Bom dia!

O inimigo agora é outro, subtítulo da continuação de Tropa de Elite, um filme brasileiro que suspeito sem nenhum embasamento que atraia os mesmos fãs, ou no mínimo o mesmo tipo de fã, que Ataque dos Titãs. Bastante adequado, não é? Não sei, não assisti os filmes – mas sei qual é a ideia do filme, da frase, e ela funciona sozinha. Mas será mesmo o caso em Ataque dos Titãs? Que os inimigos eram humanos já era sabido desde a primeira temporada.

Bom, talvez não esses humanos. Ou talvez…?

Antes dos nossos (deles) inimigos, contudo, vou tratar do que eu não gostei nessa estreia. São duas coisas que eu não gosto em Ataque dos Titãs desde sempre, então se qualquer coisa pode-se dizer que pelo menos o anime continua coerente (para o mal). A primeira: faz tempo que só os anônimos morrem. Ataque dos Titãs fez seu sucesso como uma história sombria, na qual ninguém nunca está seguro. Por que isso é um problema? Como eu disse, Ataque dos Titãs conquistou sua fama com a sensação de que ninguém está seguro, só que há muito tempo todo mundo está seguro. No melhor dos casos podemos esperar que alguém se revele um titã vira-casaca. Mas nem acho que isso seja um grande problema. A outra coisa que me incomoda é bem pior: Ataque dos Titãs não sabe fazer suspense, e quando por acaso o faz de forma decente não recompensa o espectador atento. Vimos as duas coisas nesse episódio. Um exemplo de suspense mal recompensado foi a morte do Pastor Nick.

Uma cena bem construída, ainda que óbvia, revelando qual havia sido o triste destino do padre. Eu estava satisfeito por ter entendido todos os sinais e mais ainda quando a Hange disse que era aquela a conclusão dela também, mas daí o anime resolveu desenhar, como se eu não fosse capaz de entender sem isso, e mostrou um quadro estático do Pastor Nick sendo torturado. E por fim temos o “suspense que só é suspense porque os personagens se recusam a falar”. Teve quatro desses no episódio, relacionados dois a dois. 1) O Eren se lembra de uma conversa, mas não se sabe seu conteúdo (é só assistir a segunda temporada e rever aquelas cenas todas!); 2) O Eren depois diz que ele lembrou … através de um bilhete, o qual nunca ficamos sabendo o conteúdo; 3) O Levi diz para Mikasa que vai contar algo a ela para que conte aos outros e corta a cena; 4) A Mikasa encontra os outros e diz que vai contar o que o Levi contou e corta a cena de novo. Essa forma de fazer “suspense” irrita. É injusto! É um mistério que não tenho esperança de resolver, não importa quanta atenção tenha prestado ao anime! A não ser que se considere razoável me pedir para reassistir vários episódios da segunda temporada sem garantia de que vou encontrar lá o que procuro (pode ser um pedaço muito obscuro da conversa ou pode até ter sido uma conversa em off, não mostrada no anime). E isso só vale para o mistério do Eren, a mensagem do Levi é mesmo impossível.

A Polícia Militar pareceu abismalmente mal informada sobre com quem estava lidando

Bom, não importa, provavelmente a questão do muro só voltará a ser importante quando matarem o Kenny (e se South Park me ensinou uma coisa, é que matar o Kenny é inútil, ele sempre volta). E eu sei que escrevi um bocado sobre o que não gostei do episódio, mas a verdade é que no geral gostei bastante, como a nota que dei deve servir de indicativo. Que os inimigos são humanos já sabíamos. Mas quais humanos, não é? Bom, o grande antagonista da temporada anterior foi o titã bestial, que veio de fora. Desde a primeira temporada, contudo, há evidentes sinais de que o mal que assola o povo que vive dentro das muralhas não é apenas o que vem de fora das muralhas, mas também um que coabita aquele espaço. Finalmente foi revelada a cara (de tédio) do rei! E o tal Lorde Reiss, pai da Historia, estava lá, não sendo apenas um “senhor local” como o Levi suspeitava. Mas por que eles querem o Eren? E o que a Historia pode saber?

Um rei que inspira autoridade

Ela não parece saber de nada, senão suponho que já teria contado. E eles não querem saber nada que ela saiba – porque eles já sabem, ora. É caso de calar a boca dela mesmo. Por precaução – eles não sabem se ela sabe. A gente sabe, ou presume, que se ela não contou nada é porque não sabe nada, mas eles não contariam com essa “sorte”. Já o caso do Eren é mais complicado. Poderiam ter se apoderado dele desde a primeira temporada, mas o deixaram solto. O deixaram solto e lutando por uma causa que, parece, nem se importam. Agora o querem. O que mudou? Bom, é evidente: agora sabem que ele tem o poder de controlar titãs. Querem usá-lo? Para quê, precisamente? Se for para contra-atacar seus inimigos externos, ele pode fazer isso onde está atualmente alocado, e onde aliás ele já vem fazendo isso com razoável sucesso.

