou que essa seja avassaladoramente melhor, é óbvio que a maioria já está com a Kaori por razões afetivas. Nos relacionamentos pessoais, Reina e Kumiko estão cada vez mais próximas, e a declaração da Reina de que ama o professor Taki veio como um balde de água fria (suspeito que a Kumiko tenha se sentido dessa forma também). Não era inesperado dado o progresso do anime, eu mesmo já havia previsto isso, mas mesmo assim é inevitável a sensação de que o anime deu um passo para trás. Apesar disso, acho que não foi o caso: pela diferença de idade (que já foi relativamente maior quando a Reina era mais nova) e pelo Taki ser uma pessoa que naturalmente inspiraria confiança em alguém como a Reina, uma paixão adolescente não é de todo inesperado. Daquelas que nunca se concretiza, nem chega perto disso. Vira apenas história para ela contar quando adulta. Claro que não adianta dizer isso para uma Kumiko atônita agora, mas ainda é possível que a vez dela chegue. Por outro lado, se isso realmente a afetar, ela pode acabar se jogando para o Shuuichi, como consolo. O coração já é uma coisa complicada, o coração adolescente então, que ainda está aprendendo os caminhos do amor, é ainda mais imprevisível.

Discussão