Koi wa Ameagari no You ni: Pocket no Naka no Negaigoto é uma minissérie de 4 episódios focada em dois personagens secundários da obra original, Yui e Yoshizawa. Lembrando que Koi wa Ameagari no You ni é originalmente um mangá já finalizado em 10 volumes e que teve uma adaptação para anime na Temporada de Inverno de 2018, sendo inclusive coberto aqui no blog por este que vos fala.

Então, é certeza que indicarei que você, caro(a) leitor(a), assista a qualquer série relacionada a obra? Sim, se houver qualidade. Isso não é problema para esse especial, extra do filme live action de uma belíssima história de amor, mas, até mais que isso, de amizade. É o que Pocket no Naka entrega? Leia e saberá!

Vendo o anime de Koi wa lembro que eu adorava a Yui e o Yoshizawa, não só por serem simpáticos e fofos, cada um se esforçando pelo objetivo que tinha na trama, mas também porque era o casal bem “normal” que contrastava com a Akira e o Kondou. Eu ficava querendo ver um pouco mais de como a história seria se fosse deles dois, ou pelo menos queria mais tempo de tela para ver o amor surgindo.

É isso o que esse especial entrega, ele pega fios que ficaram pelo caminho, alguns lembro claramente por conta do anime, e os usa para mostrar o que aconteceu com esses dois personagens e como suas histórias se conectam. No anime esse “conteúdo” é suprimido, o que faz todo o sentido, pois o foco é na Tachibana e na sua delicada história de amor.

Felizmente, alguém teve a ideia de dar um pouco de tempo a personagens que mereciam e se não vemos toda a história de amor deles, entender melhor, tendo mínimo desenvolvimento, como ela começa é gratificante para quem viu o anime e/ou o filme.

O esforçado Yoshizawa.

Não é um romance marcante e de uma construção maravilhosa, afinal, a minissérie tem menos de 50 minutos em sua totalidade, não dá tempo para muita coisa, mas basta para justificar a aproximação e até mesmo o motivo da garota ter se apaixonado.

Sim, nessa idade não se precisa de tanta coisa, mas teve e a forma como ele permite essa aproximação mesmo gostando da Tachibana também é bacana de se ver e até faz sentindo se considerarmos o amor do Yoshizawa como sendo mais inocente.

Mais amor de alguém que admira e por ter esse fascínio quer ficar perto daquela pessoa. É o amor menos, se é possível existir algum amor assim, egoísta para um adolescente. Uma mostra disso tiro pela ação dele de dar o chocolate do desejo para a Akira.

Ao invés de tentar realizar o próprio desejo, que seria namorar a garota, ele queria que ela realizasse o dela e a aproximação amorosa ele faria por conta, o que não passou nem perto de dar certo ao longo de toda a história. Alguém assim pode até lamentar o fato de ser rejeitado, mas supera, até mais se ver que a pessoa querida está bem.

É amor platônico, o que não difere tanto do da Yui, é verdade, mas até por existir distância entre o Yoshizawa e a Akira não acho nada ali inadequado quando ele e a Yui se aproximem, pois, o que ele sente não é tão forte como o que a Akira sente pelo Kondou e jamais a permitiria se aproximar tanto de outra pessoa – ao menos não enquanto apaixonada.

A alegre Yui.

Então, acho que o que ocorre entre ele e a Yui na minissérie é bem decente, ninguém está enganando ninguém ali, não está alimentando falsas esperanças. É ainda mais legal ver que da parte dela no início era apenas interesse pela imagem que ele externava, mas a coisa progride, muda de figura no dia a dia, com o convívio e a formação de um laço de amizade entre eles.

É ainda um amor em construção, em nascimento, mas não é um amor fútil, sem motivos para ser. Eu poderia dizer que ele parece excessivamente animado com o contato com ela, mas em parte isso é a atuação típica dos japoneses, principalmente em adaptações de mangás e animes, que se você já viu um bom número de filmes e séries sabe que é assim; e em parte é própria aura que a atriz emana ao encarnar a personagem.

