Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Olá, pessoal! Aqui estou eu, Tamao-chan, e venho com mais um artigo de Aoyama-kun!

Devo dizer que será complicado falar dele, pois não aconteceu praticamente nada. O mais que aconteceu foi a partida de eliminatórias de futebol do colégio de Aoyama contra o colégio Takada, mas tentarei o possível para cobrir com fatos interessantes.

Bom, já estamos no terceiro episódio e todos estão carecas de saber que Aoyama é um misofóbico (germofóbico). Porém tem gente que não se toca. Sim, estou falando do menino dos tanquinhos, que infelizmente (ou felizmente) esqueci o nome. Mas ele só exibe os seus músculos bem definidos, então acredito que nem seja tão importante lembrar o seu nome. Porém, pelo fato de já ter jogado com o Aoyama lado a lado já o fez se tornar, de certa forma, uma peça chave no anime. Talvez um dia eu dê mais valor ao seu nome, quem sabe?

O menino dos tanquinhos querendo mostrar quem manda

Ele é tão sem noção que acha que Aoyama-kun não come a comida dos restaurantes simplesmente porque quer manter sua forma com alimentos balanceados, enquanto todos já perceberam que é porque ele é totalmente misofóbico. Isso me faz lembrar de um mangá BL chamado Ten Count, onde um dos protagonistas tem tanto medo da sujeira dos restaurantes, inclusive talheres por serem tocados por outras mãos, que tem vontade de sair rapidamente. A diferença entre esse personagem e Aoyama-kun em termos de germofobia é que suas mãos já estão feridas de tanto lavar, e se tornou ainda mais sério em quesitos psicológicos.

O negócio é que a primeira parte do episódio se tornou uma guerra de quem come mais para ver quem fica com o Aoyama-kun. Como estava tudo às custas do Zaizen, não mostrou as reações depois de determinada guerra culinária, mas acabou que o menino comilão de seu time ganhou a partida. Até porque, acredito que seja um sacrilégio a pessoa que não guarda um espaço para a sobremesa no estômago.

 

A segunda parte do anime é ainda mais traiçoeira. Ah, eu não comentei uma coisa. Vocês perceberam que houve uma mudança no começo da abertura? Ao invés da Moka aparecer stalkeando o Aoyama, agora é a vez da Kana, que o vem observando desde o final do último episódio. E essa menina é justamente a namorada do capitão do time adversário, e ela fará de tudo para afastar o protagonista do jogo.

O que ela não esperava é que o Aoyama é tão misofóbico que acabou gerando uma reação adversa à sujeira em excesso do outro time, e ele acabou desmaiando. O negócio foi tão sério que acabou até se transformando em uma claustrofobia. Bom, mas tudo acabou se resolvendo graças à Moka e sua habilidade mor de localização de seu amado (A.K.A ferramentas). Como todos sabem que o protagonista manda muito bem, acabou vencendo o jogo nos últimos 15 minutos e, para acabar com toda a sujeira que estava acontecendo ali, o próprio se sujou mais do que deveria e conseguiram passar para a próxima fase.

A equipe de Aoyama continua compreendendo a forma dele de ser, mesmo agindo de forma muito brusca com ele. Mas o próprio nem liga muito, tanto que continuou o episódio inteiro com cara de peixe morto. O que ainda acrescenta muito humor são as formas SD dos personagens em meio a traços tão bonitos. Acredito que a graça voltada para a misofobia ainda não tenha acabado, e a cada episódio novo vão adicionando mais elementos essenciais para que a história se desenvolva, principalmente nos 5 minutos finais e heroicos de Aoyama.

Muito obrigada por quem acompanhou o artigo até o final (mesmo que eu tenha adicionado uma referência BL), e até o próximo!

Aoyama para presidente!

Comentários