Após ter sua segunda temporada em Janeiro de 2018, Overlord volta logo em seguida com sua sequência e a promessa de acontecimentos mais interessantes que seu antecessor, ou ao menos era o que eu imaginava. Ok, estamos apenas no primeiro episódio e a temporada pode acabar sendo ótima, mas confesso que inicialmente ficou devendo. Sabe aquele episódio de praia que temos naqueles anime de light novel? Então, saiba que esse episódio foi tão relevante quanto.

Confesso que eu tenho sérios problemas em aceitar essa aparência dele. O cara é um ser supremo mas não consegue ter um corpo humano, lamentável…

Algo que devemos considerar em relação a Overlord é que diferente de novos animes, ele não precisa mostrar serviço. Quem acompanha a terceira temporada já conhece a franquia (ao menos nós supomos esse fato) e sabe o que pode ou não esperar do anime. Por isso a obra possui o luxo de iniciar uma nova temporada com um episódio morno que teve como ápice a revelação de detalhes que não influenciam em nada no contexto geral (apesar que eu não sabia que a Albedo era uma súcubus e isso é interessante ao menos). De qualquer forma, mesmo com os detalhes inúteis pudemos saciar algumas questões que poderiam aparecer posteriormente.

Albedo-sama, acredito que o Ainz não seja um homem especificamente e provavelmente ele não vai conseguir ajudar seu problema.

Como já sabemos (considerando que você, caro(a) leitor(a), já tenha visto esse anime), Ainz ou Momonga, sempre tem uma preocupação em fazer uma atuação digna de sua posição e status. Ele não é apenas um líder venerado por seus subordinados mas também um ser considerado supremo que é temido por seus adversários. Por isso ele acha que há uma necessidade de se portar como tal e usar frases de efeito perante os outros, o que é algo minimamente engraçado quando você tem ciência de que ele possui um livro de anotações, treina sua postura e fala e se preocupa em impressionar aqueles que o vêem. Porém, no fim das contas, todo esse esforço é meio inútil, afinal, ainda que ele fosse desleixado e indigno de seu cargo, provavelmente ninguém poderia se opor a ele não só por conta de sua força, como também por causa da programação que receberam de seu criador.

Bem, eles foram programados para ser desse jeito, não?

E a questão final é: o que podemos esperar dessa temporada e dos arcos que provavelmente serão adaptados? Particularmente eu espero uma temporada no mínimo melhor que a anterior que começou muito mal e depois teve sua melhora. Considerando o conteúdo da novel, acredito que teremos arcos interessantes e novos “desafios” para Ainz e seu grupo. Entretanto, isso tudo é apenas uma expectativa pessoal baseada em informações que vi sobre os volumes ainda não adaptados para anime. Vale lembrar que a editora JBC anunciou que lançará a light novel aqui no Brasil, por isso, não deixem de comprar.

  1. Bem, isso é um pouco relativo kakaka. Sinceramente não foi nada que eu realmente me importasse (ela ser uma súcubo virgem) porque não muda a história e foi simplesmente algo engraçado. Me soa mais como uma curiosidade no final de contas.

  2. Este primeiro episódio da terceira temporada de Overlord, já começou bem interessante e caricato ao mesmo tempo.
    Começando pelo Ainz, acho muito engraçado a forma como ele tenta parecer cool em frente dos seus subordinados, ele até ensaia as suas falas e posses em frente ao espelho, se o Ainz não fosse um Elder Lich e o ser mais forte daquele mundo, ele ia parecer uma criança com chuunibyou. Outra coisa que sempre achei interessante no Ainz, é a forma como ele intercala a sua faceta de líder e a sua faceta de jovem inseguro, eu acho muita graça quando o Ainz pensa com a sua voz normal e depois passa para a voz grossa do grande Ainz.
    Antes de passar para os outros personagens, tenho que responder à legenda da primeira imagem do artigo, o Ainz não se transforma em pessoa normal ou guerreiro (ilusão), porque tal transformação deve custar um x de mana de cada vez e não se pode esquecer que tanto Ainz como a tumba de Nazarik estavam com falta de poções. E um Elder Lich tem que ser um esqueleto, afinal um Elder Lich é o morto-vivo mais poderoso de todos os mortos-vivos.
    Passando para a Albedo, a tal revelação dela ser uma súcubo pura, não me surpreendeu muito, afinal o Ainz logo no primeiro episódio da primeira temporada, mudou os status da Albedo e isso teve muita influência no facto dela ser pura. Eu também me questiono de como o Ainz um esqueleto vai resolver o problema da Albedo, ele bem que podia se transformar num humano por uma noite e satisfazer a ânsia da Albedo. A Albedo na última parte do episódio estava com o fogo todo, como eu ri os seguranças do Ainz a tentarem proteger o seu mestre do ataque fogoso da Albedo.
    Por último, a Shalltear, fez uma revelação interessante, ela é uma yuri confirmada, até aqui tudo bem, mas a revelação dela que ela era capaz de ter relações com um homem morto (necrofilia), deixou-me bem pasmado.
    Quem se saiu bem neste episódio, foi o Sebas, o velho está mesmo interessado na Tuare (e o Ainz parece aceitar isso).
    Espero que o segundo episódio já mostre algo mais interessante.
    Excelente artigo de primeiras impressões de Overlord III Kiraht.

  3. Kondou-san Não acho que a Shalltear seja yuri e sim bi, e depois não é surpresa ela ter relações com um morto vivo tendo em vista que ela é uma vampira e vampiros são mortos vivos (as pessoas parecem que esquecem isso).

  4. Concordo com a sua resposta Marcus. Ainda assim, de certa, a forma como a Shallterar partilhou tal informação, fez um bug mental na minha pessoa.

Discussão