Ela é muito fofa, tem um sorriso amigável e uma voz muito bonita. Não vejo como um garoto da mesma idade não se sentiria a vontade perto de uma garota dessas, o que é um pouco diferente com a Tachibana, pois seu jeito de ser é diferente devido as personalidades mesmo, distintas e muito bem distinguidas nessa segunda adaptação.

Na primeira que vi, o anime, esse era o caso. Duas garotas lindas, mas com personalidades e atitudes até opostas, que, talvez um pouco por isso, se tornaram boas amigas. Aliás, é essa relação que possibilita uma das melhores cenas do extra, a do telefonema no terceiro episódio. Ali ficou claro porque Yui deveria investir no garoto, como sua confissão, que veio sem seguida, não foi inadequada.

A confissão.

Ela sabia que o garoto não tinha chance com a Tachibana, então, por que retroceder se não pularia etapas? O Yoshizawa sequer havia se declarado, não era o caso de substituir uma figura que ainda nem existia. Além disso, foi legal ver a opinião das duas garçonetes sobre uma situação em que elas se encontravam na mesma posição.

As diferenças, não à toa a história de amor da Tachibana é a incomum, é que permitiam com que tratassem a coisa de maneira diferente. Ou exatamente igual, mas se você viu o anime sabe que o desfecho dos casais tendeu a ser diferente um do outro. Qual deles deu certo, caso não saiba, vai sacar relendo o texto e vendo o anime, claro, o que indico que você faça de qualquer jeito.

Importante são as circunstâncias e as do casal Yui e Yoshizawa são bem favoráveis, o que deu para perceber desde o primeiro episódio com o caso da presilha que ele gentilmente se dispôs a procurar com afinco ainda que não fosse a da Tachibana, e foi reforçado com o do chocolate da sorte no segundo episódio e até com a briga, que é mais unilateral que qualquer coisa, e a forma que ele encontra para fazer as pazes no terceiro.

Foi de pouco em pouco que eles foram interagindo, conversando, se apoiando e criando uma intimidade de uma enorme importância, pois torna fácil para o público entender porque o Yoshizawa se interessava pela Yui e porque a garota passou a gostar da pessoa que ele era além da simples imagem externa.

Lágrimas de felicidade.

A amizade que se formou para ele não continha desejo de virar algo mais, era mais inocente que a dela, que escondia um amor platônico em transformação para amor romântico e até por isso achei natural o jeito que ele buscou reparar o erro que cometeu ao quebrar a presilha dela, e como pediu a ela por um corte de cabelo.

Yoshizawa passou a ser cativado pela Yui, por isso também que a garota insiste e o futuro dos dois termina parecendo promissor como ocorre no anime. O mangá pode ter diferenças, mas eu ainda não o li, então não repassarei qualquer spoiler do qual mal lembro.

Enfim, me despeço feliz por ter assistido uma minissérie de qualidade que conta uma história que eu desejava muito ver e que não me decepcionou. Não é nada incrível, mas é bem-feitinha, muito bem produzida. Seja com caracterização, trilha sonora e até nas atuações; apesar de mesmo eu, que vejo filmes japoneses tem muito tempo, ainda achar um pouco estranho, e até engraçado, a maneira como eles atuam.

Um dia, certamente, irei até o Japão para conhecer o povo japonês e ver se eles são assim mesmo. Por ora eu me contento em ver as obras de ficção que eles produzem, e pelas quais sou apaixonado – sejam em mangás, animes ou produções com pessoas de carne e osso mesmo. Veja a minissérie se tiver visto o anime e/ou o filme live action de koi wa Ameagari no You ni. Vale a pena. Até uma próxima resenha!

Um corte de cabelo, o início de uma paixão.

P.S.: O anime da obra se encontra disponível com legendas em português no Amazon Prime – serviço de streaming da Amazon – com o título “Depois da Chuva”. Molhe-se com essa bela história de amor.

  1. Avatar

    Sempre quis ver mais da Yui e do Yoshizawa em Koi wa Ameagari….Sempre torci o nariz para live action mas a esse vou dar uma chance parece ser bom…Os dois são muito fofinhos!

Comentários