Que episódio maravilhoso. Que partida memorável. E que duelo denso está sendo essa partida final. Dois opostos, dois extremos e duas pessoas que estão sacrificando-se em prol de seu objetivo. De um lado temos Ayano dando o seu máximo e correndo o risco de ter seu emocional ainda mais abalado, enquanto que Aragaki arrisca seu físico e uma possível carreira no esporte. Preços altos demais para uma simples partida mas que no fim, são necessários para a conquista de objetivos que não podem esperar nem mais um dia. E nesse confronto parelho, Ayano conseguirá se recuperar após tanta torcida ou ela simplesmente sucumbirá perante sua adversária?


E como já era de se esperar, Uchika trouxe respostas sobre suas razões e apesar de não ter sido uma versão satisfatoriamente boa o suficiente para entender todos os detalhes necessários, foi bem esclarecedor. Primeiro de tudo, ela não merece perdão pelo que fez e ainda bem que tem noção. Acima disso, ela teve uma ideia sobre o que fazer para o bem de sua filha mas acabou agindo de maneira errada e até mesmo oposta. E ainda que tenha alguns detalhes importantes que não foram revelados, Uchika mostrou-se muito mais interessada no nível de sua filha do que na própria. Ao invés de se importar sobre os outros detalhes que envolvem sua filha, o que tem acontecido com ela, como tem passado, ela está mais interessada no próximo nível que Ayano irá chegar ainda mais tendo em consideração sua participação inexistente nesse processo. No fim, novamente a obra alivia a situação de mais uma “vilã”, afinal, toda aquela ideia de que o abandono havia sido quando Ayano estava doente foi jogado fora.


E claro, não poderiam faltar as caras e bocas de uma das concorrentes. Ayano ainda em seu estado soberbo simplesmente esqueceu-se de como tratar as pessoas. Claro que devemos considerar a situação do jogo, o nervosismo e até mesmo a dificuldade que Aragaki vem trazendo com seu estilo de jogo calmo e controlado. E esse é um dos grandes pontos chave nessa partida: a calma e o controle que Aragaki tem exercido sobre si. Ela é impulsiva, tem um jogo que depende dos smashes e de constantes ataques mas dessa vez, mais do que nunca, ela tem sido paciente, calma e controlada para fazer o tipo de jogo que sua adversária jamais iria esperar dela. Parece que estamos vendo uma partida de uma jogadora experiente contra uma novata gênio por conta do desenrolar da partida. Seu estilo de jogo têm sido tão sólido que além de conseguir preservar seu joelho ao máximo, Aragaki está conseguindo manipular o jogo de sua adversária que não só saiu de sua zona de conforto, como também está dando tudo de si pela primeira vez no torneio.

E ai na primeira derrota vai embora? Ok.

É a velha história da necessidade de um rival à altura para evoluir ou dar tudo de si. Independente de qualquer coisa, Ayano precisava de alguém como Aragaki, que pudesse desafiá-la, trazer desconforto para ela que é alguém com habilidades tão superiores em relação ao resto. E não podemos esquecer do técnico que vem tendo um papel muito importante para Aragaki, não só aconselhando como também mostrando total apoio como técnico e como alguém que já esteve numa situação similar. Inclusive arrisco a dizer que ele e sua história foram fundamentais para a decisão de Aragaki pois ela não poderia cometer o mesmo erro que ele, ainda que o preço fosse alto, afinal, essa partida é muito influenciada por escolhas que independente das dificuldades, foram tomadas.

A soberba precede a queda…

E como já mencionei, a questão dos estilos de jogo foi um detalhe muito interessante e importante. Diversas vezes a obra fez questão de apresentar formas diferentes de se jogar badminton e dessa vez, como a cereja do bolo, temos uma batalha de opostos. Ataque contra defesa, porém, diferente pois os lados foram invertidos e com isso, é necessário entender todos os pontos que cercam tais mudanças. Podemos facilmente associar o estilo defensivo a calma e controle mental sobre o jogo e sobre si, enquanto que o estilo de ataque total é um estilo mais impulsivo, talvez desesperado e precipitado em certos momentos, afinal, o erros podem acabar sendo mais recorrentes por conta da velocidade necessária para se adaptar às condições de cada jogada.

Apesar da calma, o lance que fez Aragaki ter essa expressão foi realmente fantástico.

E ficou claro que Ayano começou o jogo confiante sobre sua vitória mas sua impaciência e soberba fizeram com que ela não conseguisse enxergar com clareza sua adversária nem se controlar adequadamente e assim, sair da proposta inicial, mostrando sua impaciência perante um estilo de jogo tão diferente de sua adversária. Para ela, o jogo estava decidido e seus olhos estavam fechados para o presente, afinal, seu objetivo está no futuro e no fim, ela não só sofreu na partida como também perdeu sua motivação. Como uma pessoa que não amadureceu devidamente, Ayano estava pronta para jogar tudo pelo alto e desistir, assim como sua adversária um dia fez perante uma iminente derrota. O jogo virou, mas e a motivação, acabou?

Que personagem maravilhosa!

A quase desistência de Ayano trouxe a tona algo importante para a partida, a torcida. É justo que ela receba algum tipo de torcida? Não, mas todo aquele apoio está acima de qualquer merecimento. Elas têm uma importante missão ao estar na final: representar aqueles que foram derrotados e mostrar novamente o porquê merecem estar lá. Uma espécie de gentileza que Ayano havia esquecido (assim como várias outras) e que é compreensível. E fica a dúvida: entender o outro lado, aquele que se sente prepotente perante um adversário tão forte, mudará suas atitudes e pensamentos? Será que ela irá rejeitar sua mãe de forma apropriada, diferente daquilo que planejava?

Que delícia de animação.

O jogo não está decidido e os resultados pós final também não. Com a derrota de Ayano, Uchika irá abandoná-la isto é, como fez no passado por um motivo similar ou iremos ver um clichê onde Ayano diz para sua mãe que quer permanecer com suas amigas? E claro, mais importante que isso: qual será o estado do joelho de Aragaki? Decisões e resultados a parte, vimos o melhor episódio da obra até então. Uma ótima animação, um design dos personagens sólido e até mesmo um pouco diferente e maduro de Ayano (sério, tinha momentos em que não parecia ser a mesma personagem), algo que sinceramente eu achei mais bonito. Estou ansioso para saber qual será o desfecho dessa partida e nesse caso, detesto ter que esperar uma semana.

    • Avatar

      Acredito que seja o caso. Não via necessidade em usar a mão boa para jogar e por isso jogava e treinava com a mão esquerda. Agora com uma ameaça real, ela viu que seria necessário mostrar tudo o que sabe

Comentários