Bom dia!

Dois episódios focados em duas garotas diferentes, e contando com o anterior já são três episódios seguidos em que a Karen é apenas coadjuvante em seu próprio anime. Mas a Hikari é co-protagonista, então isso era necessário, certo?

E a Banana … quem diria!

Uma das garotas mais altas, talvez a mais legal de todas, com voz suave e calma, que gosta de cozinhar para as outras, especialmente se a receita incluir banana, Daiba Nana é (mais ou menos) a antagonista de Starlight! Bom, não exatamente. Mas se esse anime tivesse alguma antagonista, seria ela. Acho que assim ficou mais preciso. Tão satisfeita, tão feliz, tão realizada Banana ficou com a primeira Starlight da turma que passou a considerar aquele o ponto alto de sua vida. Quando, apesar de tudo ter sido aparentemente tão “perfeito” em seus olhos, no ano seguinte algumas alunas saíram, ela sentiu medo de perder tudo.

Banana, ato 1: Felicidade

Se você já for adulto, talvez já tenha passado por algo parecido com a Banana. Se for adolescente também, mas é menos provável porque teve menos oportunidades para tanto. Você tem um momento de sua vida, um período, em um lugar particular, com um grupo de pessoas em particular, que considere o maior de sua vida? O momento que você para e pensa, saudoso, “ali eu fui feliz!”? Eu tenho. Meu colegial inteiro, mas o terceiro ano em especial. Curiosamente, minha turma montou e apresentou uma peça teatral naquele ano. Noutro artigo eu conto um pouco mais sobre a história. O importante é que por muito tempo eu tentei “voltar” para aqueles anos. Como eu não fui escolhido pela Girafa para duelar em palcos subterrâneos, eu não podia fazer isso de forma literal, naturalmente, embora mais de uma vez tenha desejado que pudesse. Por muito tempo eu tentei “recriar” aqueles anos, ou “reencontrá-los” em outro lugar. Mas não é assim que as coisas funcionam.

Banana, ato 2: Frustração

A não ser que você realmente seja recrutado por uma girafa para duelar em palcos subterrâneos, daí talvez as coisas possam funcionar assim para você. Pelo menos para a Banana funcionaram. Quero dizer, funcionaram? O que ela sentiu quando ela soube que algumas alunas haviam desistido claramente foi medo de ficar sozinha. Medo de que todas desistissem em algum momento, ou que cada uma seguisse seu caminho no mundo até que sobrasse apenas ela, a Grande Banana, sozinha em um palco vazio. Ela se convenceu de que voltava no tempo para proteger a todas, mas na verdade só estava se protegendo. As garotas que saíram também ficaram felizes com a peça, eu aposto, embora nem saibamos quem elas fossem. Vários conflitos e insatisfações já existiam durante esse tempo todo entre as garotas principais. Mas Banana só enxergava a sua própria felicidade e aquele momento brilhante de sua vida. E o que é pior: ao repetir sem parar a mesma peça, de novo e de novo, ela se tornou exatamente aquilo que tinha medo: solitária. Porque esse é o destino de todos que estão presos em um loop temporal silenciosamente cientes disso enquanto todas as demais pessoas permanecem em abençoada ignorância.

Banana, ato 3: Decisão (equivocada)

Se Daiba Nana se tornou solitária repetindo o passado, Kagura Hikari se tornou solitária ao tentar construir o futuro sozinha. Um futuro que ela havia prometido construir junto com Karen desde o começo. Assim como Banana, a história de Hikari é uma história banal que pode ter acontecido com qualquer um, até mesmo com você. Ela gostava de teatro e apresentou sua amiga à arte. Karen se impressionou muito mais do que ela esperava, e admirou Hikari por conhecer algo que ela ainda não conhecia. Hikari se sentiu especial porque Karen a admirou. Então ela cometeu o erro de confundir a relação entre elas com a necessidade de ser constantemente admirada. Já passou por algo parecido? Se já passou, deve conseguir entender muito bem o que a Hikari fez.

Hikari, ato 1: Felicidade

Karen adorou tanto o teatro, em especial o Starlight, a primeira peça que assistiram juntas, que quis ela própria se tornar uma atriz e subir no palco para encenar o Starlight. E então fez a promessa com Hikari de que realizariam esse desejo juntas. Lembre-se que Hikari queria impressionar Karen! Ela sabia mais sobre teatro do que a amiga, então impressionar até aí foi fácil. Mas agora as duas tinham um objetivo em comum: Karen e Hikari queriam se tornar atrizes. Ela não tinha mais como impressionar Karen. Se estudassem e treinassem juntas, Karen poderia perceber (“que horror!”) que Hikari era tão amadora e desajeitada quanto ela. Por isso, para cumprir essa promessa de futuro, ela partiu para outro país. Se tornaria uma grande atriz e então retornaria!

Hikari, ato 2: Decisão (equivocada)

Mas o que poderia acontecer com alguém com a mentalidade da Hikari caso perdesse a fé em sua própria capacidade de cumprir a promessa? Eu não sei se aquelas audições secretas da Girafa realmente tiram a vontade de encenar, como o anime fez sugerir, mas sei que metaforicamente pelo menos funciona muito bem. É algo assim: enquanto estamos vencendo não encaramos de verdade nenhum desafio. É quando somos derrotados, quando enfrentamos barreiras aparentemente intransponíveis, que nossa determinação é testada. Porque Hikari estava treinando pelo motivo errado (se tornar a maior atriz para impressionar a Karen), a sua derrota teve um efeito psicológico pesado. Por algum tempo ela não sabia mais por que lutava. Por que ela estava fazendo tudo aquilo? Se ela não conseguia ser a primeira, a melhor, então de que adiantava? A isso o anime chamou de “perder o brilho”. Funcionou.

Hikari, ato 3: Frustração

Ao lembrar-se de sua promessa original, Hikari recuperou determinação o suficiente para poder voltar ao Japão e tentar tudo de novo. Isso jogou uma chave-inglesa nas engrenagens do laço temporal da Banana. Que elas eventualmente se enfrentassem era fatal. A presença da Hikari mudou a Karen, e a Karen mudou a Hikari e todas as outras garotas. A Hikari foi convencida pela Karen de que era possível chegar ao final daquele jogo de audições secretas sem que ninguém se machucasse. As duas no topo. Essa força, essa determinação que Hikari teve a mais que a Banana foi o que determinou a sua vitória. Banana ainda está no jogo, e agora vai atrás da Karen – que cresceu a ponto de conseguir derrotar Claudine. As audições estão chegando no final e é certo que Karen e Hikari estarão no topo, mas será que conseguirão cumprir sua promessa?

Hikari venceu Banana. E agora?

  1. Avatar

    A transformação dessa faca foi o que me fez pensar “esse é o melhor episódio do anime todo!” XD Amo demais a Banana aiaiai se não fosse o Anime21 eu ficava sem entender nada kkkk Esse anime precisa virar game de luta *-*

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Olá!

      Teve tantos episódios que gostei muito que eu não saberia te dizer qual foi o melhor, mas esse concorre, sim. E eu também já pensei em como seria um jogo de luta com as personagens e cenários de Starlight! E olha que nem sou de jogar nada, muito menos jogos de luta.

      Obrigado pela visita e pelo comentário =)

Comentários