Bom, acho que eu tenho que parar de especular demais sobre Ataque dos Titãs (pelos motivos de incompetência de construir suspense que já citei) e só tentar me divertir com a ação, que continua muito boa. Quero dizer, tenho a impressão que foi ligeiramente melhor nas estreias das duas temporadas anteriores, mas vou por enquanto considerar isso apenas paranoia de minha parte porque faz tempo que as assisti e porque dessa vez é humano contra humano, não humano contra titã, então é evidente que não será igual. Eu poderia escrever sobre como achei uma ideia idiota do Levi voltar para a cidade onde seriam perseguidos, sobre a bizarra cena do Armin sendo molestado, ou perguntar da onde veio aquela cena inicial com o Eren de cabelos compridos dizendo que o Armin disse-lhe haver mar além das muralhas (quando ele disse isso??), mas esse tipo de coisa eu boto na conta do trash que Ataque dos Titãs realmente é. Até o próximo episódio!

  1. Avatar

    Este primeiro episódio da terceira temporada de SNK, foi o que mais gostei ao fim de tantas temporadas.
    Não é surpresa para ninguém, que eu nunca fui grande fã de SNK, não que eu não ache interessante, mas tem um certo personagem, cujo nome começa por E que me tira do sério cada vez que abre a boca.
    Mas este episódio e aparentemente este arco (eu não leio o mangá) dará destaque ao Levi e isso para mim é excelente. O Levi de todos os personagens, sempre foi o que mais me interessou, não só pela sua personalidade, como pela sua maneira de viver (o OVA dedicado a ele, deixa no chinelo, todos os flashbacks e ideais do Eren).
    Ao ver este episódio, tive a sensação que o verdadeiro inimigo da história de SNK, nem são os titãs, são os humanos (até aqui, nenhuma surpresa, sempre foi assim). Aquele rei com cara de tédio, não deve ser uma flor que se cheire, tal como os lacaios dele. Eu não entendo o interesse de perseguir o Eren, mas no caso da História a conversa é outra, ela como filha bastarda do rei, deve saber algo mais. A cena do rapto dos sósias do Eren e da História, foi bem mais ao menos, os bandidos que fizeram o rapto eram raia miúda (e burros que nem uma porta).
    Passando para a parte final do episódio, eu achei o Kenny um grande fdp, não só por matar membros da Divisão de Reconhecimento, que são pessoas que arriscam as sua vidas a combater os titãs, mas por fazer tal matança sem remorso. Pode ter sido impressão minha, mas como raios o Kenny dispara projecteis que parecem projecteis de artilharia com tanta facilidade, ele parece que nem sente o recuo das armas.
    A única parte que não gostei do episódio, foi a parte da morte do padre, essa parte começou interessante (mas óbvia), mas aquela parte onde a Hange exige explicações aos membros do Kempeitai (que obviamente foram os carrascos do padre), foi desnecessária e meio que estava a menosprezar a inteligência da personagem (e do espectador também).
    Por fim, desconfio que o anime sofrerá uma queda na parte da animação, este primeiro episódio já teve traços de personagens secundários em CG e como a terceira temporada de SNK terá 24 episódios, será impossível manter a qualidade impecável. E a opening, espero que a música da mesma não seja aquela, opening de SNK tem que ter Link Horizon, senão não é a mesma coisa.
    Excelente artigo, de primeiras impressões da terceira temporada de SNK Fábio.

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Bom, você deve estar adorando então essa temporada porque o Eren provavelmente vai ficar de fora da ação o tempo todo, né? HAHAHA!

      Eu não gosto muito do Levi, acho-o um personagem muito forçado, mas bem, ele cumpre seu papel na narrativa, e está se saindo bem nessa temporada até aqui.

      Os mistérios apresentados na estreia do anime já estão mais ou menos respondidos agora à altura do terceiro episódio, mas os heróis ainda estão bem longe da vitória. E é aí que o Kenny entra, suponho.

      Ir até o rancho isolado da verdadeira família real não deve ser fácil, mas com certeza é ainda mais difícil quando se tem caçadores de homens em seu rastro. Por enquanto Kenny está só “esperando” (e sendo meio burro, crente que o Levi irá até ele, mas por que o Levi faria isso agora??), mas espere só até ele descobrir o que eles estão tramando e para onde estão tentando ir. Suponho que o grosso da ação da temporada irá se concentrar nisso. Imagino se mais algum dos garotos irá morrer. Por um lado não quero que ninguém morra, mas por outro será muito, muito barato caso sobrevivam a mais essa sem nenhuma baixa. Mata sei lá, o careca, ninguém vai sentir a falta dele mesmo, só para dizer que mataram alguém.

      Quem sabe segundo cour volta com Linked Horizon na abertura? =D

      Obrigado pela visita e pelo comentário!

      • Avatar

        Eu não suporto o Eren, ele simplesmente tira-me do sério, voz irritante, personalidade irritante e que se revolta por tudo o que mexe, para mim, se fosse autor de SNK já teria feito o funeral ao Eren desde do começo.
        O Levi tem os seus exageros sim, mas entre ele e o Eren, a escolha é mais que óbvia.
        O Kenny está demasiado confiante que o seu pupilo Levi, siga os seus ensinamentos, mas o Levi não é burro, ele sabe que o Kenny o conhece desde de sempre, agora basta ver, qual dos dois irá cair na armadilha (eu gostava que fosse o Kenny, eu não gosto desse personagem).
        O segundo cour tem que ter a abertura cantada pelos Linked Horizon, senão não valerá a pena.

Comentários