A humanidade realmente é capaz de surpreender a níveis absurdos em Magmel, pois preenchidos por vários sentimentos derivados de uma ambição particular, os humanos não hesitam em fazer coisas hediondas em nome desses desejos sem lei, e nesse episódio vemos três personagens completamente diferentes dos que já vimos em ação antes.

Há de se convir que as pessoas que vivem por meio dos posts de vídeos na internet – ou os famosos “vloggers” -, não são bem um grupo cujo conteúdo seja sempre aproveitável a quem os assiste. Existe muita coisa boa sendo espalhada por aí, assim como o inverso também acontece, sendo a influência destes crucial nos dias de hoje.

É verdade que muitos usam os diversos canais para divertir, veicular informações bacanas, ensinar a produzir coisas até para que as pessoas tentem ganhar a vida e por aí vai, mas também existe a parcela que usa a influência virtual para propagar idiotices, ódio gratuito e coisas que sinceramente não sei como ficam no ar e tem retorno. O fato é que em qualquer um dos casos sempre existe um público – e que muitas vezes é fiel e ativo, sendo uma preocupação.

Agora vamos ao motivo dessa introdução polêmica, que são as figuras que aparecem nesse novo passeio de Inyou e Zero pelo continente. Rubert é um pesquisador ávido e amante da riqueza biológica de Magmel – sendo até mais “suicida” do que eu imaginava -, que se sente feliz apenas por estar naquele ambiente, vendo de perto sua beleza e ajudando a manter em ordem as coisas sempre que pode.

Inyou o conhece e apesar de notar sua imprudência, parece ver naquele homem um sentimento similar ao que ele tem em relação ao lugar e com isso eles criam uma empatia automática entre si.

Do outro lado temos DJ Zee e Baby FAT, dois supostos humanos completamente horrendos, tanto interna quanto externamente, que agora estavam em mais uma de suas incursões para alavancar sua popularidade com ideias cruéis.

Logo quando os vi na cena onde machucam um animal inocente para ganhar mais views do que já tinham ganhado antes, fiquei possesso pela maldade que havia neles e surpreso que esse mal faça sucesso, o que leva a pergunta: como as pessoas conseguem ser tão insensíveis apoiando esse tipo de prática depreciativa?

Bom, como não sou psicólogo nem nenhum profissional ligado a esse tipo de assunto, não posso responder sobre algo que não domino, mas acho que posso dizer que a humanidade realmente ainda precisa de muito amor no coração, porque o que é mostrado nesse episódio é um reflexo dos nossos dias – talvez mais exagerado, mas ainda assim real.

Achando pouco o que estavam fazendo, eles apelam para algo ainda maior e mais monstruoso, ateando fogo em uma área repleta com os frágeis filhotes da raça Encore Pecker – que estavam sendo protegidos por Rubert -, me fazendo ficar com mais ódio ainda de seres como eles.

Inyou, como já está acostumado a esse tipo de situação, lida com o ocorrido com mais frieza e praticidade, já o pesquisador se desmorona pela violência do ato e decide caçar os criminosos – com sede de sangue assim como eu. Acho que esse foi o primeiro episódio em que desejei ver alguém morrer esmiuçado lenta e dolorosamente, pois mesmo os outros “vilões” tinham motivações maiores e mais palpáveis que a dupla de canalhas.

Diante dos protagonistas e Rubert, os dois tentam usar de psicologia reversa para confundir o pesquisador. Isso me irritou porque demonstra o pensamento de grande parcela das pessoas, que acredita que se você “faz” o mesmo que elas, você é tão terrível quanto.

DJ Zee considera os animais em Magmel como monstros pela sua aparência – sendo ele o verdadeiro monstro -, os matando por diversão, já os outros matavam fora dali para se alimentar de outros animais, mas para ele isso não faz diferença alguma, já que na teoria ambos são igualmente assassinos.

Como citei antes, existe algo chamado motivação, que em muitos casos pode justificar de certa forma um ato extremo – não que tudo sempre limpe um erro, mas ajuda a compreender -, até porque eu acho que não se compara uma pessoa que luta para sobreviver com alguém que age cruelmente apenas por autossatisfação e deboche.

Apesar de eu ter desejado que eles dois se dessem profundamente mal, Inyou os salvou parcialmente da morte eminente – deixando que a própria mente os castigasse com uma mãozinha de um dos animais -, assim como também a alma e consciência de Rubert, evitando que o pesquisador carregasse sobre si um fardo similar ao dele.

Nesse momento o protagonista nos instigou com a dúvida: que morte seria essa? Tem a ver com Shuin? A resposta certamente virá, mas o próximo episódio promete algo maior relacionado a Zero e seu provável passado que voltará para a assombrar.

No geral foi um episódio que eu gostei bastante porque tocou num tema delicado e interessante, trazendo um bom desenvolvimento – ainda que a conclusão tenha pego leve dada a lição que queriam passar -, e novos mistérios que devem impulsionar o restante da história.

  1. Avatar

    Esse foi um dos episódios que mais detestei em traduzir. Logo eu, que abrigo e cuido de animais de rua enquanto outros os espancam e matam. Certo que de certo modo o que o DJ Zee falou sobre comermos animais é verdade, mas isso não justifica ele ter fazer o que faz só para ter “fama”. Mas isso é uma realidade da humanidade atual, onde ser conhecido na internet é algo tão bom para tal que chegam fazer loucuras.

    Eu realmente quero saber o que rolou com o Shuuin e saber também mais da relação dele com o protagonista. Mas parece que isso ficará para uma possível próxima temporada.

    Estava ansiosa por esse artigo, obrigada. <3
    Próximo episódio ira focar na Zero, coisa boa para você em ( ͡° ͜ʖ ͡°) kskskskskks
    Até a próxima! o/

    • JG

      Oi de novo Letty! Kkkkkkk

      Realmente foi um episódio sofrível de acompanhar. Eu consigo imaginar a sua dor para fazer a legenda, até porque eu gosto de animais, tenho meu bichinho e fico com o coração na mão quando vejo outros sofrendo, mas como falei eles souberam lidar bem com as questões e causar sensações e reflexões (mesmo eu não querendo ver exatamente aquilo na tela kkkkk)

      Acho que agora a direção vai nos dar um norte nessa história de Shuin/Inyou, o próximo episódio realmente promete explicações e mais uma vez o foco na fofíssima Zero (que não deve estar em condições tão fofas assim, mas ok).

      P.S.: Obrigado pelo esforço em ter segurado as pontas pra entregar esse episódio a nós como sempre!

Comentários