Muita gente perde a infância de diferentes maneiras. Algumas pessoas não tiveram tempo de ser criança porque foram obrigadas a trabalhar com tão pouca idade. Outras não conseguiram esse tão estimado tempo porque tiveram que fazer serviços que não me cabem a dizer aqui. E a causa mais comum: perderam a infância porque se tornaram adultos e não têm mais tempo para se divertir com os(as) seus(suas) filhos(as) ou com os(as) seus(suas) sobrinhos(as) porque o mercado de trabalho exige demais. O que aconteceu aqui foram dois fatores: um homem de meia-idade que perde o emprego e, portanto, sua vida, incluindo o seu lado criança e foi para o mundo dos sonhos, e Kitarou que, como muitas crianças por aí, não teve tempo de aproveitar a infância, e se tornou alguém sem muita imaginação em um mundo de sonhos.

Situações como a perda de emprego são comuns em nosso dia a dia. Aqui no Brasil mesmo, o desemprego atingiu mais de 13 milhões de trabalhadores. “Ah, mas também tem a situação dos trabalhadores que vivem na informalidade.” Sim, isso é um fato, e acaba entrando nessa quantidade de desempregados meio que sem querer. Porém essas pessoas que não pagam imposto de renda fazem isso para o lucro, que muitas vezes não é lá grandes coisas, vá todo para elas. Os verdadeiros desempregados são aqueles que, dia e noite, andam com suas carteiras de trabalho em mãos e procuram por algo mais rentável.

Mas por que eu estou descrevendo uma situação que está acontecendo no Brasil se o anime se passa no Japão? Eu, hein! O fato de ser brasileira me fez a cabeça e está querendo comparar as duas situações, que horror. Desde o ano de 1993, o Japão registra o menor número de desempregados no país, mostrando o total de 2,2% atualmente. Mas vamos ser sinceros: pelo que soube até hoje, você vive lá só para trabalhar. O preço de muitos produtos são bem inacessíveis em muitos casos, além de que, em muitos empregos, precisa-se trabalhar por mais de doze horas por dia, o que traz muitas complicações físicas e mentais. Mas não é apenas a questão dos produtos, como também certos profissionais – como dentistas – oferecerem serviços tão caros que praticamente ninguém tem como pagar.

O desespero de conseguir um novo emprego fez com que se tornasse uma pessoa desorganizada e acumuladora, além de suas sanidades física e mental caírem e ele ficasse cada vez mais fraco e deprimido.

Não é à toa que tantos adultos se renderam a um mundo que não existe mais. As suas infâncias perdidas por um mundo onde a sua alma é sugada em prol do trabalho fez com que eles entrassem em estado letárgico e desistissem daquilo que estavam ávidos a conseguir (ou pelo menos tentar, depois de diversas falhas): um emprego. Enquanto ainda houvesse esperança, estavam prontos para qualquer coisa. Mas uma oferta melhor lhes abriu portas, e preferiram ficar lá por um bom tempo. Mas é claro que o anime colocou algo temporário para não assustar alguns telespectadores com a alta taxa de suicídio no país, o que boa parte é causada pelo desemprego.

Estes são todos os adultos que, para escolherem um caminho mais fácil, deixaram-se levar por belos sonhos de infância.

Mas o que me deixou mais emocionada foram os sentimentos de Medama Oyaji perante Kitarou, seu amado filho. Que ele o ama eu já sabia, porém foi algo demonstrado de maneira tão cativante que sua forma original foi resgatada. Logicamente que o mundo dos sonhos possibilitou que tal ato acontecesse, porém ao sentir que o seu filho nunca teve infância depois de testar golpes que pareciam eficazes no mundo real, fez com que algo ardesse em seu peito para que derrotasse aquele inimigo que lhe era tão perigoso.

Uma força combinada com a do Makura-Gaeshi fez com que se tornasse um pai de corpo, e não apenas de alma. Um pai que quer proteger o seu filho, não importa o quê.

 


 

O youkai que apareceu neste episódio:

Makura-Gaeshi:

É um youkai que, assim como uma Zashiki-Warashi, vive em um cômodo específico da casa, que no caso pode ser qualquer quarto, além de se assemelhar com uma criança (bem demoníaca, por sinal). A tradução do seu nome é “Virador de Travesseiros”. Quer dizer que, enquanto você está dormindo e acorda de repente e vê o seu travesseiro virado, significa que ele passou por ali. O fato de ter um sino que leva as pessoas até o mundo dos sonhos, além de seu travesseiro, pode ser que seja descrito em alguma das lendas em que o youkai se encontra. Desta vez, colocarei três links sobre as informações deste ser: este, este (em inglês) e este. Divirtam-se! 😀

O criativo Makura-Gaeshi em seu mundo original.

 


 

Kagome, Kagome

Quem nunca ouviu falar desta brincadeira? Certo, nem todo mundo, mas ela é famosa e bem sombria. Quem imaginaria que as crianças brincassem de algo tão cruel?

Em alguns animes ou lugares, a cantiga é algo inocente e divertido. É uma brincadeira simples de adivinhação, onde uma criança fica no meio de uma roda com os olhos fechados, enquanto outras ficam à sua volta, cantando:

“Kagome, Kagome, o pássaro em uma gaiola,

Quando você vai se libertar? Na noite da madrugada.

A garça e a tartaruga escorregaram.

Quem está atrás de você agora?”

Mas ao saber que a criança que fica no meio é chamada de Oni e que, em algumas lendas, se ela errar o nome da pessoa que está às suas costas é decapitada imediatamente, tira toda a inocência da brincadeira. Neste link, a cantiga é explicada com mais detalhes.

A verdadeira Oni é uma menina do mundo dos sonhos.

 


 

Muito obrigada por acompanhar este artigo até o fim, e nos vemos no próximo!

Discussão