Eu gosto de sempre ressaltar que este anime sempre nos traz alguma lição de moral. Não é à toa, já que é um anime de terror para crianças, não é mesmo? Acredito que o que podemos tirar deste episódio é a mesma coisa que já vimos em muitos outros: não mexa no que não é seu. Ainda estou tentando saber qual dos episódios tiveram as piores consequências até hoje, já que o anime começou jogando na nossa cara que, quando um faz uma besteira, todos pagam o pato.

Morar no Japão, apesar de ser uma coisa muito louca por causa de suas xenofobias e outros preconceitos toscos, até que tem suas vantagens. Já vi vários animes que mostram lugares na rua onde se realizam sorteios diversos. Eles são realizados por um cara que gira uma bola tipo usada em bingo e lá dentro tem várias bolinhas coloridas. Dependendo da cor de uma delas, você ganha um prêmio. Já vi de balinhas até a diversas viagens, e o pessoal do anime ganhou o prêmio máximo: uma viagem para não lembro onde!

Uma das vantagens de morar no Japão é ser surpreendido por um sorteio desses.

Mas é claro que, no lugar onde todos estavam passando (ou tentando passar) uns dias, tinha umas lendas sobrenaturais E o Nezumi Otoko fazendo uma baguncinha(que desta vez ele se ferrou mais cedo, porque o câmera não quis pagar antes). Com ele, tinha uma equipe composta por um ator super antipático (ele tinha um topete estranho, tipo o de Jojo ou de algum delinquente, mas a forma com que ele agiu me deixou com raiva, mas aqueles garotos acho que mereciam mesmo) e um cameraman(meio rude no início do episódio, mas ficou legal ao final do episódio).

O problema é que o ator resolveu brincar um pouco com a tampa que prendia o Gyuki e o libertou. O que aconteceu aqui eu chamaria de parasitismo, já que o youkai precisa do corpo de um hospedeiro x para poder “sobreviver”(não que eles estivesse morto, mas queria se mover de alguma forma para acabar com a cidade toda). E o que poucos sabiam era que, quem “matava” o Gyuki, se transformava nele, ou seja, a alma ia para a próxima pessoa que estivesse mais próxima.

Mas ainda bem que tudo terminou bem, graças a toda a reza por Karura para que ajudasse a todos. Ele nada mais é que um deus indiano que prendeu o espírito de Gyuki durante anos. Também é conhecido como um dos 28 guardiões de Kannon dos 1.000 braços. A viagem foi perdida, mas pelo menos todos sobreviveram, e é isso o que importa(ainda receberam convite para voltar quando tudo estivesse em ordem. Se fosse assim, será que alguém voltaria? Eu duvido!).

Deus benevolente que ajudou a todos os moradores e turistas que estavam na ilha.

 


 

O Youkai que apareceu neste episódio:

Gyuki: um youkai com forma de aranha gigante e cabeça de boi. Também conhecido como Ushi-Oni (Demônio Boi), e seu habitat natural costuma ser próximo à água(qualquer lugar que seja um pouco mais úmido, como mostra o anime). Ele costuma trabalhar em cooperação com outros youkais, mas isso não apareceu em momento algum na obra. Para mais detalhes, em inglês, clique aqui.

Gyuki: grandioso e perigoso.

 


 

O deus indiano que apareceu no episódio:

Karura: deus que tem corpo de humano e rosto de pássaro, assim como os Karasu-Tengu. Ele também é conhecido por ter o poder de lançar chamas pela boca e se alimentar de dragões e serpentes. No anime, ele ganhou o propósito de proteger a cidade, conseguir trancafiar o espírito de Gyuki e ser guardião de Kannon dos 1.000 braços, uma criatura próxima a Buda.

Karura, um deus muito poderoso.

 


 

Muito obrigada por ler este artigo até o final, e nos vemos no próximo!

  1. Realmente é um anime infantil de terror e este foi o caso levado ao extremo: um youkai assustador, confere, maldição que passa ao que é derrotado ou morto, confere e uma transformação que dá gastura e que me fez lembrar da cena clássica do lobisomem, confere… O título da análise faz mais sentido do que nunca. Dá pena do Kitarou ter sido a vítima disto, aliás, deu nojo de ver ele virando o Gyuki, nem sei se devo falar mais, ao menos, invencível ele não é.
    Esta sendo uma baita surpresa esta nova versão de “Gegege no Kitarou”, ainda bem que dei chance e estou amando a proposta e personagens.

    • Tamao-chan

      Olá, Escritora! Fico feliz com o seu comentário.
      E realmente, eu fico pensando qual foi o episódio mais assustador até agora. Digo, tem muitos youkais sinistros, e o que tinha me dado mais calafrios foi aquele esqueleto gigante. Aí apareceu o Gyuki, o grande youkai que nem morre, e nem vive, e por isso tem que ficar selado, sem que ninguém toque em sua pedra.
      Eu gostei muito da animação que fizeram neste episódio, porque mostrou em detalhes toda a transformação do Kitarou, e o traço ficou muito diferente. Tanto que eu consegui sentir um pouco de medo outra vez, até porque a vida dele estava em jogo.
      Mas tudo fica bem quando termina bem, já que todos se ajudaram. Imagina se o Kitarou morresse mesmo nessa viagem, como tudo ficaria? Claro que ele faz parte do Clã dos Fantasmas e pode voltar ao Mundo dos Humanos quando quisesse, mas só depois de seu corpo físico se refazer.
      Muito obrigada pelo comentário e, sim, também não me arrependo de acompanhar um anime tão legal quanto este.

Comentários